O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque para um navegador moderno para ter uma melhor experiência no SíndicoNet 😉

Saiba mais ×
Cadastrar
Entrar
Cotar Pedir orçamentos
Seja um fornecedor
menu
Thiago Badaró

Direito à privacidade dos doentes de COVID 19 em condomínios

Advogado tece reflexão sobre o resguardo da pessoa contagiada pelo coronavírus assegurado por lei x a transparência que pode salvar vidas na comunidade

Por Thiago Badaró
26/03/20 03:41 - Atualizado há 6 meses
WhatsApp
LinkedIn
Advogado tece reflexão sobre o resguardo da pessoa contagiada pelo coronavírus assegurado por lei x a transparência que pode salvar vidas na comunidade

Por Thiago Badaró*

O mundo parou após a notícia de pandemia causada pelo novo coronavírus nas últimas semanas, obrigando todos a ficarem em suas casas, em regime de isolamento ou quarentena ante o estado de calamidade pública instaurado. Não foi diferente no mundo dos condomínios.

Em razão da grande concentração nas áreas comuns e circulação de pessoas entrando e saindo dos prédios, com apoio das administradoras e membros do corpo diretivo dos condomínios, síndicos vêm adotando medidas de isolamento e de não utilização das áreas reservadas ao coletivo.

Fatalmente, o número de pessoas infectadas com a COVID-19 vem aumentando e esta situação caótica não tem prazo para terminar. É cada vez mais comum a notícia de suspeita e, até mesmo, confirmação de casos de contaminação em condomínios, aumentando as chances de propagação da enfermidade em grande escala.

A situação torna-se ainda mais complicada quando o síndico toma conhecimento indireto do caso em seu condomínio e é pressionado pelos moradores a falar quem está doente, criando-se uma situação de desgaste e “saia justa” para os administradores dos condomínios.

Porém a grande pergunta é: o síndico deve apontar quais pessoas estão contaminadas com o vírus ou com suspeita? Quais os impactos desta informação?

A resposta a esta pergunta está no direito constitucional de privacidade, previsto no artigo 5º, inciso X, com o seguinte texto: “são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação”.

Qualquer tipo de informação pessoal que possa expor a privacidade de qualquer pessoa, inclusive prejudicando sua imagem perante os demais condôminos, deve ser evitada sob pena de o condomínio se ver processado pelo morador que se sentir prejudicado pela divulgação da informação, sobretudo se estiver diante de mera suspeita.

Atualmente, a unidade de saúde apenas notifica o caso para a Secretaria Municipal de Saúde e ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS). Não há lei que determine que o síndico seja comunicado sobre a doença. Assim, a eventual notícia indireta recebida pelo síndico, sem a confirmação oficial e acesso ao exame, trata-se de mero boato, o qual não é recomendado ser difundido. 

Outro cenário se apresenta na hipótese de haver previsão específica na Convenção Condominial e/ou Regimento Interno determinando que o morador comunique ao síndico doenças infectocontagiosas. Essa regra prevê que o síndico pode ter acesso à comprovação oficial.

Apesar de tais cláusulas poderem ser questionadas no Judiciário, justamente com fundamento no direto constitucional à privacidade, o fato é que estamos vivenciando um estado de exceção, no qual tende a prevalecer o direito à vida, bem maior e igualmente protegido pelo artigo 5º da Constituição Federal. 

Vale observar que os países que apresentam eficácia no combate ao novo coronavírus, como a Coreia do Sul, a medida adotada foi o teste em massa, isolamento e rastreamento do infectado, oferecendo transparência à comunidade próxima até mesmo por aplicativos de celular. 

Assim, priorizando-se a salvaguarda da vida, mediante a previsão em Convenção Condominial e a confirmação oficial, passa a ser viável sustentar dar transparência à existência de caso confirmado, com o intuito de propiciar maior cautela e o oferecimento de auxílio ao referido condômino em situação de quarentena.

O bom senso, a responsabilidade, o cuidado com os demais, igualmente devem ser tomados por parte da coletividade e pelo próprio condômino diagnosticado com COVID-19

Logo, a pessoa que foi diagnosticada ou suspeita ter sido contaminada pelo novo coronavírus deverá adotar todas as orientações necessárias para a preservação da saúde coletiva, sob pena até mesmo de cometer crime tipificado em nosso código penal, artigos 131 e 132, vejamos:

Art. 131 - Praticar, com o fim de transmitir a outrem moléstia grave de que está contaminado, ato capaz de produzir o contágio: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.   Art. 132 - Expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente: Pena - detenção, de três meses a um ano, se o fato não constitui crime mais grave.

Sabemos que a situação de hoje é excepcional, porém, não podemos perder a nossa humanidade, trazendo a conscientização e a informação como armas principais para que os direitos dos moradores de condomínio não sejam infringidos, preservando-se o nosso bem maior: a vida.

Fontes consultadas:

  • BBC
  • El Pais
  • El Pais
  • Constituição Federal, art. 5º
  • Código Civil, arts. 1336, IV, 1.348 e 1.277

(*) Thiago Badaró é advogado, com atuação voltada à área condominial, pós-graduado em Direito Tributário, processual civil, imobiliário e contratual, professor de direito condominial na Escola Superior de Advocacia (ESA-OAB/SP) e professor de Direito Imobiliário em cursos de pós-graduação de algumas universidades, palestrante e escritor de artigos. Contato: thbadaro@nardesbadaro.adv.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...