Pergunta

Como se proteger caso a inadimplencia do condomínio aumente mais?

Por Pedro Luiz Doblinski Firmino
Perguntou há mais de 1 ano

Comprei um apartamento pelo programa minha casa minha vida há uns 4 anos e ja estou residindo desde a entrega das chaves.
Hoje existe um problema crônico de inadimplência que alcançou um valor absurdo de 230mil que na minha opinião foi favorecido pela má administração.
Agua e o gás não são individualizados e acho que isso tem contribuido para a inadimplência já que as pessoas que não moram, pessoas que moram sozinhas ou tem familia pequena, não acham justo pagar o mesmo que as pessoas que moram e consomem mais.
Isso somado à aprovação de custos extras que não tem urgência, ao meu ponto de vista, gerou a inadimplência.
Ainda estou conseguindo pagar, mas gostaria de saber se existem formas de me proteger e dicas para lidar com a situação. Obrigado!

Aviso: O portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo ou mensagens veiculados nesse espaço.


Respostas (6)

Bom dia! O condomíno pode aprovar em assembleia um x prazo para protestar o boleto e quem de fato não esta pagando o síndico precisa cobrar na Justiça.

Fonte: 12

paulorodrbiguesmoura@hotmail.com
(11) 98440-4093


Notifique o sindico para que tome providencias e cobre os devedores em juízo, pois cobrar os condominos é obrigação legal dele. Caso ele continue se omitindo, tente reunir 1/4 dos condominos para destitui-lo numa assembleia especialmente convocada para esse fim.

Procure mobilizar outros condominos para pressionar o sindico e, principalmente, para que eles compareçam às assembleias e vetem esses aumentos extras.

Luiz Leitão da Cunha | Atuação em São Paulo, nos bairros Jardins, Pinheiros, Bela Vista, Paraíso e Itaim-Bibi.
https://luizleitaosindicoprofissional.wordpress.com
Colunista da revista Direcional Condominios


Pedro você pega apartamentos bem populares e os entrega quase de graça a uma população oriunda de comunidades onde ninguém pagava nada de água e luz, sendo o consumo na base do "gato". Acaba dando nisso mesmo. Por vezes o condomínio chega a ser o dobro ou mais do valor da parcela.

É um problema social. Porque mesmo que vocês cheguem ao leilão da unidade não haverão muitos interessados. Já verificaram com o gestor do programa?

Gestora de Imóveis - Graduada Universidade CESUMAR. Pós Graduada SENAC. Mediação e Arbitragem TASP.
contato: mari.marta_imoveis@hotmail.com


Pedro, bom dia. Para combater a inadimplência, cobrança, uma rotina sistêmica, vai tornar o condomínio saudável, tentar realizar a individualização da água e do gás, isso tira uma carga grande da responsabilidade do condomínio. Focar realmente nas despesas relativas a manutenção e conservação. O sonho da casa própria custa, muitos nem pagavam nada.


Marisa sua generalização prefiro não comentar sua resposta.
Muito obrigado a todos os outros pelas respostas construtivas. Li alguns artigos no site e conversei com um advogado para entender e vou tentar mobilizar alguns moradores para contratar uma auditoria externa e tentar instituir uma nova gestão com um plano de austeridade para lidar com a divida.
Espero ter boas notícias em breve!


Pedro você fala que comprou a unidade pelo programa minha casa minha vida. E essa fase do programa, que se adquire o imóvel direto com o gestor, é destinada a população de baixa renda (hoje deve estar em no máximo R$1.800,00) não exige comprovação de renda e não exige nome limpo. Imóveis são bem populares. É um problema social.

Talvez tenha havido algum mal entendido e você comprou sua unidade em outra fase do programa, que até pode ter usado recursos ou taxas do MCMV mas que o dono do imóvel é incorporador particular. Muito comum em imóveis de até R$240.000,00. Se for esse o caso muda tudo. Vocês nem ao menos precisam gastar com auditoria. Basta que 1/4 dos condôminos convoque uma assembleia para destituição do sindico e quem assume cobre os inadimplentes.

Como dica: aqui em São Paulo o CEJUSC funciona bem, mesmo na fase pré-processual, sem custos e sem advogado. Tentem se utilizar desse recurso. A adesão será voluntária mas havendo acordo o juiz homologa, o que o torna um título judicial. Se não der acordo busque advogado que trabalhe por resultado. Vocês antecipam os custos judiciais (que são baratos) e pagam o advogado à medida que vão recebendo os atrasados.

Desculpe se houve algum mal entendido sobre o "baixa renda". Mas suas palavras: comprei do minha casa minha vida me induziram a essa interpretação.

Gestora de Imóveis - Graduada Universidade CESUMAR. Pós Graduada SENAC. Mediação e Arbitragem TASP.
contato: mari.marta_imoveis@hotmail.com