O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×
Cadastrar
Entrar
Cotar Pedir orçamentos
Seja um fornecedor
menu
Roberto Piernikarz

A importância da CIPA e o papel do zelador

Um funcionário com formação específica em primeiros socorros para condomínios é um cuidado vital que deveria ser adotado

Por Thais Matuzaki
31/07/19 02:45 - Atualizado há 7 meses
WhatsApp
LinkedIn
Um funcionário com formação específica em primeiros socorros para condomínios é um cuidado vital que deveria ser adotado

Por Roberto Piernikarz*

Geralmente acionado se algum vizinho incomoda fazendo barulho ou se os condôminos precisam de algum reparo no apartamento, o zelador pode ajudar de forma muito mais decisiva. 

Quando um morador se acidenta ou passa mal e precisa de atendimento de emergência imediato, o zelador que já fez um curso de primeiros socorros pode salvar a vida dessa pessoa.

Contratado por sua capacidade para fazer pequenos consertos e chefiar uma equipe de funcionários, o zelador é ainda o profissional que sabe tudo do dia a dia da vida do condomínio. 

Devido a essa experiência, o zelador com a formação adequada é talvez a pessoa ideal para intervir em situações de emergência médica. Para garantir essa condição, um curso específico de primeiros socorros para prédios residenciais, oferecido por algumas administradoras de condomínios, é fundamental. 

Não há tempo a perder quando idosos, crianças e pessoas com doenças crônicas ou deficiência têm um problema grave e precisam de ajuda imediata. Em uma parada cardíaca, por exemplo, a pessoa pode sobreviver em 90% dos casos se for atendida no primeiro minuto após a ocorrência. 

Além da chance de salvar quem sofre uma parada cardiorrespiratória, um profissional com primeiros socorros pode atuar em casos de engasgos (mais comuns nas crianças, após a ingestão de alimentos pequenos como uvas), desmaios, convulsões, quedas e afogamentos em piscinas. Nesse último caso, vale lembrar que os condomínios residenciais não são obrigados por lei a terem salva-vidas no estado de São Paulo. 

Seu prédio não tem zelador? Nesse caso é recomendável o síndico, caso seja morador, ou outro funcionário do condomínio, ter feito o curso de primeiros socorros. E vale lembrar que é vital, além de prestar os primeiros socorros, já chamar no mesmo momento os bombeiros (193) ou o Samu (192) para o resgate.

Quanto aos preceitos legais, a legislação brasileira obriga os condomínios com menos de 51 funcionários a terem um funcionário responsável pela CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). 

Essa é a prerrogativa da NR-05 (Norma Regulamentadora) do Ministério do Trabalho. Esse funcionário, chamado de designado em CIPA ou cipeiro, deve fazer o curso de capacitação em CIPA, que inclui primeiros socorros, geralmente fornecido por empresas de medicina e segurança do trabalho. 

O problema é que o treinamento oferecido por essas empresas não é voltado diretamente para os edifícios residenciais. Por isso que procurar os cursos mais específicos, oferecidos por administradoras de condomínios, é mais recomendável. Já os condomínios com mais de 51 funcionários devem formar sua própria CIPA. 

Outros cuidados 

A idade da habitação também afeta os episódios de emergência médica. Os prédios e condomínios mais antigos geralmente possuem muitos moradores com idade avançada, mais sujeitos a problemas de saúde graves. 

Essa população mais envelhecida em muitos edifícios é consequência do hábito do brasileiro de mudar pouco de residência ao longo da vida: as estatísticas mostram que em nosso país muda-se apenas 1,8 vez na vida toda. Por isso é ainda mais urgente um zelador preparado para lidar com isso nesse tipo de moradia.

A intervenção do zelador ou outra pessoa formada em primeiros socorros não adiantará nada, porém, se o prédio não estiver preparado para receber uma ambulância. É fundamental o prédio ter espaço para a ambulância entrar, manobrar e estacionar com facilidade. 

Importante destacar também que o zelador, ou outra pessoa formada para agir emergencialmente, não precisa temer caso não tenha sucesso ao socorrer um acidentado gravemente: legalmente, ele não pode ser responsabilizado por uma morte.

Por outro lado, no caso do condomínio não possuir um funcionário formado em curso de CIPA, como manda a NR-05, o síndico, responsável pelo condomínio, pode ser responsabilizado civil e criminalmente.

Medidas preventivas

Aliado à capacidade do funcionário treinado em primeiros socorros, o condomínio precisa ter um material adequado à prestação do socorro emergencial. 

Segundo a NR-07 do Ministério do Trabalho, todos os estabelecimentos devem ter uma caixa de primeiros socorros, contendo algodão, gaze, atadura, esparadrapo, antisséptico, soro fisiológico, bandagem, luva descartável e tesoura sem ponta. Equipamentos extra, como prancha de imobilização e desfibrilador (obrigatórios em lugares com mais de 1.500 pessoas) podem ajudar nesse atendimento inicial. 

O funcionário designado em CIPA deve ainda liderar uma equipe (junto de outros funcionários) para a implementação de medidas preventivas contra acidentes, como um elaborar um mapa de riscos no edifício. Para isso, é vital checar se o piso é antiderrapante, se a iluminação é adequada, se há corrimão nas escadas, sinalização no chão da garagem contra o fluxo de pessoas no mesmo sentido dos carros, e de profundidade na piscina (além de barreiras para crianças pequenas), entre outras ações.

Finalmente, como o mandato do cipeiro é de um ano (passível de reeleição), é interessante que a cada ano outro funcionário seja treinado. Dessa forma, será maior o número de pessoas aptas a prestar o socorro emergencial e cuidar de momentos decisivos da vida dos moradores.

“O que se opõe ao descuido e ao descaso é o cuidado. Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais que um momento de atenção. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilização e de envolvimento afetivo com o outro.”

(Leonardo Boff, teólogo)

(*) Roberto Piernikarz é Diretor Geral da BBZ Administradora de Condomínios; Bacharel em Administração de Empresas pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Atua no setor há mais de 17 anos, tendo sido responsável pela implantação de mais de 300 condomínios, e participado da capacitação de mais de 1000 síndicos profissionais, além de ter colaborado com diversas matérias publicadas nos principais meios de comunicação do país. Colunista do Site do IG.

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...