O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×

Favoritos

Entrar

Pergunta

luciana araújo

Fica a critério do sindico obras emergenciais sem assembléia?

Por luciana araújo
Perguntou há mais de 1 ano

Responder esta pergunta
WhatsApp
LinkedIn

Aviso: O portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo ou mensagens veiculados nesse espaço.


Respostas (6)

Ordenar:

Kleber Gonçalves de Almeida
Kleber Gonçalves de Almeida

Respondeu há mais de 1 ano

Boa tarde prezada,

Existem em condomínio três tipos de obras, são elas:

01 - obras voluptuárias: robra de puro e mero deleito, requer assembleia, com quorum de aprovação de 2/3 do total da massa condominial. ex: aquisição de quadro de picasso para enfeitar hall de entrada.

02 - obras úteis: obras que aumentam ou facilitam o uso do bem. Requer assembleia, quorum da maioria dos condôminos (50% mais 01) - ex: automoção dos portôes, individualização de água.

03 - obras necessárias/urgentes : tem por finalidade conservar o bem ou evitar que se deteriore. Podem ser realizadas pelo síndico independente de assembleia. Caso os reparaos sejam urgentes e resultem em despesas excessivas, determinada sua realização, o síndico leva o assunto para assembleia para esclarecer e explicar se existe necessidade de rateio e ou, recomposição do fundo utilizado.
Não sendo urgente, ou seja, são necessárias, mais dá para esperar uma assembleia, convoca-se e aprova como será feita e paga.

Att,

Kleber - SP

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Marisa Marta Sanchez
Marisa Marta Sanchez

Respondeu há mais de 1 ano

Luciana o síndico, antes de mais nada, precisa ter bom senso OK?

O texto legal diz apenas que obras emergenciais que sejam de elevado valor podem ser iniciadas mas a AG precisa ser imediatamente convocada. Só que o texto legal não diz o que é caro e o que é barato.

No meu prédio nós estipulamos um valor de 10 salários mínimos para obras emergenciais sem necessidade de convocação de AGE e ratificaremos os gastos na próxima AGO.

Você, ou você e o seu conselho, precisam saber o que dá para peitar e o que é melhor passar primeiro no crivo da assembleia, principalmente se essa obra implicar em rateio extra.

Abraços

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Maria Telma Falcão de Carvalho
Maria Telma Falcão de Carvalho

Respondeu há mais de 1 ano

Luciana,

Se a obra é emergencial o síndico é obrigado a mandar fazer imediatamente e se não tiver dinheiro no fundo de reserva, fazer rateio e ratificar em assembléia.
O que não pode é deixar de fazer pois pode aumentar o risco ou o alor da obra.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Ver todos os comentários (1)
Maria Telma Falcão de Carvalho
Maria Telma Falcão de Carvalho

Comentou há mais de 1 ano

A obra emergencial, pode e deve ser feita imediatamente, por isso ela se chama emergencial.
Se dá para esperar fazer uma assembléia para decidir e votar, ela deixa de ser emergencial, ok?

Então, mesmo que a obra custe R$ 30.000,00 e precisa ser feita imediatamente pois oferece riscos aos moradores (no caso de grande vazamento de gás) o síndico inicia o trabalho e depois leva para a assembléia para ratificar o gasto, ´pois pior seria qse não tvesse tomado nenhuma providencia. Se tiver dinheir no fundo de reserva, usaa-se, mas se não tiver [é preciso fazer o rateio extra.

Uma vez ficamos 17 dias sem gás, tamanho foi o conserto que tiveram que fazer. Ainda bem que a construtora bancou o trabalho pois houve um erro na colocação dos tubos; não havia individualização por prédio, de formas que um vazamento teria que fechar o gás de todas as 5 torres.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Ronaldo F Moreira
Ronaldo F Moreira

Respondeu há mais de 1 ano

Desculpem o lapso de tempo para fazer uma pergunta dentro deste espírito de situação:
Temos uma situação de fato que o Síndico descobre que não tem nem terá recursos para pagamento dos salários no prazo devido. Acrescente-se que aqui no prédio o FR é absorvido, erradamente, nas despesas correntes. Em resumo, tem a despesa mas não tem a receita correspondente e não se pode deixar para obter recursos em AGE. O nosso síndico então usa recursos próprios para cobrir e depois ressarcir-se. Não houve conunicação ao Conselho. O que nós conselheiros devemos fazer ? Lógico, além de exigir dele uma melhor gestão !!

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Andherson Peter Weiss Ojeda
Andherson Peter Weiss Ojeda

Respondeu há mais de 1 ano

A questão do Fundo de Reserva depende do que está definido no regulamento/estatuto e/ou assembleia do mesmo. Não se pode afirmar que é certo o errado, entretanto, é preciso saber onde essa receita deve ser compensada. Aqui no meu condomínio o fundo de reserva também é isento, mas somente o que compete as obras de manutenção do condomínio. Obras de cunho emergencial e de exclusividade dos proprietários não são isentas para o sindico. Como falei, isto depende do que foi determinado no seu condomínio. Não é possível se falar em certo ou errado, desde que não extrapole o limite da legalidade.
Quanto a usar recursos próprios para ser reembolsado depois, não vejo nenhum problema, desde que ele tenha recursos para arcar com a despesa (e queira fazer isso). Eu particularmente acho isso uma furada. Já fiz muito isso, mas hoje me recuso a fazer, obras agora só com dinheiro em caixa, pois infelizmente muitos condôminos não tem a responsabilidade e a consciência que dinheiro para obras não da em arvore e quando isso acontece, a verdade é que o sindico é o único que sai no prejuízo. Alem de todo estresse de lidar com a obra e todas as suas responsabilidades, ainda leva meses para receber o dinheiro de volta.

Assinatura: Andherson Peter

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn

Conteúdos relacionados

Ranking do Mês

Usuários que mais respondem as perguntas

Pontuação
Entenda como funciona
Ranking geral

Faça suas cotações agora:

7.146 Compradores
14.703 Cotações
6.000 Fornecedores
Aviso importante:

As recomendações contidas nesta seção são realizadas pelos próprios usuários do Portal SíndicoNet, que não revisa nem controla as respostas apresentadas. Desta forma, o Portal SíndicoNet não assume nenhuma responsabilidade, a qualquer título, pela correção ou exatidão das respostas apresentadas, que são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Neste sentido, o Portal SíndicoNet não se responsabiliza por nenhum dano, a qualquer título, decorrente da utilização das recomendações contidas nesta seção. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.