O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Convivência

Amarelinha, não!

Crianças são proibidas de brincar em condomínio no UK

terça-feira, 21 de maio de 2019
WhatsApp
LinkedIn

Medida radical: crianças são proibidas de brincar de amarelinha em condomínio

Em uma carta aos moradores, uma imobiliária do Reino Unido alegou que as marcas de giz nas calçadas estavam "prejudicando a aparência geral" da propriedade. Os pais, é claro, ficaram revoltados!

Parece até piada, mas nãe é. Enquando médicos, psicólogos e psiquiatras em todo mundo tentam conscietizar a população sobre a importância das crianças brincarem ao ar livre - e longe das telas -, uma nova regra em um conjunto habitacional escocês deixou os pais furiosos.

A imobiliária, responsável por administrar o condomínio em Bishopbriggs, East Dunbartonshire, proibiu os pequenos de jogarem amarelinha nas calçadas. Em uma carta enviada aos moradores, a empresa exigiu eles parassem de desenhar com giz, pois as marcas estavam "prejudicando a aparência geral" da propriedade.

A determinação causou indignação na comunidade que definiu a carta como "absurda". Um morador, que não quer ser identificado, disse:

"É uma vergonha dizer que as crianças, brincando de amarelinha, diminuem a aparência do desenvolvimento, quando levantamos questões com eles sobre coisas que são mais preocupantes do que a aparência da propriedade". "Elas estão se divertindo muito desenhando com giz e não está prejudicando ninguém. Assim que chove, as marcas desaparecem - não é como se eles estivessem escrevendo grafites nas paredes. É absurdo que tentem reprimir as crianças. Qual o proximo? Um toque de recolher?", completou.

"Nós moramos aqui há quatro anos e acho que é uma piada. Quando vi a carta pela primeira vez, eu ri e pensei 'não, isso não pode estar acontecendo'. Eles estão rabiscando em uma pequena pista. Há mais problemas do que apenas giz. Você quer manter seus filhos fora para se exercitarem. Eu tenho gêmeos, e isso está apenas arruinando a diversão deles. Eu não acho que vamos dizer a eles para pararem de se divertir", afirmou a mãe de dois, Lynsey Dolan, 42. "É uma piada", disse outra mãe, Suzanne Mitchell, 33.

Donald Macdonald, presidente do Woodhill Residents Group, disse que a empresa deveria "tentar lembrar" de quando eram crianças. "A razão pela qual as pessoas vêm morar em Bishopbriggs é bastante simples, a alta qualidade das escolas atrai jovens famílias na área", diz. Donald disse ainda que queria que as crianças "saíssem e brincassem com responsabilidade" e "fossem encorajadas a brincar ao ar livre", e acrescentou que está bem documentado que as crianças estão passando muito tempo dentro de casa e em dispositivos digitais. 

Na carta, a imobiliária Spiers Gumley também pediu aos moradores que parassem de deixar as bicicletas e os brinquedos das crianças em uma área gramada - porque estavam obstruindo os paisagistas. A empresa alegou ainda que vários itens, incluindo carrinhos de bebê e brinquedos, estão sendo deixados dentro da área do galpão e pediu para eles serem removidos.

No entanto, depois de tanta repercussão, a imobiliária decidiu se retratar. Iain Friel, diretor-gerente da Speirs Gumley, disse à MailOnline que a carta estava "em mau juízo" e que "o senso comum deveria ter prevalecido".

"Devo dizer que estou decepcionado com o fato de tal carta ter sido emitida por Speirs Gumley, e foi um mau julgamento de nossa parte fazê-lo. É certo que recebemos esse tipo de reclamações de tempos em tempos nos empreendimentos habitacionais que administramos e, é claro, reconhecemos que os clientes no mesmo empreendimento podem ter visões diferentes sobre como resolver as coisas. Minha opinião é que o senso comum deveria ter prevalecido e deveria ter sido tratado com mais sensibilidade por nós", finalizou.

Enfim, parece que as crianças voltarão a brincar de amarelinha...

Fonte: revistacrescer.globo.com

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...