O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×
Cadastrar
Entrar
Cotar Pedir orçamentos
Seja um fornecedor
menu
Jurídico

Impermeabilização de sofá

Donos de empresa são denunciados por acidente em Curitiba

Por Thais Matuzaki
24/10/19 11:31 - Atualizado há 5 meses
WhatsApp
LinkedIn

Explosão em apartamento: MP-PR denuncia por homicídio donos e técnico de empresa de impermeabilização

Acidente aconteceu no dia 29 de junho e deixou um adolescente morto e três feridos, no bairro Água Verde, em Curitiba

O casal, dono da empresa Impeseg responsável pela impermeabilização no sofá do apartamento onde houve a explosão, em Curitiba, e o técnico que realizou o serviço, foram denunciados pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), na segunda-feira (21).

Um menino, de 11 anos, morreu após ser arremessado do sexto andar, e três ficaram feridos. O incidente ocorreu no dia 29 de junho deste ano, no bairro Água Verde. O apartamento ficou totalmente destruído.

O técnico Caio Henrique dos Santos foi denunciado por homicídio qualificado, e os donos Bruna Formankuevisky Lima Porto Correa e José Roberto Porto Correa foram denunciados por homicídio duplamente qualificado, segundo o MP-PR.

Eles também foram denunciados por duas tentativas de homicídio. As qualificadoras para o crime de homicídio do qual o casal foi denunciado são motivo torpe e uso de explosivo. O funcionário que aplicou o produto foi denunciado pelos mesmos crimes, sem a qualificadora do motivo torpe.

Conforme o documento, apresentado à 2ª vara do Tribunal do Júri da capital, Bruna e José agiram "por motivo torpe, com o propósito de auferir lucro financeiro a qualquer custo, deixando de investir na regularidade da empresa, bem como, na segurança dos empregados".

A respeito de Caio Santos, o MP-PR afirmou que o técnico "demonstrando absoluta indiferença com as consequências de sua conduta, manuseou e aplicou a mistura altamente inflamável e explosiva", segundo o documento.

Além disso, conforme a denúncia, os três agiram "com vontade e consciência, assumindo o risco de produzir o resultado morte e aceitando a possibilidade deste resultado", diz trecho.

Relembre o caso

Uma explosão foi registrada no imóvel e, então, houve o incêndio, conforme a Polícia Militar (PM). O apartamento fica no último andar do prédio, localizado na Rua Dom Pedro I.

As paredes do apartamento desabaram, e as chamas tomaram conta dos cômodos.

Uma moradora, que ficou presa nos escombros, gritava pedindo socorro. Dois homens entraram no apartamento para tentar ajudar. Um deles conseguiu chegar até a mulher e tirá-la dali.

Raquel Lamb, de 23 anos, o marido de Raquel, Gabriel de Araújo, de 27 anos, e o técnico Caio Santos, de 30 anos ficaram gravemente feridos. Mateus Lamb, de 11 anos, morreu após ser arremessado.

Proibição

Em 5 de julho, a Prefeitura de Curitiba assinou um decreto que regulamenta a atividade de empresas que prestam serviços de impermeabilização de móveis.

O decreto 806/2019 proíbe a realização de serviços de impermeabilização com produtos químicos inflamáveis, combustíveis e controlados em lugares fechados.

Ao assinar o decreto, o prefeito Rafael Greca (PMN) afirmou dedicar a decisão à memória das vítimas.

O que dizem os citados

O advogado Roberto Brezezinski, que defende o casal, disse que só irá se manifestar nos autos do processo.

O advogado Leonardo Buchmann, que defende Caio Santos, também não quis comentar a denúncia.

Por meio de nota, a defesa dos donos do apartamento disse que espera que o juiz receba a denúncia nos exatos termos e que haja punição exemplar.

"Entendemos que a denúncia está adequada à gravidade dos atos praticados de forma irresponsável e que culminou com a morte prematura de uma criança inocente e com uma família destroçada", diz nota.

Fonte: https://g1.globo.com

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...