O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Mata nativa

Condomínio de luxo em Manaus é investigado por desmatamento

quinta-feira, 8 de junho de 2017

MPF vai investigar desmatamento em condomínio de luxo no Tarumã

Procuradoria abriu inquérito para apurar destruição da floresta nativa na área onde a incorporadora Patrimônio Manaú colocou à venda lotes em empreendimento na Avenida do Turismo

O Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM) irá investigar denúncia de desmatamento sem autorização para a construção de empreendimento de luxo no bairro Tarumã, zona oeste de Manaus, da empresa Patrimônio Manaú, segundo portaria publicada, ontem (5), no Diário Oficial da Procuradoria.

A incorporadora colocou à venda lotes no condomínio fechado com quatro núcleos de lazer e convivência, localizado na Avenida do Turismo, próximo à Avenida Torquato Tapajós.

No documento, o procurador da República Filipe Pessoa de Lucena determina converter uma notícia de fato em inquérito civil público para apurar a “responsabilidade civil e criminal pela realização de supressão vegetal no loteamento Prestige Tarumã, sem autorização do órgão ambiental competente”, cita a portaria.

A notícia que deu origem ao inquérito narra o desmatamento “supostamente de responsabilidade de José Tácito da Frota Alves Neto, conforme diligência realizada em 10 de abril”, consta na publicação do MPF.

Portaria

Na portaria que originou a investigação, o procurador determinou que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) seja oficializado, em até dez dias, para “indicar qual o bem cultural no entorno do qual a supressão vegetal não autorizada ocorreu, remetendo neste caso cópias das providências administrativas acaso realizadas: embargo ou interdição da atividade e notificação do empreendedor para promover sua regularização quanto ao aspecto arqueológico da obra em questão”.

O diretor-executivo da empresa Patrimônio Manaú, Marco Bolognese, afirmou não haver irregularidade no empreendimento.

“Nós temos a Licença de Instalação (LI) que autoriza a supressão e que permite instalar o empreendimento e tudo mais. Foi o Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas) que emitiu em novembro do ano passado e ela tem validade de um ano. Eu acho que o Ministério Público deve estar fazendo alguma investigação e irá solicitar da gente a documentação necessária. A gente é passivo deste tipo de coisa e vamos apresentar toda a documentação e mostrar que não tem problema nenhum”, disse o diretor.

Fonte: http://diariodoamazonas.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...