Atribuições do Síndico

Gestão feminina

Síndicas fazem a diferença na gestão condominial

Por Mariana Ribeiro Desimone

quinta-feira, 13 de março de 2014


O dia internacional da mulher ocorre uma vez ao ano, mas o trabalho daquelas que exercem a função de síndica acontece todos os dias. E a boa notícia é que elas continuam ativas na gestão dos condomínios.

No último censo do SíndicoNet, em 2015, o levantamento mostrou a proporção de 68% de homens para 32% de mulheres. Apesar de ainda terem uma participação inferior à masculina, segundo as fontes consultadas, é fato que uma gestão feminia tende a ser mais atenciosa e dedicada. Veja abaixo:

Desafios

Porém, mesmo sendo natural que a mulher trabalhe em qualquer ambiente e posição, o machismo ainda está presente em diversos locais da nossa sociedade.

Muitas vezes o incômodo de ter de se relacionar com uma mulher no trabalho como colega ou como chefe ainda existe – e não deixa de desanimar um pouco aquelas que têm competência e habilidade para trabalhar e capitanear equipes.

Por isso, em alguns casos a gestão feminina ainda recebe um pouco de resistência, mas nem por isso as mulheres devem se sentir desencorajadas a trabalhar em qualquer posto.

E como as mulheres estão em todos os locais, atuando com extrema competência, não poderia ser diferente da gestão de condomínios.

Perfil

Veja abaixo algumas características do que os especialistas em condomínios acreditam serem contribuições positivas da gestão feminina

Declarações

“Acho que a mulher tem um papel tem um jeito diferente de gestão,  integra melhor os funcionários e são mais detalhistas. O homem passa as ordens e muitas vezes acham que está feito. A mulher é mais integrada a equipe. Outra coisa é fazer pesquisas de satisfação - elas sempre acham uma boa ideia ouvir o que os moradores têm a dizer. O cuidado com os uniformes também é mais rigoroso” Rosely Schwartz, especialista em gestão condominial

“ A gestão feminina de condomínios também é ótima. A mulher leva a sua sensibilidade para a administração do local, o olho para o detalhe. Dessa forma o condomínio está bem cuidado sempre” Angelica Arbex, gerente de condomínios da Lello condomínios

“Acho uma responsabilidade e uma honra poder ser síndica do nosso condomínio. Cuidar do patrimônio de todos, e de tantos funcionários, ver as coisas melhorando, aprender sempre algo novo é muito desafiador. Vou tentar mais uma gestão”. Eleonor Mendes, 56, síndica

“Já fui síndica uma vez em outro condomínio e aqui precisei tentar duas vezes antes de me eleger. É a primeira vez que o condomínio tem uma síndica, e alguns funcionários foram um pouco refratários no início, acho que por ser mulher e jovem pode incomodar aos mais velhos. Felizmente, esses dias ficaram para trás e hoje a equipe é integrada e as contas estão em dia. É o que importa!”. Maria Clara Assunção, 34, síndica

“Aqui  já é muita terceira gestão e nunca tive problemas por ser mulher. As encrencas que enfrentei sempre foram por outros motivos. Acho que a mulher é melhor síndica sim, por conseguir ouvir melhor o próximo e por saber pedir desculpas”. Denise Braga, síndica  

Fontes consultadas: Denise Braga, síndica, Maria Clara Assunção, síndica, Eleonor Mendes, síndica, Angelica Arbex, gerente de condomínios da Lello condomínios, Rosely Schwartz, especialista em gestão condominial, José Roberto Graiche, Gabriel Karpat, diretor da administradora GK e colunista SíndicoNet, Gabriel de Souza da administradora Prop Starter