O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Administração

Dificuldades para reciclar

Moradores de Sorocaba (SP) separam seu lixo, mas falta estrutura às cooperativas

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013
WhatsApp
LinkedIn

 Condomínios devem reciclar, mas falta estrutura

Moradores alegam que já separam, mas cooperativas não têm estrutura para retirar tanto material
 
Daniela Jacinto
 
 
Neste mês de junho, a Prefeitura de Sorocaba inicia a fiscalização de condomínios residenciais, comerciais e industriais, para verificar se estão cumprindo com a lei municipal em vigor desde 2010 e que torna obrigatória nesses locais a coleta seletiva de lixo. Se o material não for separado, o condomínio pagará multa, que começa com R$ 500 e aumenta, se houver reincidência. Atualmente, a fase é de adaptação, mas a iniciativa da Prefeitura tocou num ponto delicado: a falta de estrutura das cooperativas de reciclagem para atender a demanda. Em um condomínio na Vila Santana, por exemplo, já se acumulam dois contêineres cheios de recicláveis. A síndica obteve como resposta dos próprios catadores que não há caminhões o suficiente para recolher o material de todos.
 
José Augusto Rodrigues de Moraes, presidente da Cooperativa de Reciclagem de Sorocaba (Coreso), uma das quatro cadastradas na Prefeitura para realizar a coleta, afirma que a iniciativa do Poder Público é excelente e que irá ajudar muito os catadores, porém, seria necessário ter mais caminhão e espaço físico para abrigar o material reciclável.
 
"O que mais falta neste momento é estrutura. Temos uns 38 condomínios nos procurando para fazer a coleta e a gente já disse que não consegue fazer tudo", lamenta.
 
O presidente da Coreso afirma que a cooperativa ganhou um espaço do Sindicato dos Metalúrgicos, no Parque Vitória Régia, e agora apenas precisa que a Prefeitura envie mão de obra para levantar um galpão ali no terreno. "Ali na região tem muita gente pra trabalhar. Se a Prefeitura ajudar, com certeza a gente vai conseguir dar conta de atender a todos os condomínios." Atualmente, dos 524 condomínios de Sorocaba, 126 já se cadastraram na Prefeitura para a coleta. Desse total, 34 já faziam por conta. As cooperativas recolhem, em média, 400 toneladas por mês de materiais recicláveis. Número que deve aumentar consideravelmente a partir de agora. Além da Coreso, as cooperativas de reciclagem que têm parceria com a Prefeitura são a Catares, a Ecoeso e a Reviver. 
 

Lixo acumulado

 
Rita Martins Basso Nunes da Silva, síndica de um condomínio na Vila Santana, afirma que os moradores do prédio já separavam o material reciclável antes mesmo da lei. "A gente colocava em sacolinhas no latão. Depois uns catadores começaram a deixar um saco específico para colocarmos o material reciclável", conta. Quando o jornal Cruzeiro do Sul publicou reportagem sobre a fiscalização, Rita imediatamente cadastrou o condomínio e publicou no quadro de avisos uma explicação aos moradores, que agora estão separando os recicláveis em contêineres. "É possível constatar que a gente produz mais material reciclável que lixo comum", observa.
 
O problema é que a cooperativa ficou de passar na quarta-feira passada, mas isso acabou não acontecendo. "Liguei lá e eles alegaram que estão atendendo muitos condomínios, e agora estamos com dois contêineres cheios". Moradora do condomínio há cinco anos, Roseane Maria Silva de Souza critica a Prefeitura.
 
"Considero importante a reciclagem, mas se querem fazer valer a lei, deveriam fazer algo mais organizado. Separar o material muita gente já faz, mas a coleta não vem e isso vai desmotivando as pessoas. Nossa parte a gente faz, mas e a continuidade disso?", cobra. 
 
De acordo com a Prefeitura, a lei cita a responsabilidade dos condomínios em separar os resíduos e dar destinação; porém, não os obriga a recolher o material. Logo, o condomínio não será multado se a cooperativa não fizer a coleta. O condomínio não precisa necessariamente entregar o material separado para as cooperativas, tendo a liberdade de comercializar o material ou destinar a um catador autônomo. A Prefeitura prioriza a entrega às cooperativas, pois os seus integrantes participam de um programa que prevê a atenção à humanização do trabalho e a garantia de direitos básicos de todo o trabalhador.
 
Ainda conforme a assessoria de imprensa da Prefeitura, as cooperativas de reciclagem estão sendo estruturadas para poder atender a demanda, sendo que o poder público está investindo em caminhões e espaços. "Vários condomínios já foram cadastrados e, em breve, será feito contato com eles para o início da organização da logística." 
 

Projetos

 
O presidente da Coreso, José Augusto, conta que em breve estará funcionando uma máquina de triturar plástico, que garantirá mais agilidade ao trabalho, pois o material reciclado deixará de ocupar espaço para aguardar oportunidade de revenda, já que será imediatamente derretido e transformado em tubulação para cano de esgoto. Essa iniciativa garante melhor renda aos catadores, que passaram por um período muito difícil, quando na época de crise caiu muito o preço de compra do material e muitas indústrias recusaram-se inclusive a receber papel. "Não queriam nem de graça", lembra José Augusto. 
 
Também o papel terá outra destinação, que não a revenda, desvantajosa para os trabalhadores. A partir da próxima semana uma equipe será treinada para produzir folha sulfite, agenda e convites. "Nosso objetivo é produzir o produto final, que agrega bem mais valor e todo mundo acaba ganhando, especialmente nós, que vivemos disso". José Augusto conta que alguns empresários se dispuseram a colocar os produtos no mercado. Agora, os catadores pretendem realizar mais um sonho, o de ter uma fábrica de biodiesel. "Esse talvez demore um pouco, mas vamos fazer", afirma.

Fonte: http://portal.cruzeirodosul.inf.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...