Coluna: De Olho no Mercado

Pagando o condomínio com cartão de crédito

Entenda como essa facilidade pode impactar no pagamento da taxa condominial

Por Mariana Ribeiro Desimone

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018


Manter a taxa condominial em dia é um desafio não apenas dos condôminos, mas também do síndico e das administradoras de condomínio.

Isso porque está cada vez mais difícil cadastrar débitos automáticos junto aos bancos, por exemplo.

“Se o condomínio não recebe na data certa, muitas vezes não consegue fazer frente a suas obrigações, que, sabemos, são muitas. Às vezes, o condômino não paga porque perdeu o boleto, ou porque o mesmo não chegou pelo correio dentro do prazo. Queríamos oferecer uma alternativa para o morador não ter que pagar multa e para o condomínio receber no prazo”, explica André Baldini, CEO da Superlógica. 

E essa alternativa chegou. Agora, é possível pagar o condomínio com cartão de crédito. 

Queríamos uma alternativa melhor que o boleto. Nossa ideia era deixar o débito do condomínio como o da Netflix. Você não esquece de pagar porque ele debita automaticamente do seu cartão”, analisa Baldini. 

Assim, para os condomínios cuja administradora usa o sistema da Superlógica vão conseguir pagar sua taxa mensal usando seu cartão de crédito.

Benefícios para o condômino de pagar a taxa condominial com o cartão de crédito

Uma das facilidades de se pagar o condomínio com o cartão de crédito é a centralização  desse pagamento.

“Unificando mais esse gasto na fatura do cartão, fica mais fácil do condômino não esquecer, pois geralmente o pagamento do cartão está no débito automático”, afirma Baldini.

Outro ponto positivo é o valor da transação no cartão de crédito.

“Conseguimos um valor bem próximo ao do boleto evitando, assim, um encarecimento para o cliente”, explica o CEO.

Há também o benefício dos pontos de programas: ao pagar a taxa condominial dessa forma, o morador acaba acumulando mais pontos ou milhas em seu programa de fidelidade. 

Facilidade para a administradora e para o condomínio

Outro ponto positivo para essa novidade é que, devido ao software da Superlógica já contar com os dados do condomínio, a administradora não precisa alocar recursos para a migração.

“Quem opta por pagar com o cartão usa uma área segura para cadastrar suas informações, e já na próxima fatura a cobrança fica automática junto à Mastercard”, detalha Baldini.

Além disso, a administradora precisa lidar com menos boletos. 

“É uma economia considerável de tempo e de trabalho”, pesa ele. 

Para o condomínio, com o pagamento em cartão aumenta a previsibilidade de quando e quanto será recebido, evitando atrasos. 

Sem  saldo no cartão

E o que acontece quando o morador não tem saldo no cartão para pagar o condomínio?

“O software tenta, por cinco dias, refazer a cobrança. Caso realmente não haja limite no cartão para efetuar o pagamento, o portador do cartão é avisado e o boleto para o pagamento do mesmo é enviado dentro do prazo”, explica Baldini.

Dessa forma, evita-se até que a administradora precise entrar no circuito de cobrança, já que todo o processo é automatizado.

Saiba mais

Nota: a coluna “De olho do mercado” se refere a informes publicitários. Esse tipo de texto publicitário serve para que um anunciante escolhido pela equipe do SíndicoNet explique como funciona seu produto ou serviço de maneira diferenciada. O SíndicoNet não trabalha com matérias pagas, e essa é a nossa maneira de lhe dizer que esse conteúdo é publicitário, e que foi escolhido cuidadosamente para você, nosso leitor. Caso tenha dúvidas sobre outros conteúdos publicitários no nosso portal, por favor, nos escreva aqui. Isso reafirma o nosso compromisso com a transparência do nosso conteúdo.