O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Uso da água

Jornalista especializado dá dicas de uso consciente da água

Publicado em: quarta-feira, 29 de outubro de 2014

10 dicas de André Trigueiro para economia de água

Jornalista da TV Globo alerta para a falta de água em sua coluna no G1 Por aqui, somos fãs de quem não mede esforços para fazer a temática da sustentabilidade e importância de se preservar o meio ambiente serem ouvidas e assimiladas pela sociedade como um todo. O jornalista André Trigueiro, especialista em gestão ambiental, é um exemplo disso e na semana passada reuniu, em sua coluna no portal G1, uma série de dicas para economia de água no dia a dia. Em tempos de crise de falta de água, vale a pena conferir o que André chamou de “Manual de sobrevivência com pouca água”.

1) Reutilize a água ensaboada da máquina de lavar ou do tanque

Colete a água ensaboada da máquina de lavar em baldes grandes ou recipientes compatíveis com o grande volume que sai dali.  Basta redirecionar a mangueira por onde sai essa água, que jogamos fora sem nos dar conta do volume e de sua conveniência. Se usar o tanque para lavar roupas, retire o sifão e estoque essa água. É possível reutilizá-la na lavagem de pisos e janelas, calçadas e carros, ou até mesmo no vaso sanitário.

2) Vai ligar a máquina de lavar? Só com a carga máxima

Ligar a máquina para lavar menos do que a carga máxima do equipamento é desperdício de água e energia. Programe-se para utilizar com inteligência toda a água demandada no processo de lavagem.

3) Para quê dar tanta descarga?

Se for fazer xixi, experimente não dar descarga tão rápido. Tente fazer isso apenas no final do dia ou quando fizer o “nº 2″. Mantenha o vaso tampado (não haverá mau cheiro) e verifique como esse procedimento simples representa uma gigantesca redução no consumo de água. É bom lembrar que a água do vaso sanitário é potável, tem a mesma origem daquela que você bebe.

4) Carro sujo, motorista consciente

Lavar o carro em períodos de grave estiagem é crime de lesa-cidade. Quanto pior a situação nos reservatórios, menos importante (ou urgente) se torna a vaidade de manter o automóvel brilhando às custas de preciosos litros de água. Se houver a necessidade imperiosa de fazê-lo, priorize os serviços que utilizam óleos e cremes especiais que dispensam a utilização de água no processo.

5) Nada de “ducha grátis” nos postos de gasolina

Se o dono do posto provar que reutiliza a água tratada de esgoto ou aproveita a água de chuva para esse fim, tudo bem. Do contrário, você agravará o problema da estiagem por motivo torpe. Como se sabe, a água encanada que abastece os postos de gasolina é a mesma que você utiliza em casa. Não existe “ducha grátis”. Alguém sempre paga a conta. Em períodos de grave estiagem, a conta é alta para a coletividade.

6) Vai chover? Prepare-se para a “recarga grátis”

Fique de olho na previsão do tempo e prepare-se com inteligência para reforçar o arsenal de coleta de água de chuva (baldes, bacias, caixa de água específica para isso, etc.) para fins não nobres. Use essa água para tudo aquilo que sugerimos acima no reaproveitamento das águas ensaboadas. Com a água de chuva tem-se a vantagem adicional de regar o jardim ou lavar a louça. Quem puder, providencie desde já uma pequena obra para a instalação de uma cisterna que possa armazenar a água da chuva para sua própria comodidade. Mesmo nos períodos de normalidade (no que se refere à disponibilidade hídrica) a água de chuva permite uma drástica redução no giro do reloginho das companhias de abastecimento. Faz bem para o meio ambiente e para o seu bolso.

7) Banhos mais curtos fazem toda a diferença

É perfeitamente possível reduzir o tempo no banho sem nenhum prejuízo para a higiene pessoal. Se o banho é quente, e a água demora a aquecer, abra o chuveiro com o cuidado de posicionar um balde coletando a água fria até que a temperatura seja do seu agrado. É o que se faz, por exemplo, em países desérticos como Israel (que, diga-se de passagem, hoje tem mais água disponível que São Paulo). Depois do banho, use a água do balde para qualquer outro fim ou adicione ao seu estoque doméstico de Águas de Reuso. Durante o banho, depois de molhar o corpo, feche o chuveiro e comece a se ensaboar. Depois, se for o caso, passe também xampu. Abra o chuveiro para remover a espuma e fim de papo. Parece um suplício, mas é possível tomar um banho gostoso com muito menos água. Experimente, e, se possível, meça a economia.

8) Outro jeito de lavar louça

Que tal reduzir pela metade o consumo de água nas torneiras (cozinha, banheiros etc.) instalado redutores de vazão? Qualquer loja de material de construção tem essa peça pequenininha (preço não ultrapassa os R$ 30) que assegura uma economia gigante de água. No mais, tente lavar a louça sem deixar a torneira aberta o tempo todo. Existem várias técnicas interessantes que alcançam o mesmo objetivo. Tem até quem remova com folha de jornal a parte mais grossa das impurezas antes de usar água e detergente. Veja o que lhe convém, considere o uso de menos água um saudável desafio.

9) Lavar calçada? Leia antes!

Não use a água para substituir o que uma boa vassourada dá conta. Se o uso da água for indispensável, verifique se a mangueira tem furos, use redutor de vazão, e não perca tempo (e água) insistindo em remover detritos explorando a força do jato. A chamada “vassoura hidráulica” é o maior pesadelo dos engenheiros das companhias de abastecimento.

10) Espalhe nas redes sociaisas “cartilhas para o consumo consciente de água”

VerdesViralize as boas práticas nas redes sociais, estimule a adoção dessas medidas em casa, no condomínio, no trabalho, no clube etc. Instrua, em particular, os dois mais importantes “gestores ambientais” das cidades: os porteiros e as empregadas domésticas. São eles que manipulam com mais intensidade a água tratada para múltiplos usos. Cidadania é atitude. Se cada um fizer a sua parte, essa crise passa mais rápido e de forma menos dolorosa. Mas a cobrança sobre as autoridades competentes não cessa. E quando os reservatórios alcançarem novamente o nível de conforto, a luta continua. E as medidas em favor do uso consciente da água também.

Fonte: http://www.condominiosverdes.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...