O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×
Cadastrar
Entrar
Cotar Pedir orçamentos
Seja um fornecedor
menu
Convivência

Agressão à criança

Pai empurra menino durante briga em condomínio

terça-feira, 3 de dezembro de 2019
WhatsApp
LinkedIn

[15/11] Homem agride menino de 11 anos durante briga entre crianças em condomínio no DF

Criança foi empurrada por adulto e caiu no chão, em prédio no Guará. Morador diz que 'intenção não foi agredir'; Polícia Civil investiga caso

Uma briga entre dois meninos de 10 e 11 anos em um condomínio residencial no Distrito Federal terminou com a agressão de um deles por um adulto. Ao intervir no confronto, o pai da criança mais nova empurrou o garoto mais velho, que caiu no chão e bateu as costas em uma parede.

O caso ocorreu no dia 15 de novembro, na QE 40 do Guará 2, durante uma festa de aniversário. O desentendimento entre os garotos começou na quadra de esportes do condomínio e continuou nos bebedouros de um dos prédios. A Polícia Civil investiga o caso.

No vídeo gravado por uma câmera de segurança é possível ver que o menino de 11 anos foi empurrado pela outra criança próximo ao bebedouro. Ele não reagiu e, logo depois, levou outro empurrão. Em seguida, teve início a luta corporal. Outras cinco crianças assistiram à briga.

Segundos após o começo da confusão, o garoto de 11 anos levou um chute e revidou com um soco. Os dois tentaram se desvencilhar e se afastaram dos bebedouros. Em seguida, o mais velho deu um chute e derrubou a outra criança.

Foi neste momento que o pai do menino caído, que conversava com outros adultos no corredor, apareceu correndo. Ele chegou empurrando o garoto de 11 anos e, menos de dez segundo depois, o levantou pelo braço.

Segundo a mãe da vítima, que preferiu não se identificar, a criança bateu as costas na parede após ser empurrada. Depois da agressão, o homem conversou com as crianças e se afastou. À reportagem, ele disse que a intenção era "apartar a briga". O homem também não quis se identificar.

"Minha intenção foi puramente apartar, não foi agredir. Tanto é que eu levanto ele depois, converso com os meninos. Depois todo mundo voltou pra festa."

"No ímpeto de separar, acabei empurrando ele com muita força. Foi só isso."

"Coloquei minhas crianças de castigo, porque quem começou a briga foram meus filhos, e procurei o pai deles depois. Procurei a semana toda, mas ele já tinha mudado do condomínio", explicou por telefone. "Então, não me furtei, em nenhum momento, de tentar resolver a situação.”

A mãe da criança agredida lamentou a reação "desproporcional" do adulto e disse que procurou a Polícia Civil para registrar boletim de ocorrência. A Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente ficará responsável pelo caso.

"No vídeo, dá pra ver que era coisa de menino. Não digo que todo moleque briga, mas as crianças se desentendem e cabe a elas resolverem entre si", disse a mulher à reportagem. "A gente tem que interferir mostrando o que é certo, não fazendo o que é errado, achando que vai resolver."

"O que ele fez foi errado. Independente de quem começou a agressão, isso não poderia ter sido feito por um adulto."

A TV Globo tentou contato com a síndica do condomínio, mas os funcionários se recusaram a informá-la sobre o pedido de entrevista, alegando que ela só poderia atender à reportagem "em horário comercial".

Na delegacia

A delegada-chefe da DPCA, Ana Cristina Melo Santiago, disse que os envolvidos e as testemunhas serão ouvidos na próxima semana. Segundo ela, não foi necessário submeter a vítima ao exame de corpo de delito, realizado pelo Instituto Médico Legal (IML), porque "não houve ferimentos".

Mesmo assim, Ana Cristina disse que o agressor pode responder pelo empurrão. A mãe do menino de 11 anos disse que decidiu levar o caso à polícia "com a esperança de que seja feita justiça, mas principalmente que sirva de exemplo para outras pessoas".

"As atitudes, sejam elas pensadas ou impensadas, têm consequências."

Não foi o primeiro

Em dezembro do ano passado, um episódio semelhante ocorreu em outro condomínio no Distrito Federal. Um casal agrediu uma criança de 6 anos depois de ver, pela janela do apartamento, o filho cair enquanto jogava futebol da quadra de esportes do residencial. O casal foi indiciado pela Polícia Civil por "lesão corporal".

Imagens de câmeras de segurança registraram a brincadeira e o momento das agressões. Durante o jogo, um menino caiu ao tentar fazer um drible com a bola e machucou a boca. Ele deixou a quadra e, dois minutos depois, apareceu carregado pelo pai.

O homem foi em direção ao outro menino, de 6 anos, e o segurou por trás, imobilizando os braços dele para que o filho batesse no rosto do colega. Em seguida, a mulher do agressor surgiu e empurrou a criança mais velha contra as grades da quadra.

[02/12] Homem que agrediu menino de 11 anos no DF pode responder por crime

O caso ocorreu no último dia 15 de novembro em um condomínio no Guará

O homem flagrado agredindo um menino de 11 anos durante uma briga entre crianças no Distrito Federal pode responder na Justiça por um crime e uma contravenção. A informação é do G1.

De acordo com a delegada responsável pelo caso, Ana Cristina Santiago, “as imagens apontam no sentido de uma contravenção, que é chamada de vias de fato”, e que “também houve um crime que está previsto no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), que é o de submeter uma criança a constrangimento”.

O caso ocorreu no último dia 15 de novembro em um condomínio no Guará. A discussão começou na quadra e foi até o bebedouro, quando os garotos trocaram empurrões, chutes e socos.  O pai de um dos garotos ao ver a cena partiu para cima da criança de 11 anos e o empurrou contra uma parede.

Ao G1, o homem disse que apenas teve a intenção era “apartar a briga”. “Minha intenção foi puramente apartar, não foi agredir. Tanto é que eu levanto ele depois, converso com os meninos. Depois todo mundo voltou pra festa”.

Fonte: https://g1.globo.com/ e https://catracalivre.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...