O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×

Favoritos

Entrar

Pergunta

João Ricardo Fornazari Bini

Recolhimento de INSS do síndico remunerado é obrigatório? Administradoras tem que ter cadastro?onde?

Por João Ricardo Fornazari Bini
Perguntou há mais de 1 ano

Gostaria de saber se é obrigatório o recolhimento de INSS do síndico remunerado e se as Administradoras de Condomínios devem obrigatoriamente ter inscrição em algum órgão, assim como as imobiliárias?

Responder esta pergunta
WhatsApp
LinkedIn

Aviso: O portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo ou mensagens veiculados nesse espaço.


Respostas (5)

Ordenar:

Derek
Derek

Respondeu há mais de 1 ano

João, sim o recolhimento de INSS é obrigatório para síndico remunerados ou com isenção de condomínio. As administradoras devem ter inscrição no CRA.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Jose Alberto da C. Cordeiro
Jose Alberto da C. Cordeiro

Respondeu há mais de 1 ano

Caro João

Leia a matéria abaixo, talvez te ajude:

INSS

A Previdência Social classifica o síndico como um contribuinte individual* quando este é remunerado ou isento da taxa condominial. Nesses dois casos, ele deve contribuir.

Entende-se que, mesmo se não for remunerado, a isenção da taxa de condomínio é um tipo de pagamento e, por isso, os descontos devem ser calculados com base nesse valor. Vale lembrar que síndicos que não recebem qualquer pagamento, ajuda de custo ou isenção não contribuem com o INSS.

O síndico tem a possibilidade de contribuir com uma alíquota mínima de 11% ou, se preferir, pode optar por uma porcentagem maior.

Relacionamos abaixo, algumas dúvidas comuns sobre esse assunto. As fontes consultadas foram Instrução Normativa MPS/SRP nº 3, de 14 de Julho de 2005, do Ministério da Previdência Social e a Previdência Social.



1) - Síndico que não recebe pela função, mas é isento de taxa condominial, é obrigado a contribuir para o INSS?


Sim, o desconto total da taxa condominial é considerado um tipo de pagamento ao síndico, por isso, ele pode contribuir como contribuinte individual*. O condomínio deve recolher 20% sobre o valor da taxa de que o síndico é isento. O síndico, por sua vez, deve contribuir com uma alíquota mínima de 11%, sendo que, nesse caso, terá benefícios restritos a um salário mínimo, com o valor referente da época. Se desejar, o síndico pode contribuir com uma alíquota maior.

O condomínio deve registrar as contribuições na GFIP mensalmente.

É importante ressaltar que devem ser respeitados o piso (um salário mínimo) e o teto salarial da Previdência Social (veja aqui), em caso de recolhimento total do síndico, incluindo suas outras atividades remuneradas.



2) - E se o síndico recebe ajuda de custo, recolhe ao INSS sobre ela?


Sim, assim como a isenção da taxa condominial, a ajuda de custo é considerada um tipo de remuneração. O condomínio recolhe 20% do valor dos benefícios e o síndico contribui individualmente com a alíquota mínima de 11%.



4) - Se o síndico já recolhe como empregado ou como empresário, como fazer?

Pode-se usar o número do PIS/PASEP (caso tenha tido algum vínculo empregatício) para contribuir à Previdência Social. Dessa forma, o trabalhador é dispensado de fazer novo cadastro, ou seja, nova inscrição.

Caso o síndico não possua esse número, deverá obtê-lo por meio do PREVFONE (135). Para obter esse número, é preciso estar de posse do CPF e do RG.

Após o fim do mandato, o síndico deve pedir a baixa da sua inscrição em agência do INSS, se não tiver mais a necessidade de recolher como contribuinte individual.




5) - E se o síndico já recolhe pelo teto de contribuição?


O contribuinte individual que prestar serviços a mais de uma empresa, quando o total das remunerações recebidas no mês atingir o limite máximo do salário-de-contribuição, deverá informar o fato à empresa (condomínio) na qual sua remuneração atingir o limite e às que se sucederem , mediante a apresentação:

I - dos comprovantes de pagamento ou;

II - de declaração por ele emitida, sob as penas da lei, consignando o valor sobre o qual já sofreu desconto naquele mês ou identificando a empresa que efetuará, naquela competência, desconto sobre o valor máximo do salário-contribuição.

Ou seja, o síndico deve informar o fato ao condomínio, para que não seja descontado.
Deste modo, não haverá recolhimento indevido. Esta instrução normativa equipara o condomínio a empresas.



6)- E se o síndico for aposentado?

Deve realizar nova inscrição como contribuinte individual.



7) - Se o síndico não receber nada, nem for isento de taxa condominial, precisa ainda assim fazer sua inscrição junto ao INSS?


Não. Nesse caso não há nada que caracteriza qualquer tipo de pagamento.



8) - O que for recolhido para o INSS contribuirá para a aposentadoria do síndico?

Sim. Como qualquer trabalhador contribuinte o período de contribuição está ligado à aposentadoria.



9) - Condomínio recolhe FGTS do síndico?

Não, assim como não recolhe para nenhum outro contribuinte individual (autônomo).



10) - Qual o período de recolhimento no mês?

A contribuição mensal vence no dia 15 do mês seguinte. Por exemplo, a competência (mês) julho vence no dia 15 de agosto. Se o dia 15 cair no sábado, domingo ou feriado, o contribuinte poderá pagar no primeiro dia útil imediatamente seguinte ao vencimento.




11) - Como fazer a inscrição?

A inscrição como contribuinte individual pode ser feita pelo próprio trabalhador através do PREVFONE (135), assim como utilizando o respectivo link na página do I.N.S.S. na INTERNET (www.inss.gov.br) , ou ainda nas Agências da Previdência Social de todo o país.

Fonte: Sindiconet

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Luiza
Luiza

Respondeu há mais de 1 ano

Minha vizinha a época em que foi síndica, nao recolheu inss... era isenta, de certa forma...
Agora o esposo esta sendo cobrado(dono da casa), pelo periodo em que a esposa foi sindico e que tinha isenção. Poré, nao estabelecida em convenção essa isenção, apenas em reuniao...
O que meus vizinhos podem fazer juridicamente nessa situação, levando-se em conta que a sindica nao era remunerada pelo condominio, nunca recolheu inss e agora esta sendo cobrada?
Que ação pode ajuizar?
Caso seja isenta na justiça, pode pedir danos morais do condominio pela cobrança indevida e por nao recolhimento do inss?

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
R. de S
R. de S

Respondeu há mais de 1 ano

Se a Instrução normativa MPS/ SRP n°3, de 14 de julho de 2005, do ministério da previdência social, diz que síndico voluntário que recebe remuneração através de valor simbólico ou isenção da taxa condominial é obrigatório ter o recolhimento do INSS. Ou seja, por ser norma, não se torna obrigatório, certo? Pois implica no IR de cada cidadão. Aguardo retorno

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
R. de S
R. de S

Respondeu há mais de 1 ano

Diferença entre Lei e Norma:

Norma

Norma, é uma conduta para ser seguida, mas não é obrigatório. Norma é uma regra de conduta, podendo ser jurídica, moral, técnica, etc. Norma jurídica é uma regra de conduta imposta, admitida ou reconhecida pelo ordenamento jurídico. Norma e lei são usadas comumente como expressões equivalentes, mas norma abrange na verdade também o costume e os princípios gerais do direito.

Lei

Lei, é geral e abstracta, e que o seu cumprimento é obrigatório, e sujeito a sanções. Lei seria o ato que atesta a existência da norma que o direito vem reconhecer como de fato existente, ou das formas da norma

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn

Conteúdos relacionados

Aviso importante:

As recomendações contidas nesta seção são realizadas pelos próprios usuários do Portal SíndicoNet, que não revisa nem controla as respostas apresentadas. Desta forma, o Portal SíndicoNet não assume nenhuma responsabilidade, a qualquer título, pela correção ou exatidão das respostas apresentadas, que são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Neste sentido, o Portal SíndicoNet não se responsabiliza por nenhum dano, a qualquer título, decorrente da utilização das recomendações contidas nesta seção. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.