A participação dos condôminos na gestão é essencial tanto para estes quanto para o síndico. Com envolvimento coletivo, muda-se a relação do plano da cobrança (dos condôminos em relação ao síndico) para o plano da colaboração, dividindo responsabilidades, colaborando com idéias e competências específicas, e criando um condomínio melhor para se viver ou trabalhar. 

Confira abaixo dicas coletadas no conteúdo do portal SíndicoNet, e outras fornecidas por especialistas em administração condominial.

 

Por quê participar?

  • Condomínios com baixa participação dos condôminos são mais vulneráveis a fraudes e má administração dos recursos. A falta de fiscalização e de exigência acabam muitas vezes por desestimular os administradores dos melhores procedimentos e estimular os piores. Saiba mais
  • O envolvimento dos condôminos nas ações de segurança de um condomínio é fundamental. Muitas vezes, por desconhecimento ou falta de colaboração, coloca-se em risco a segurança própria, de sua família e de toda comunidade condominial. Saiba mais
  • As decisões de uma assembleia são sempre soberanas, desde que respeitadas as votações mínimas exigidas por lei e demais formalidades. Portanto, se uma minoria presente a uma reunião resolver aumentar a taxa do condomínio, por exemplo, e estando a pauta prevista na convocação, não há como protestar. Nem mesmo judicialmente. Saiba mais
  • O cuidado com o patrimônio comum é muito importante para a valorização das unidades (apartamentos ou casas). Saiba mais 

 

Participação por afinidade

  • Uma boa idéia é solicitar a colaboração dos condôminos nas áreas que dominam: um condômino engenheiro pode auxiliar no planejamento e vistoria de obras, um contador pode ajudar na conferência dos balanços, um jornalista na comunicação interna, e assim por diante.

 

Documentos e livro de sugestões

  • A instituição de um livro de sugestões e críticas pode municiar de ideias a administração, e também pode servir como termômetro das opiniões dos condomônos sobre a gestão. Alternativamente, pode-se fazer uma pesquisa de opinião. Veja modelo de pesquisa de satisfação

 

Regulamento Interno e Comissões

  • Conhecer o Regulamento Interno e a Convenção do condomínio é um fator fundamental de envolvimento na vida comum. Dependendo das condições locais, sugere-se afixar os documentos em área comum, ou distribui-los para as unidades.

 

Comissões

  • Na formação de comissões para assuntos específicos (obras, segurança etc.), deve-se tomar o cuidado de escolher um responsável, para organizar as demandas e os participantes, pois é freqüente que comissões se dissolvam por falta de um coordenador que distribua funções, convoque as reuniões e centralize a comunicação.
  • As comissões também podem ajudar o síndico nas assembleias, em exposições dentro de seu escopo.
  • Saiba mais sobre delegação de tarefas do síndico

 

Comunicação e eventos

  • A comunicação é essencial para o envolvimento dos condôminos. Para isso, deve-se lançar mão de distribuição de circulares, informativos, jornalzinho do condomínio e afixação nos quadros de avisos.  Uma boa dica é que essas informações não precisam ser apenas sobre o condomínio, mas de utilidade pública também. Saiba mais sobre comunicação do síndico com os condôminos
  • A confraternização dos moradores em eventos promovidos pelo condomínio estreita os laços de amizade e companheirismo, evitando, e muito, conflitos entre vizinhos. Por outro lado, isso também facilita o trabalho do síndico para dirigir estas questões.

 

Novos moradores

 

Assembleias

  • Assembleias podem ser convocadas por 1/4 (um quarto) dos condôminos. Veja Código Civil
  • Procurações: verifique se a Convenção do seu condomínio impõe limitação do número de procurações que um condômino pode portar em assembleias.

Página Anterior Página 3 de 7 Próxima Página