O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Administração

Síndico profissional: função exige jogo de cintura

Saber ouvir e boa relação com funcionários também são quesitos relevantes

Publicado em: quinta-feira, 21 de março de 2013

Carreiras: síndicos profissionais precisam ter boa relação interpessoal

Entre os modos de atuação, o profissional deve criar canal de comunicação, definir as regras do jogo e a relação com dinheiro
 
Especialistas ouvidos pela InfoMoney concordam: o mercado de trabalho está aquecido para os síndicos profissionais. "Em decorrência do dia a dia cada vez mais corrido, falta espaço para o voluntário, que é o síndico morador, por isso, a necessidade de profissionalizar a função", explica o advogado de Direito Imobiliário, Rodrigo Karpat.
 
Segundo o diretor de Condomínios do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), Sergio Meira de Castro Neto, para ser síndico, é necessário ter jogo de cintura, saber ouvir e ter uma boa relação com os profissionais do edifício. "Você precisa conquistar a equipe", alerta, "e chegar com 'salto alto' não será bom".
 
Síndico profissional há cerca de 20 anos, Castro Neto começou em um prédio comercial. Hoje, também atua em um prédio residencial e em um condomínio fechado de casas.
 
"No meu caso, eu tinha uma relação de muitos anos com os edifícios como administrador", explica. Depois é que ele assumiu também a função de síndico profissional.
 

Modo de atuação

O diretor do Secovi-SP salienta três pontos importantes no trabalho de um síndico profissional:
 
Comunicação: ele acredita que um dos pontos primordiais é criar um canal de comunicação entre o síndico e os moradores e conselhos. Para driblar as "fofocas de zelador", como ele explica, criou o livro de sugestões e reclamações. Assim, ele sabe que é a Rosângela, moradora do apartamento 42 que não gosta de determinada ação e fica mais fácil trabalhar.
 
Definir as regras do jogo: estipular antes de iniciar o trabalho quais os dias em que estará no prédio é muito importante. "Não dá para ele fazer os próprios horários, pois tem problemas que só dá para conversar ao vivo", salienta.
 
Relação com o dinheiro: Castro Neto acredita que o síndico precisa trabalhar em harmonia com os moradores do prédio. Por isso, ele passa uma circular para todos os moradores dizerem o querem que seja feito no prédio. Em seguida, compila as sugestões e passa uma lista para cada um marcar suas prioridades.
 
Assim, ele fica sabendo a prioridade da maioria sobre o que precisa ser feito e aí convoca uma assembleia para discutir as finanças, para saber a disponibilidade daqueles moradores. Dessa forma, evita pensamentos do tipo: "O dinheiro é meu, porque ele está gastando com essa ou aquela reforma?", destaca.
 

Características essenciais

O problema, de acordo com Karpat, é que, apesar da denominação, a profissão ainda não está regulamentada. Assim, deve-se tomar cuidado com pessoas sem perfil, que se intitulam síndicos profissionais, mas que podem prejudicar o condomínio, por não terem experiência.
 
"Ele pode fazer obras sem consultar, pode desviar verbas ou demonstrar uma falta de conhecimento sobre a administração de condomínios", exemplifica o advogado.
 
Por isso, apesar de qualquer um pode exercer essa função, o administrador e diretor da Escola de Síndicos, Vanderlei Aragão, destaca algumas competências necessárias: espírito empreendedor, resiliência, assertividade, liderança, excelente relacionamento interpessoal, boa comunicação e experiência em gestão de processos.
 

Formação

Há 14 meses, a Escola de Síndicos oferece um curso de capacitação em Porto Alegre, que já formou 27 pessoas, sendo que 15 atuam com no máximo dez condomínios cada uma. "Mais do que esta quantidade por síndico é quase impossível gerir uma pequena cidade com bons resultados", destaca Aragão.
 
"Para evitar qualquer transtorno", alerta Karpat, "vale consultar as empresas do mercado que fazem cursos específicos para síndicos profissionais. Eles costumam ter vários módulos e abordagens como segurança, jurídico, administração de conflitos, departamento pessoal, entre outros".
 
No curso oferecido pela Escola de Síndicos, Aragão destaca que os alunos aprendem não só a desempenhar a função, mas também a captar novos condomínios. "O que não é tarefa fácil. Exige estratégias de marketing e vendas cuidadosas", explica.
 
Outro curso existente é da Tecnoponta, em São Paulo, que já formou 456 alunos em 25 turmas, desde 2008. "Os alunos estão tendo ótimos retornos. Em três meses já iniciam suas atividades", aponta o professor Sergio Craveiro.
 
Além desses, o Secovi-S Poferece o curso de administração de condomínios, em dois módulos, com o qual a pessoa adquire uma visão global da função.
 

Casos que deram certo

"Com esses cursos, a pessoa consegue ver se tem perfil que se encaixa na função de síndico profissional", aponta Castro Neto.
 
Karpat cita o exemplo de um síndico profissional e também morador do edifício, cujo trabalho como empresário lhe proporciona tempo para assumir a função. O condomínio é de luxo: possui seis torres, uma enorme área de lazer com clube, restaurante e salão de cabeleireiro. Embora ele não tenha experiência anterior, os moradores acreditaram em seu trabalho e, hoje, ele recebe R$ 8 mil para exercer o cargo.
 
Outro exemplo de sucesso mencionado pelo advogado é o do ex-executivo da IBM que se aposentou e começou a assumir cargos de síndico profissional. Hoje, ele possui CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), um assistente e uma secretária. Atende cerca de 20 edifícios e possui um salário que varia de R$ 2 mil a R$ 3 mil em cada condomínio.  

Serviço

Fonte: http://www.administradores.com.br/informe-se/carreira-e-rh/carreiras-sindicos-profissionais-precisam-ter-boa-relacao-interpessoal/44873/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...