O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Garantias e Direitos do consumidor

Entrega de imóvel

Prazo de tolerância segue em 6 meses e espera não gera dano moral

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Secovi-SP consegue importantes avanços junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo

Prazo de tolerância de até 180 dias foi considerado válido; atraso na entrega da unidade não gera dano moral

Na tarde desta quinta-feira, 10/8, no TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo), foi julgado o cabimento do Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR), com exame de diversas teses relevantes para o setor imobiliário e cujas soluções vinculam decisões sobre os mesmos temas em toda a jurisdição do TJSP.

Esclarecemos que o cabimento do incidente de resolução de demanda repetitiva corresponde a “instrumento” trazido pelo novo Código de Processo Civil, que se aplica nos casos em que há risco de controvérsia no julgamento de demandas que versam sobre questões jurídicas que se repetem em inúmeros processos judiciais, pondo em risco a isonomia e a segurança jurídica.

O Secovi-SP figura como amicus curiae no IRDR e foi representado pelo advogado José Carlos Baptista Puoli, que fez sustentação oral com objetivo de obter decisão favorável às teses de interesse às empresas do mercado imobiliário.

Em breve, divulgaremos os resumos das teses fixadas como resultado do julgamento do dia 10/8, em longa sessão no TJSP, na qual um colegiado com 17 Desembargadores se debruçaram sobre temas de grande relevância para o mercado imobiliário.

Desde já, destacamos ter sido fixada tese no sentido de confirmar a jurisprudência validando o prazo de tolerância de até 180 dias. Dessa forma, em contratos de venda e compra de imóveis na planta mantém-se possível prever contratualmente que não haverá indenização aos adquirentes nos casos em que a entrega das unidades for feita em até 180 dias contados do prazo de entrega previsto no contrato.

Para tanto, foi fixada a condição de a cláusula de tolerância ter redação clara, expressa e inteligível. Isso demonstra o entendimento da complexidade da produção imobiliária.

Outo tema relevante para o setor é o reconhecimento dos desembargadores de que o atraso na entrega de unidade imobiliária não gera, por si só, dano moral. Assim, deverá haver exame de cada caso concreto, a fim de verificar se houve ou não abuso.

Também atuaram como amicus curiae no IRDR (“amigos da corte”, que puderam debater e argumentar no processo) a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção), a Abrainc (Associação Brasileira das Incorporadoras), o Procon e a OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil).

Fonte: http://www.secovi.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...