Contratação de síndico profissional é tendência em condomínios

Apesar da prática ainda ser incipiente na Paraíba, alguns moradores já vêm optando por contratar um profissional para administrar o prédio
 
Eleger um síndico pode não ser uma tarefa muito fácil. Em algumas situações, nenhum morador quer se candidatar ao cargo ou quem está no posto não agrada os vizinhos, situações essas que podem gerar desentendimentos e fofocas. Para sanar esse problema, há quem aposte no chamado síndico profissional, um prestador de serviços que se encarrega de gerir o condomínio, ouvindo as queixas dos moradores e administrando o ambiente da melhor forma possível.
 
A prática já é bem comum em algumas cidades brasileiras, apesar de ainda não ter caído no gosto dos pessoenses. “O ideal é que seja uma pessoa centrada, que detenha conhecimento jurídico sobre convivência em condomínio, sabendo aplicar o regimento interno, e que, principalmente, tenha tempo disponível para passar sempre no local, conversar com porteiros e verificar as queixas dos moradores no livro de ocorrências”, resumiu um dos sócios da Controle Administração de Condomínios, Abrahão Stropp.
 
A presença de um síndico profissional, porém, não dispensa a necessidade de uma administradora no condomínio, que fica responsável pela gerência externa enquanto o síndico cuida da administração interna, providenciando materiais em falta, por exemplo.
 
“Tem também o gerente de condomínio, que atua como um supervisor, fazendo a ponte entre os moradores e o síndico”, explicou.
 
Mesmo admitindo que a contratação de um prestador de serviços para atuar como síndico já é uma tendência em muitas cidades, Stropp acredita que eleger um morador para o cargo ainda é a melhor escolha.
 
“No futuro, é possível que o síndico profissional se torne até melhor, com a qualificação dessas pessoas. De qualquer forma, essa prática ainda é pouco comum em João Pessoa, pois muitos moradores têm receio de passar a administração do condomínio para uma pessoa de fora”, afirmou, estimando em um salário mínimo o preço cobrado mensalmente por esses profissionais.
 

Fonte: http://revistaedificar.com.br/