O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×

Favoritos

Entrar

Pergunta

Ana Carolina

Ameaça no condomínio

Por Ana Carolina
Perguntou há mais de 1 ano

Estou revoltadíssima com uma situação. Um vizinho meu, foi ameaçado pelo porteiro, através do interfone. Ele foi fazer um B.O. e o policial sugeriu que, como ele não tinha testemunha, que ele não fizesse o B.O. pois o camarada podia entrar com danos morais contra o meu vizinho.

Oi? Como assim? Quer dizer que ele precisa ser agredido para poder fazer um B.O.? Que justiça é essa?

Desculpem o desabafo

PS: Não adianta falarem para demitir o porteiro pois ele tem costas quentes com a síndica e a administradora.

Responder esta pergunta
WhatsApp
LinkedIn

Aviso: O portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo ou mensagens veiculados nesse espaço.


Respostas (10)

Ordenar:

Geraldo Majella da Silva
Geraldo Majella da Silva

Respondeu há mais de 1 ano

Camila - Inciso LIV do Artigo 5 da Constituição Federal de 1988
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;

Como você pode verificar a Lei funciona como ela é determinada e não como queremos que ela funcione. Quem acusa tem que produzir as provas, esta é a nossa Lei. Para registrar uma acusação tem que ter testemunhas, pior que isto quando elas se contradizem, deixando você em uma verdadeira fria e neste caso, poderá até haver também a inversão no processo. O policial de plantão informou o correto ao seu vizinho, não havendo testemunhas o processo poderá ser invertido pelo acusado por Danos Morais. 0k

Fonte: Pessoal

Assinatura: Geraldo Majella da Silva

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Marisa Marta Sanchez
Marisa Marta Sanchez

Respondeu há mais de 1 ano

Então foi só um desabafo, não é mesmo?

Como é que você sabe que houve ameaça já que o seu vizinho não tem testemunha? E porque é que vocês não destituem sindico e o próximo eleito denuncia o contrato com a administradora?

Assinatura: Gestora de Imóveis - Graduada Universidade CESUMAR. Pós Graduada SENAC. Mediação e Arbitragem TASP.
contato: mari.marta_imoveis@hotmail.com

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Derek
Derek

Respondeu há mais de 1 ano

Estranho, ele o ameaçou sem nenhum motivo?

Assinatura: Derek

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Eduardo Stefanes Santamaria
Eduardo Stefanes Santamaria

Respondeu há mais de 1 ano

Todo e qualquer ato, quem faz prova é quem acusa. Logo, se foi por interfone e só os dois participaram da conversa, vai ser palavra de um contra a palavra de outro.

Assinatura: Eduardo Santamaria - advogado e síndico em Cuiabá/MT.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Leonardo Soares
Leonardo Soares

Respondeu há mais de 1 ano

Bom dia.
Acho que você está condenando o porteiro apenas por "convicções". rs rs rs

Falando sério agora: sim, são necessárias provas para levar algo assim à frente.

Fonte: opinião

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Ana Carolina
Ana Carolina

Respondeu há mais de 1 ano

Ocorre que esse porteiro é marido da atual sindica e meu vizinho, eu e outros condôminos estamos nos mobilizando para destituirmos a síndica. Daí o motivo da ameaça.

Fiquei revoltada com o fato dele não ter conseguido fazer o B.O., mas sei que o policial o informou corretamente. Foi mesmo um desabafo pois nessas situações, nos sentimos muito expostos.

Mas enfim, estamos lutando para acabar com esse desmando e tenho certeza que conseguiremos.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Marisa Marta Sanchez
Marisa Marta Sanchez

Respondeu há mais de 1 ano

Por acaso a síndica chamaria Edna? Se sim me chama no privado.

Assinatura: Gestora de Imóveis - Graduada Universidade CESUMAR. Pós Graduada SENAC. Mediação e Arbitragem TASP.
contato: mari.marta_imoveis@hotmail.com

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Ana Carolina
Ana Carolina

Respondeu há mais de 1 ano

Marisa, não sei chamar no privado, mas não é esse o nome dela não. rs

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Marisa Marta Sanchez
Marisa Marta Sanchez

Respondeu há mais de 1 ano

Entendi. É que é a mesma cidade e o mesmo modo de administrar (intimidando) e o marido da pessoa em questão também era porteiro do prédio.

Enfim o que não falta por ai é síndico salafrário. E chamar no privado seria me mandar um e-mail porque se fosse a mesma pessoa eu te passaria muita informação mas nunca num fórum aberto.

Abraços, boa noite

Assinatura: Gestora de Imóveis - Graduada Universidade CESUMAR. Pós Graduada SENAC. Mediação e Arbitragem TASP.
contato: mari.marta_imoveis@hotmail.com

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Alguém
Alguém

Respondeu há mais de 1 ano

É importante ressaltar que essa é uma relação de consumo. A pessoa paga pelo porteiro. Tenho então uma dúvida relacionada. Uma vez que o código do consumidor, no artigo 6º, inciso VIII, menciona a possibilidade de inversão do ônus da prova:

"São direitos básicos do consumidor: (...) VIII - a facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente, segundo as regras ordinárias de experiências;"

Não seria cabível processo com base nisso??

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn

Conteúdos relacionados

Aviso importante:

As recomendações contidas nesta seção são realizadas pelos próprios usuários do Portal SíndicoNet, que não revisa nem controla as respostas apresentadas. Desta forma, o Portal SíndicoNet não assume nenhuma responsabilidade, a qualquer título, pela correção ou exatidão das respostas apresentadas, que são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Neste sentido, o Portal SíndicoNet não se responsabiliza por nenhum dano, a qualquer título, decorrente da utilização das recomendações contidas nesta seção. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.