O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Mercado

Péssima qualidade

Novo condomínio em Rio Claro é investigado devido aos seus materiais

Publicado em: terça-feira, 13 de março de 2012

 Procuradoria flagra irregularidades em condomínio de Rio Claro, SP

Materiais de péssima qualidade e taxas abusivas foram constatadas.Ação civil pública pede reparo de construções e indenização aos moradores.
 
 
A Procuradoria da República de Piracicaba encontrou diversas irregularidades em um condomínio de Rio Claro, interior de São Paulo. De acordo com investigações, o empreendimento feito com recursos do Programa Minha Casa Minha Vida utilizou materiais de péssima qualidade, fez propaganda enganosa e cobrou taxas abusivas.
 
Ao entrar no imóvel comprado com tanto custo o auxiliar administrativo Diego Vieira de Lima ficou decepcionado.
 
“Era um sonho, um legado que eu queria passar para os meus filhos. Virou um pesadelo”, lamentou.
 
O local tem rachaduras nas paredes, a pintura sai com facilidade e o piso do quintal fica constantemente úmido. “Cada dia que passa vão aparecendo mais problemas e a gente não consegue ver solução”, explicou Vieira.
 
A casa fica no condomínio Alto do Bosque, que foi construído pela empresa Infratec, com sede em Leme. Todas as 103 casas apresentaram falhas de construção e as áreas comuns também tem problemas. “O salão de festas está inacabado, as calçadas são mal feitas, muro inacabado e que já caiu”, disse o motorista Fernando Parra Ortega Neto.
 
Revoltados, os moradores procuraram o Ministério Público de Rio Claro. A promotoria foi até o condomínio e constatou, em fotos, muitas falhas nas casas, como paredes fora de esquadro, pinturas precárias, falhas nos telhados, fiação elétrica exposta, e acabamento mal feito.
 
Por envolver dinheiro público, a denúncia chegou à Procuradoria da República. Durante cinco meses de investigações e vistoria no condomínio procurador da República Fausto Kozo Matsumoto Kosaka encontrou várias irregularidades, entre elas a taxa de construção exigida pela Caixa Econômica Federal (CEF). “Nós entendemos que a cobrança de juros antes da entrega das chaves é indevida”, disse.
 
O procurador quer saber da construtora porque o condomínio ainda não tem itens prometidos durante a divulgação da obra, como sistema de segurança.
 
Na ação civil pública, a procuradoria pede o reparo imediato nas construções e indenização aos moradores. “Nós pedimos que a Caixa seja obrigada a devolver esses valores em dobro para os moradores inclusive com possibilidade do uso desse valor como abatimento do saldo da dívida de cada um desses contratos”, disse.
 
A CEF informou que não vai se manifestar sobre o assunto. Um funcionário da construtora Infratec informou que o advogado da empresa só vai se pronunciar no sábado (10).

Fonte: http://g1.globo.com

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...