O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Convivência

Canto do galo

Barulho de animal incomoda vizinhos e gere ameaça de prisão em Brasília

Publicado em: sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Canto de galo rende ameaça de prisão em condomínio de Brasília

A mudança de um galo para a amoreira de uma casa do condomínio Quintas do Sol, no Lago Sul, em Brasília, trouxe dor de cabeça a uma professora: incomodados com o canto do animal, os vizinhos se queixaram à administração. Na notificação entregue a Lígia Alves, de 50 anos, no final de agosto, o síndico chega a falar que a perturbação de silêncio é passível de até três meses de prisão.
 
Segundo Lígia, que mora sozinha no condomínio há quase dez anos, o galinho apareceu há dois meses, mas só começou a cantar em agosto.
 
"Eu tocava, mas ele sempre voltava. Até achei que era uma galinha, a princípio. Não sei de onde veio. Só sei que agora canta todo dia de manhã. Começa às 4h30. É um 'cococorocó' e dali duas ou três horas repete. É bem na minha janela, mas não me incomoda", afirma.
 
A professora diz que chegou a perguntar aos vizinhos se a ave os atrapalhava, mas ninguém confirmou. Ela só soube da insatisfação após receber a carta do síndico, José Orlando Vilela. Já no primeiro trecho, o desconforto provocado pelo animal fica claro:  “barulho excessivo causado pelo irritante e insistente canto de um galo durante várias e várias horas da noite e do dia, perturbando a tranquilidade e o sossego dos moradores vizinhos”.
 
O G1 procurou Vilela, mas não o encontrou no condomínio. Servidores da administração disseram, no entanto, que alguns moradores estiveram no local para reclamar do canto insistente e contínuo do animal. O número de queixas não foi revelado.
 
Lígia diz temer pela integridade do bicho. "Já me afeiçoei a ele, chamo de 'meu galinho'. Apesar de ter me apegado, acho que vou ter que passá-lo adiante, para preservá-lo. Às vezes em um galinheiro, com outras galinhas, ele é mais feliz, não é?", brinca. "Já até chorei. Na sexta cheguei tarde e ele não cantou entre 18h e 4h. Logo pensei: mataram meu galinho! Aí ele cantou e fiquei aliviada. Eu falo que ele é meu, mas não é meu. Mas é que gosto dele."
 
A professora afirma que alguns vizinhos chegaram a insistir para que ela não se desfaça do animal.
 
"Tenho uma pessoa que mora aqui que atira com espingarda de chumbinho. Não sei se é ela, mas, se for, não quero que ela faça mal ao galo. Agora, acho que uma pessoa não pode ouvir o canto de um galo, não pode morar em um canto desses. Tem que morar no meio da cidade, não numa área quase rural."
 
Lígia diz que agora o objetivo dela é achar um bom novo lar para a ave. "Preciso encontrar uma casa para este galinho antes que façam dele um assado", diz .A solução para o problema parece, no entanto, estar próxima: Lígia diz que um homem que trabalha como 'Marido de aluguel' soube da história e se dispôs a levar o galo para a chácara dele. A data da mudança ainda não foi combinada.

Fonte: http://g1.globo.com/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...