O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Convivência

Preconceito em condomínio

Cozinheira é obrigada a usar elevador de serviço, em Campo Grande

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

“Pessoas como você não entram por aí”, ouviu cozinheira barrada em prédio

Vítima de 56 anos chorou ao relembrar caso ao Correio do Estado

A cozinheira Fátima Aparecida Gomes, de 56 anos, procurou a Polícia Civil para denunciar caso de racismo. No último dia 05, ela foi impedida de acessar o elevador social de um condomínio localizado na Rua Quinze de Novembro, no centro de Campo Grande. “Pessoas como você não entram por aí”, ouviu de um funcionário que a constrangeu, obrigando que ela usasse o elevador de serviços. Abalada com a situação, a vítima afirmou que vai acionar a justiça em defesa também de outras mulheres negras alvos de discriminação.

“A gente não sabe pelas coisas que passam as mulheres que trabalham ali”, disse.

Chorando, ela relatou por telefone ao Correio do Estado como tudo ocorreu. Na data dos fatos, Fátima foi ao prédio visitar a irmã de sua empregadora para lhe entregar alguns panetones, como de costume.

“Eu sempre fui lá levar bolos e tortas. O porteiro me conhecia e nunca tive problemas para entrar”, relatou. Desta vez, ela explicou que passou pela portaria, cumprimentou o porteiro que foi gentil como em outras vezes e entrou.

“Ali só entra quem tem autorização expressa dos moradores e eu estava autorizada”. No entanto, no caminho até o elevador social ela foi abordada por outra pessoa que trabalhava no pátio.

“Um homem chegou em mim e disse: pessoas como você não entram por aí. E então me levou para o elevador de serviço. Ele foi muito mal educado, e me tratou de forma ríspida. Me senti muito mal, foi um constrangimento grande, porque ele nunca tinha me visto na vida e me julgou pela aparência”, lamentou.

Fátima ficou por cerca de cinco a dez minutos esperando o elevador de serviço e quando ele chegou, estava lotado de mudança. “Foi uma falta de respeito muito grande o que fizeram. Demorei tanto para absorver, que cheguei a não acreditar e fui embora sem entregar nada”.

A cozinheira comunicou o caso à empregadora e recebeu apoio, sendo encaminhada para registro de boletim de ocorrência na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro. Ela garante que vai levar o caso à justiça, para impedir que outras mulheres negras sejam alvo da mesma injustiça.

“Eu defendo a causa e participo de projetos. Sou uma pessoa com informação, mas fico preocupada por aquelas que não conhecem seus direitos e admitem este tipo de tratamento preconceituoso para garantir um trabalho. Eu prometi que nunca mais vou voltar naquele prédio”, concluiu.

Fonte: https://www.correiodoestado.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...