O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Coleta seletiva

Condomínios reclamam do esquema atual de recolhimento em Blumenau

Publicado em: quinta-feira, 23 de julho de 2015

Moradores e condomínios reclamam de problemas na coleta seletiva de Blumenau

Falhas no cronograma e exigências para o recolhimento estão entre as principais queixas
 
Moradores que separam o lixo reciclável enfrentam problemas com a coleta seletiva em Blumenau. As dificuldades vão desde o não cumprimento do cronograma de recolhimento até exigências para que o material seja levado pelo caminhão e afetam principalmente a rotina de quem mora em condomínios. 
 
É o caso de um residencial na Escola Agrícola, que deixou de ter o lixo coletado por um impasse sobre o local onde o material deveria ficar para ser recolhido. A síndica Silvana Conceição Tiago diz ter sido orientada pelos servidores responsáveis pela coleta a colocar o lixo na calçada, e não mais em lixeiras na lateral da rampa de acesso do condomínio, para que fosse levado. 
 
Silvana critica a nova regra, já que antes da determinação os resíduos produzidos pelos moradores das 41 casas do condomínio eram coletados de dentro da lixeira, e afirma que é inviável colocar os tambores na calçada: 
 
— Não temos ninguém responsável por tirar e guardar os latões. Como o reciclável não era mais recolhido acabei trancando aquela lixeira, porque o pessoal mexia e tudo ficava espalhado. Não entendo, o lixo comum também fica nas lixeiras e é coletado dali mesmo. 
 
O problema se repete em outros pontos da cidade, como na Alameda Rio Branco, no bairro Jardim Blumenau. 
 
— A coleta é feita com hora marcada e o caminhão não pega o lixo que está dentro da casinha. O problema é que nem sempre tem um zelador para colocar os materiais para fora — critica Soreia Luebke, que trabalha na ACBLU Administradora de Condomínios, empresa que gerencia um prédio na via. 
 
Soreia ainda revela que devido ao transtorno a administradora, responsável por 55 condomínios na cidade, já precisou contratar um serviço particular para recolher os resíduos. 
 
Na Rua Wunstorf, no bairro Itoupava Norte, o acúmulo do lixo também incomodou moradores, mas segundo Samara Gabriela Malaquias Holler, da JS Administradora, a empresa acionou o Samae para recolher os resíduos. 
 

Moradora leva lixo à casa da mãe 

Apesar dos obstáculos enfrentados pelos moradores, o naturalista e ecólogo Lauro Bacca acredita que o morador que tem consciência ambiental encontra uma maneira de reciclar o lixo que produz. Andressa Mendonça, moradora do residencial na Escola Agrícola, lembra que quando a coleta deixou de ser feita, entre março e abril deste ano, ela chegou a entrar em contato com o Samae para pedir o retorno do serviço. Na época, deixou um saco com recicláveis ao lado da lixeira, que agora fica trancada, mas o material acabou sendo levado pela coleta comum. 
 
— Agora eu levo o lixo na casa da minha mãe, que mora na Rua Irapuru. Mas lá também teve problemas com a coleta. O caminhão parou de passar na rua dela e os moradores deixavam o lixo na Rua da Glória. Agora, para eles entrarem na rua dela precisa ligar e avisar que tem lixo — conta a moradora. 
 
Além da dificuldade na coleta, administradores de conomínios ressaltam que o descarte incorreto e a violação dos sacos de lixo também são problemas comuns dos moradores. 
 
— Tem gente rasga os sacos para escolher o que vai levar e o resto fica ali jogado — diz Christian Godre, da Metrópole Administradora de Condomínios.

 

Samae afirma que vai apurar os problemas registrados 

O gerente de resíduos sólidos do Samae, João Carlos Franceschi, explica que a coleta do lixo reciclável não é feita somente nos casos em que a lixeira fica há mais de dois metros de distância da rua ou quando não existe acesso ao local onde o lixo é armazenado _ neste caso o morador pode sim ser orientado a colocar os resíduos na calçada. 
 
— O que foi instituído é que o Samae não entra no condomínio para pegar o lixo. O servidor deve conseguir pegar o lixo na via pública — aponta. 
 
No caso registrado no bairro da Glória, Franceschi afirma que os motoristas devem seguir o itinerário independente de ter ou não lixo naquela rua e que não cabe aos servidores escolher em quais pontos o caminhão passará. 
 
Referente ao condomínio na Escola Agrícola, o diretor acredita que, se antes a coleta era feita, o que pode ter ocorrido é um desencontro de informações, mas que essa e as outras situações relatas serão apuradas. Caso os moradores tenham dúvidas sobre a coleta seletiva ou comum, a orientação, segundo o diretor, é ligar para o telefone do setor dos resíduos sólidos do Samae no telefone 3222-4150. 
 
Franceschi reforça, no entanto, que a autarquia não é responsável pela coleta de lâmpadas e óleo de cozinha. Nestes casos se aplica a logística reversa, quando a indústria, importadora ou distribuidora deveria receber o material sem uso para fazer o descarte correto.

Fonte: http://jornaldesantacatarina.clicrbs.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...