O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Segurança

Cárcere privado

Ex-funcionária faz duas pessoas reféns em edifício em São Paulo

Publicado em: quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Mulher demitida se entrega após manter reféns em escritório de SP

Ela entrou no prédio no Centro com um revólver e disparou duas vezes. Segundo a PM, ela não havia tomado seus remédios controlados.
 
Uma mulher de 56 anos se entregou no início da tarde desta terça-feira (8), cerca de cinco horas após invadir um escritório de advocacia e manter dois reféns no Centro de São Paulo. Segundo a Polícia Militar (PM), ela foi demitida na semana passada e entrou no local com um revólver calibre 38.
 
Por volta das 8h, a mulher chegou na sala, que fica no 6º andar do número 255 da Rua Barão de Itapetininga, e rendeu duas advogadas – uma delas sua ex-chefe.
 
O Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate) foi acionado por volta das 9h30 e, às 11h, as duas reféns foram liberadas pela janela. Segundo a polícia, a mulher chegou a dar dois tiros enquanto mantinha as mulheres reféns. Depois de liberar as advogadas, a mulher tentou se matar.
 

Remédios

 
Ainda de acordo com a PM, a mulher não tinha tomado seus remédios controlados nesta terça-feira.
 
"Era funcionária, ela tinha sido despedida, ela veio, nervosa, armada, teve uma discussão, efetuou dois disparos, não atingiu ninguém e tomou como refém as pessoas que estavam lá, que são duas senhoras", afirmou o tenente-coronel Francisco Cangerana, do 7º Batalhão.
 
"Ela queria resolver um problema com a empregadora, que estava como refém com ela lá. E depois falou que ia se matar", disse.
 
A mulher vai responder por cárcere privado, porte ilegal de arma, ameaça e disparo de arma de fogo, segundo a polícia.
 
Diego Correia Monteiro, de 19 anos, que fazia um curso no 5º andar do prédio, contou ao G1 que recebeu avisos de que uma pessoa estranha havia entrado no edifício. "Ficamos sentados no chão do banheiro com a luz desligada por pelo menos uma hora", disse.
 
Segundo a recepcionista do prédio Maria das Graças Issi, a mulher se chamava Alda e ia prestar serviços para a responsável pelo escritório de 2 a 3 vezes por semana.
 
"As duas tinham uma parceria havia mais de 20 anos", afirmou.
 
 

Fonte: http://g1.globo.com/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...