O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×
Segurança

Quais são as regras para salva-vidas em condomínio?

Salva-vidas em condomínios monitoram piscinas, oferecem suporte em emergências e garantem o cumprimento das normas de segurança. Entenda quando é obrigatório

22/12/23 05:50 - Atualizado há 3 meses
WhatsApp
LinkedIn
Salva-vidas em condomínio, sentado em cadeira de frente para a piscina
A presença de um salva-vidas em condomínio durante o verão traz mais segurança aos usuários da piscina
unplash

Ter uma piscina para poder se refrescar nos dias quentes é muito bom. Por isso, muitas pessoas procuram um lugar para morar que ofereça essa opção de lazer. Sendo assim, é comum surgirem diversas dúvidas sobre as regras desse espaço, inclusive se é obrigatório ter salva-vidas em condomínio.

A segurança na piscina é algo sério. Segundo a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (SOBRASA), o afogamento é a primeira causa de óbito entre crianças de 1 a 4 anos. Além disso, de acordo com essa associação, a cada 90 minutos, um brasileiro morre afogado.

Sendo assim, é fundamental que os condôminos conheçam bem as normas de segurança aquática, para poderem aproveitar a piscina do condomínio de uma maneira mais segura.

Continue lendo este texto para saber o que diz a legislação sobre salva-vidas em condomínio e quais são as principais políticas de segurança em piscinas.

É obrigatório salva-vidas em piscina de condomínio?

Ainda não existe nenhuma lei federal que obrigue os condomínios a contratarem um salva-vidas. Contudo, os estados podem legislar sobre esse tema e determinarem que os condomínios contratem um profissional para cuidar da segurança dos frequentadores da piscina.

No Rio de Janeiro, por exemplo, está em vigor a Lei n.º 3.728/2001, a qual determina que qualquer piscina de uso coletivo de dimensões superiores a 6m x 6m, esteja ela localizada em um hotel, clube ou residencial, precisa ter um salva-vidas durante todo o tempo em que o local estiver aberto a banhistas.

Portanto, é necessário verificar se o lugar onde você mora possui alguma lei sobre esse tema. Contudo, mesmo que em muitos estados não exista a exigência de ter esse profissional na piscina, pode ser pertinente contratar um salva-vidas em condomínio.

Isso porque, além de salvar a vida de alguém que está se afogando, esse profissional pode identificar rapidamente um comportamento perigoso, podendo agir preventivamente, evitando, assim, um acidente grave ou até mesmo fatal.

O que diz a lei sobre segurança em piscina de condomínio?

Conforme a Lei n.º 14.327/2022, a responsabilidade pela segurança dos usuários da piscina deve ser compartilhada entre os banhistas e os responsáveis pelo local. No caso de condomínios, os síndicos respondem pela manutenção e cumprimento de normas do espaço.

Portanto, imagine que ocorreu um acidente com uma criança. Se foi por falta de supervisão, a responsabilidade recai sobre sobre o tutor legal. Se foi por falha na manutenção, o síndico pode ser responsabilizado pelo ocorrido. Para não haver injustiças, cada caso deverá ser analisado individualmente.

A lei explica de uma forma mais detalhada como deve funcionar a responsabilidade compartilhada no caso das piscinas. O artigo 6 determina o seguinte:

I - aos usuários de piscinas e similares:

  1. manter o comportamento responsável e defensivo nas piscinas e similares e zelar pela manutenção desse comportamento por outros usuários;

  2. respeitar e fazer respeitar a sinalização de advertência, as normas gerais de utilização de piscinas e similares e as normas relativas à instalação utilizada;

II - aos proprietários, aos administradores e aos responsáveis técnicos dos estabelecimentos que possuem piscinas ou similares, respeitar na construção e na manutenção de piscinas e similares, as normas sanitárias e de segurança pertinentes expedidas pelas entidades credenciadas pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro);

III - aos proprietários de piscinas e similares de uso doméstico, respeitar, na construção e na manutenção, as normas sanitárias e de segurança definidas em regulamento.

Regimento e regras sobre o uso de piscinas em condomínio

É fundamental que o condomínio possua regras claras sobre o uso das piscinas. Além disso, é importante que essas normas estejam descritas no regimento interno do residencial, onde todos os moradores poderão ter acesso a elas.

Essas normas precisam estar conforme o estabelecido por lei. Além disso, é importante que elas sigam a norma técnica NBR 10818 estabelecida pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que define os padrões de qualidade da água.

Também deve estar afixada na área uma placa com a profundidade da piscina e o nivelamento. 

Algumas das principais regras de uso de piscina em condomínios são:

  • Não levar alimentos para a área da piscina;
  • Não consumir bebidas alcoólicas nesse espaço;
  • Proibir utensílios de vidro (garrafas);
  • Proibir que as crianças do condomínio usem a área desacompanhadas;
  • Não permitir o uso de caixas de som;
  • Definir um horário de uso;
  • Usar a ducha antes de entrar na água;
  • Não permitir a circulação de animais de estimação nesse espaço.

Além disso, o condomínio também pode proibir que visitantes utilizem a área da piscina, ou determinar um número máximo de não moradores que cada condômino pode levar para esse espaço.

O condomínio também pode determinar que os moradores apresentem um atestado médico antes de serem liberados para usar a piscina. Contudo, essas normas precisam estar estabelecidas nas regras do condomínio.

Quais equipamentos de segurança são obrigatórios?

De acordo com o artigo 2 da Lei nº 14.327/2022: “É obrigatório para todas as piscinas e similares existentes e em construção ou fabricação no território nacional, o uso de dispositivos de segurança aptos a resguardar a integridade física e a saúde de seus usuários, especialmente contra o turbilhonamento, o enlace de cabelos e a sucção de partes do corpo humano.”

Sendo assim, segundo a legislação vigente, os equipamentos de segurança necessários nas piscinas são:

  • Pisos antiderrapantes;
  • Sistema anti-sucção;
  • Placas de sinalização de profundidade;
  • Escadas para acesso à piscina;
  • Grades de proteção para barrar o acesso de animais de estimação e de crianças desacompanhadas.

Dicas de segurança para o uso de piscina em condomínio

Para que você e a sua família possam aproveitar essa área de lazer da melhor maneira possível, é necessário seguir algumas regras de segurança, como:

  • Não deixar crianças desacompanhadas circulando nesse espaço;
  • Colocar boias nas crianças antes de ir para a área da piscina com elas;
  • Orientar seus filhos a não realizarem brincadeiras que podem ser perigosas nesse espaço, como cabo de guerra e pega-pega;
  • Não levar recipientes de vidro para essa área, pois se eles caírem no chão e quebrarem, podem causar acidentes, visto que a maioria das pessoas circula descalça nessa área;
  • Tomar cuidado ao mergulhar e não mergulhar se a piscina for rasa, pois quem fizer isso pode bater a cabeça e ter uma lesão séria.

Saiba mais sobre regras de piscina neste conteúdo.

Qual é a diferença entre guarda-vida e salva-vidas?

O termo guarda-vidas surgiu a partir de uma adequação que os Corpos de Bombeiros fizeram da nomenclatura salva-vidas. Essa alteração foi feita porque esse profissional tem um papel importante na prevenção de acidentes, não devendo agir apenas quando um banhista já está se afogando.

Qual é a importância de ter um salva-vidas em condomínio?

Além de ser uma boa opção de lazer nos dias quentes, a piscina também ajuda a valorizar os empreendimentos imobiliários, tornando-os muito mais atrativos para os novos compradores.

Contudo, para que todos possam usufruir desse espaço de maneira segura, é fundamental respeitar as normas de segurança estabelecidas no regimento interno do condomínio.

Mesmo não sendo obrigatório para a maioria dos estados brasileiros, contar com um salva-vidas em condomínio pode ser um grande diferencial para o residencial com porte maior.

Isso mostra que a administração do local zela pela segurança dos banhistas e está empenhada em prevenir acidentes.

Portanto, se o residencial no qual você mora não conta com um profissional desse tipo e é bastante frequentado, converse com o síndico sobre a possibilidade de contratar um profissional, nem que seja somente durante o verão, quando o número de frequentadores do espaço costuma aumentar.

Dessa forma, todos os moradores vão poder usufruir desse espaço de uma maneira muito mais tranquila e proveitosa. Para que você e a sua família possam aproveitar ainda mais todas as áreas de lazer do residencial, descubra quais são as principais regras do condomínio que devem ser seguidas por todos os moradores.

Conteúdo SíndicoNet

Web Stories

Ver mais

Newsletter

Captcha obrigatório

Confirmar e-mail

Uma mensagem de confirmação foi enviada para seu e-mail cadastrado. Acesse sua conta de email e clique no botão para validar o acesso.

Esta é uma medida para termos certeza que ninguém está utilizando seu endereço de email sem o seu conhecimento.
Ao informar os seus dados, você confirma que está de acordo com a Política de Privacidade e com os Termos de Uso do Síndico.
Aviso importante:

O portal SíndicoNet é apenas uma plataforma de aproximação, e não oferece quaisquer garantias, implícitas ou explicitas, sobre os produtos e serviços disponibilizados nesta seção. Assim, o portal SíndicoNet não se responsabiliza, a qualquer título, pelos serviços ou produtos comercializados pelos fornecedores listados nesta seção, sendo sua contratação por conta e risco do usuário, que fica ciente que todos os eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da contratação/aquisição dos serviços e produtos listados nesta seção são de responsabilidade exclusiva do fornecedor contratado, sem qualquer solidariedade ou subsidiariedade do Portal SíndicoNet.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Não encontrei o que procurava Quero anunciar no SíndicoNet