O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×

Favoritos

Entrar

Pergunta

Sonia Aparecida Carneiro

Como faço para resolver uma infiltração que tem no teto do apto e agora em um dos quartos?

Por Sonia Aparecida Carneiro
Perguntou há mais de 1 ano

Prezados, boa tarde.

Adquirir um apartamento há três anos e deste então e como já constava no contrato sabia da existência de uma infiltração no teto e na parente de um dos quartos próximo a janela. Antes de mudar fiz uma reforma geral no apartamento, mas para minha surpresa com pouco tempo a infiltração voltou. Já conversei com o antigo síndico, com o atual, isto já foi falado em assembleia e até agora nada foi resolvido. e ontem após a chuva começou a vazar no teto do quarto que já estava com infiltração na parede. O meu apto é ó último. A minha pergunta é: tenho respaldo jurídico para entrar com uma ação contra o condomínio? Começaram uma reforma na parte externa e segundo eles vão resolver a fissura que existia, evitando assim novas infiltrações. E a parte interna que foi danifica por causa da fissura externa é obrigação do condomínio pagar? Porque eles só enrolam e não resolvem o meu problema, não aguento mais esperar e o condomínio e o valor da reforma são pagos todos os meses.
Grata pela atenção.

Sônia

Responder esta pergunta
WhatsApp
LinkedIn

Aviso: O portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo ou mensagens veiculados nesse espaço.


Respostas (3)

Ordenar:

Derek
Derek

Respondeu há mais de 1 ano

Sonia, o condomínio é responsável por reparar a infiltração e todos os danos provenientes dela.

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
Jose Alberto da C. Cordeiro
Jose Alberto da C. Cordeiro

Respondeu há mais de 1 ano

Oi Sonia

Veja a matéria abaixo, talvez te ajude:

Infiltrações - jurisprudências

Como provar que minha unidade sofre com infiltração proveniente de canos do condomínio e que, por isso, mereço ressarcimento?

Em geral, os tribunais contam com peritos que visitam as unidades que alegam ter esse tipo de problema, como vemos abaixo:


Embargos de declaração na apelação cível. Responsabilidade civil. Danos morais e materiais. Infiltrações em apartamento.

Responsabilidade do condomínio. Aferição por perícia. Manutenção da sentença. Ação ajuizada por proprietário de unidade em face de condomínio em razão de danos decorrentes de extensas infiltrações no imóvel. Constatação das avarias por perícia. Distrato de contrato de locação em razão da falta de condições de habitabilidade do imóvel. Omissão inexistente. Pretensão de reabrir discussão meritória em via processual imprópria. Os embargos de declaração interpostos buscam apenas obter novo julgamento de acordo com as conveniências da embargante. Aplicação da súmula nº 52 do tj/rj. (TJ/RJ -02/2011)



Vazamento que danificou teto, paredes e porta do banheiro de serviço e teto da cozinha do apartamento da autora ?

Omissão do condomínio em reparar as prumadas de água fria do edifício. Problema parcialmente resolvido com a troca da tubulação de ferro galvanizado por cobre. Obrigação do condomínio quanto a conservação das áreas comuns. Danos morais. Proporcionalização. Ponderação acerca da conduta das partes, a extensão do dano, restrito a parte pouco utilizada do imóvel, com evidente repercussão no grau de sofrimento experimentado pelo condômino.

Constatada pela prova pericial que o vazamento detectado na unidade condominial da autora decorreu da falta de manutenção de tubulação pelo condomínio-réu, tem-se por caracterizada a prática de ato ilícito pelo réu (CC/02, arts. 186, 1331 e 1348), que deve responder pelo pagamento da indenização pelos danos materiais (pintura\ de paredes e tetos e troca de porta) sofridos pela condômina autora. A excessiva demora por parte do Condomínio em proceder a troca da tubulação - mais de cinco anos -obrigando a condômina a conviver durante muito tempo com os problemas decorrentes do vazamento, é fonte de desgaste emocional à condômina, que merece reparação. Redução da indenização por danos morais de R$50.000,00 para R$20.000,00, tendo em vista que os danos se restringiram a área de pouco uso no imóvel (banheiro de serviço, sem ventilação), com pouca repercussão na cozinha, e que não impediu a habitação do imóvel pela autora, sendo que a demora na resolução do problema pelo condomínio pode, em parte, ser imputado à própria condômina, que praticamente nunca pagou as despesas condominiais. (TJ/SP ? 02/2011)


O SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo formal das informações jurídicas, matérias, modelos, orientações e/ou sugestões apresentados nesta página, os quais servem apenas como referência para eventuais dúvidas de nossos leitores e usuários. O SíndicoNet sugere, em caso de dúvidas, a contratação de um profissional da área jurídica e/ou a consulta à Ordem dos Advogados

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn
nilo de araujo borges junior (advo)
nilo de araujo borges junior (advo)

Respondeu há mais de 1 ano

Sonia Pelo que você disse a responsabilidade é do condomínio. Contrate um advogado de sua confiança, com OAB confirmada pela OAB/SP e ajuíze ação contra o condomínio. Cuidado com os picaretas que se passam por advogados. Nilo de Araujo Borges Junior

Compartilhar
WhatsApp
LinkedIn

Conteúdos relacionados

Aviso importante:

As recomendações contidas nesta seção são realizadas pelos próprios usuários do Portal SíndicoNet, que não revisa nem controla as respostas apresentadas. Desta forma, o Portal SíndicoNet não assume nenhuma responsabilidade, a qualquer título, pela correção ou exatidão das respostas apresentadas, que são de responsabilidade exclusiva de seus autores. Neste sentido, o Portal SíndicoNet não se responsabiliza por nenhum dano, a qualquer título, decorrente da utilização das recomendações contidas nesta seção. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.