O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×

Favoritos

Entrar

Pergunta

MICHELE DO NASCIMENTO SANTOS ROCHA

Gostaria de me candidatar a sindica, mas meu condomínio esta no negativo como deve proceder?

Por MICHELE DO NASCIMENTO SANTOS ROCHA
Perguntou há mais de 1 ano

Gostaria de me candidatar a sindica, mas meu condomínio esta no negativo, estamos com um numero alto de inadimplentes e que não foram cobrado na administração anterior.

Responder esta pergunta
WhatsApp
LinkedIn

Aviso: O portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo ou mensagens veiculados nesse espaço.


Respostas (5)

Ordenar:

Derek
Derek

Respondeu há mais de 1 ano

Primeiro passo cobrar os inadimplentes judicialmente e colocar as contas em dia. Você poderá cobrar os valores em aberto de até 5 anos atrás.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
ANGELICA THOMAZ
ANGELICA THOMAZ

Respondeu há mais de 1 ano

Michele.
Para querer ser síndica você não deve ter medo das condições que se encontra o condomínio. Em um condomínio no vermelho algumas ações devem ser colocadas em assembleia aos condôminos como:
-Expor todas as dívidas pendentes;
-Reformular a previsão orçamentária em um ano;
-Aprovar a taxa extra para colocar o caixa em ordem;
-Definir um fundo de reserva para que problemas futuros não aconteçam;
-Cobrar na justiça os condôminos inadimplentes;
-Veicular aos condôminos em particular (informativo) a transparência da gestão e as condições que se encontra o condomínio. Um condomínio quebrado, automaticamente desvaloriza o patrimônio de todos.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Compliance Sindico Profissional
Compliance Sindico Profissional

Respondeu há mais de 1 ano

Michele,

Irrelevante a situação financeira do condomínio. Participe do pleito e se eleita, faça gestões para sanear as despesas e receitas do condomínio, afinal esses desafios faz parte da gestão,ok?

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Dra. Patricia Pereira Moreno
Dra. Patricia Pereira Moreno

Respondeu há mais de 1 ano

Olá,

Antes de tudo não queira fazer milagres.

Na grande maioria dos condomínios que decidem contratar um síndico profissional, o maior motivo é a grande frustação ocasionada pelos conflitos que um síndico morador acaba ocasionando.

Decisões baseadas em emoção, nepotismo na contratação, e pensar que está fazendo um grande favor são o tripé da frustação de um síndico morador.

Reflita muito nesses pontos apresentados antes de qualquer coisa.

Primeiro: Conheça a situação REAL do condomínio: Antes de começar o trabalho, é necessário um ?check-up? do que terá pela frente. Saber a situação da inadimplência do condomínio, se há processos judiciais ou problemas estruturais no prédio são passos importantes para evitar riscos e para o planejamento de ações futuras.

Deve-se também conversar com o zelador sobre a manutenção do local, as reclamações mais comuns e procurar entender o histórico dos condôminos mais exigentes ou problemáticos. Outro ponto importante é analisar, junto com a comissão, a pasta de prestação de contas da gestão anterior, identificando falhas e oportunidades de redução da taxa de condomínio.

Segundo informe-se sobre conhecimentos legais e contábeis: o síndico deve conhecer bem a legislação que se aplica ao condomínio. Saber dos direitos e deveres e a responsabilidade civil e criminal inerente ao cargo é imprescindível. A legislação e as decisões do judiciário sobre determinados assuntos sofrem frequentes mudanças, por isso assinar um boletim semanal vai ajudá-lo a ficar informado. O LicitaMais oferece um vasto material de consulta e notícias gratuitas.

Terceiro, sempre esteja bem amparada pois trabalha sozinha é fracasso na certa. Esta é uma máxima presente no mundo corporativo e que pode ser aplicada para a gestão de um condomínio. Por isso, reunir uma boa equipe é muito importante. A começar pela contratação de uma boa administradora, que irá auxiliar o síndico na tomada de decisões e aconselhá-lo com base na experiência de mercado. Além disso, sempre que um problema for apresentado, deve-se consultar e/ou contratar especialistas em engenharia, elevador, para-raio, leis trabalhistas, entre outros.

Outro agente imprescindível é o conselho fiscal. Manter contato e reuniões constantes farão com que os membros sigam o mesmo pensamento, além de ajudar o síndico a delegar tarefas e responsabilidades.

?O síndico deve reunir-se sempre com o conselho fiscal. Isso dá credibilidade nas reuniões, quando ele citar que junto com conselho tomou decisões para o bem de todos?, diz Alberto de Lima, síndico profissional de São Paulo.

Quarto: seja absolutamente transparente com os condôminos. Fazer prestação de contas é obrigatório. Deve-se divulgar mensalmente o saldo bancário, demonstrativo de receitas e despesas, inadimplência e tudo o que envolver as finanças do residencial.

Mas a confiança dos moradores é conquistada no dia a dia. Apesar de o síndico ter autonomia para tomar decisões sem realizar a assembleia, todos os moradores podem ser consultados quando alguma mudança afetar suas vidas.

Quinto: Tenha atitude absolutamente profissional. Não é difícil ver moradores que eram amigos brigarem por causa de uma discordância ou a aplicação de uma multa. O síndico deve ter em mente que críticas e oposição de outros fazem parte do processo e dizem respeito apenas à administração, não ao lado pessoal.

O contrário também é verdadeiro. Por se tratar do cargo com maior poder em um condomínio, o síndico não deve tentar se vingar de administrações anteriores, de vizinhos ou qualquer outro assunto.

Sexto: Faça tudo com preocupação de reduzir a probabilidade de fraudes. Algumas boas práticas de gestão são úteis para que o condomínio não caia em velhas armadilhas. ?O condomínio não deve utilizar conta bancária pool, conta na qual a administradora fica com o dinheiro de vários condomínios, em vez de ter uma conta individualizada por prédio. Isso aumenta as chances de fraudes e erros?, explica Lincoln César do Amaral, especialista em condomínios e diretor da Superlógica, desenvolvedora de softwares para condomínios.

Também deve-se pedir pelo menos três orçamentos antes de contratar qualquer empresa para trabalhar no condomínio. Para comparar valores, vale a pena conversar com síndicos e colegas para ter ideia de quanto o serviço custou em situações semelhantes.

Sétimo: Acompanhe as finanças e a manutenção do prédio. O síndico tem que ficar de olho nas finanças e na manutenção geral do condomínio. Um checklist anual pode ser feito pelo zelador para identificar o que precisa ser corrigido. Normalmente, é o zelador também o primeiro a descobrir quando alguma coisa esta indo mal. É importante prestar muita atenção no que ele reporta, pois pequenos detalhes podem ser sintomas de uma situação mais grave.

O barato pode sair caro, diz o velho ditado. Não realizar manutenção preventiva pode aliviar as contas momentaneamente, mas um grande reparo arrasa de vez com as finanças do condomínio.

Para finalizar, o síndico deve, mensalmente, analisar um relatório comparando as receitas e despesas entre o mês anterior e o atual, para identificar a variação nos custos do condomínio ou aumento expressivo da inadimplência.

Para facilitar seu trabalho, é interessante ter um plano de trabalho estabelecido, com etapas definidas e cronograma claro. Este plano pode ser debatido com a administradora, que pode contribuir para que o novo síndico faça uma boa gestão.

Por fim, não se esqueça de manter um canal de comunicação com os condôminos. Comunique todas as benfeitorias, decisões e orientações. A comunicação contribui para uma gestão melhor e mais participativa.


Espero ter ajudado.
Dra. Patrícia Moreno
www.sindicanciaprofissional.com.br
Síndico Profissional e Assessoria Jurídica Imobiliária

Endereços
Unidade 01: Rua Charles Spencer Chaplin, 120, 15°and, cj.1502-B - Morumbi - SP / SP
Unidade 02: Estrada do Capuava, 737-A, Jardim dos Ipês - Cotia / SP

Telephone
55 11 99572.8047 vivo
55 11 99484.9464 claro
55 11 4243.8562 fixo
55 11 3257.9428 fixo

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn

Conteúdos relacionados

Aviso importante:

As recomendações contidas nesta seção são realizadas pelos próprios usuários do Portal SíndicoNet, que não revisa nem controla as respostas apresentadas. Desta forma, o Portal SíndicoNet não assume nenhuma responsabilidade, a qualquer título, pela correção ou exatidão das respostas apresentadas, que são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Neste sentido, o Portal SíndicoNet não se responsabiliza por nenhum dano, a qualquer título, decorrente da utilização das recomendações contidas nesta seção. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.