O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Edificações verdes

Brasil já é o sexto país com mais empreendimentos sustentáveis

Publicado em: terça-feira, 19 de junho de 2012

 Empreendimentos sustentáveis conquistam mercado brasileiro 

Brasil ocupa a sexta posição no ranking internacional de edificações verdes
 
Luana Fuentefria
 
A importância de amparar a imagem de responsabilidade social tem abarcado, cada vez mais, a própria estrutura física das empresas brasileiras. A procura por construções sustentáveis já é parte da realidade do cenário corporativo, que responde por 50% desses empreendimentos no Brasil. A valorização dos edifícios verdes tem sido traduzida inclusive em certificações criadas e consolidadas pela alta demanda. Conforme o Green Building Council Brasil, o País é o sexto no ranking mundial de empreendimentos verdes. 
 
No Estado, são menos de uma dezena de construções certificadas. A mais recente, que ainda está em fase de planejamento, é a do complexo da Fecomércio-RS, que até 2014 estará em funcionamento no bairro Anchieta. O empreendimento será o primeiro a atender aos critérios do selo Alta Qualidade Ambiental (Aqua) no Rio Grande do Sul. Conforme a arquiteta da Fecomércio-RS, Márcia Palma, a opção pela Aqua se deve ao fato de a certificação estar adaptada aos moldes brasileiros.
 
Dos 41 edifícios com o selo Aqua no País, que leva em conta 14 critérios - que avaliam a gestão ambiental das obras e as especificidades técnicas e arquitetônicas -, somente 14 são residenciais. Para o coordenador-executivo do processo Aqua na Fundação Vanzolini, instituição que desenvolveu e adaptou a metodologia ao Brasil, Manuel Martins, isso ocorre porque o mercado corporativo já confia na durabilidade e na economia de uso e manutenção desse tipo de edificação, o que vem acontecendo de forma mais lenta nos condomínios habitacionais.
 
“As pessoas começam a perceber que é possível almejar viver em um ambiente assim, além dos benefícios no custo de manutenção”, observa.  Martins avalia ainda que o Rio Grande do Sul apresenta potencial de crescimento no setor, pois tem competência profissional e histórico de preocupação com as questões ambientais. 
 
O sócio da Krebs Sustentabilidade, que atua na nacionalização da certificação LEED, Carlos Krebs avalia que a construção sustentável no Brasil em comparação com outros países ainda é embrionária, e que o Estado vai a reboque do que o País indica como potencial de negócio. Um dos fatores, porém, é a dificuldade no acesso aos materiais. O vice-presidente e coordenador da Comissão do Meio Ambiente do Sinduscon-RS, Rafael Lonzetti, observa, no entanto, que é pequeno o investimento do poder público na ideia. Ele sugere que sejam concedidas linhas de crédito e benefícios tributários aos empreendedores que estão iniciando essa corrente, que ainda depende do baixo nível de interesse dos consumidores. O Sinduscon-RS, assim como a Câmara Brasileira da Indústria da Construção, tem realizado programas de conscientização para as empresas. 
 
Lonzetti acredita que o setor está cada vez mais consciente quanto ao papel da sustentabilidade, assim como os próprios governos. Segundo ele, o próprio programa Minha Casa, Minha Vida é sustentável, visto que, na sua concepção, envolve ainda o desenvolvimento humano, segurança e moradia digna. O Selo Casa Azul, certificação de sustentabilidade da Caixa para empreendimentos habitacionais, é exemplo dessa tendência. As certificações levam em conta todo o ciclo de vida do produto, como o impacto que ele causa no contexto em que está inserido. O diretor da Inovatech Engenharia, consultoria para implantação da certificação Aqua, Luiz Henrique Ferreira, acredita que o foco das certificações deve ser no desempenho da obra, o que garante a sustentabilidade de fato. Isso porque avaliações desse tipo levam em conta as peculiaridades de cada região. 
 

Custos de manutenção compensam aporte inicial na obra

 
Somente cerca de 25% de uma edificação é custo de produção. O resto corresponde à manutenção. Índice que comprova as vantagens da construção civil sustentável, embora requeira maior investimento inicial. O sócio da Krebs Sustentabilidade Carlos Krebs conta que o custo para a obtenção da certificação é muito mais do que financeiro, e sim de mudança de hábitos, e inclui a prática da multidisciplinaridade, com interação maior dos envolvidos, de forma a facilitar a concepção do projeto sustentável.
 
“Para a construtora, a primeira vez é difícil. Mas depois de já ter os fornecedores, o custo é encontrar novos produtos e a forma de fazer as coisas”, diz.
 
O coordenador-executivo do processo Aqua na Fundação Vanzolini, Manuel Martins, esclarece que os custos dependem do padrão imobiliário. Apesar do investimento inicial maior, em torno de 2% a 7%, conforme alguns profissionais do setor, o consumo de energia pode ser, em média, 30% menor, e o de água, 30% a 50%. “O investimento inicial é absorvido pelos empreendedores no sentido de ter maior velocidade de venda e preferência na escolha do consumidor”, avalia.
 
Outro fator que influencia o custo, observa, é o planejamento inicial. O diferencial da Aqua, segundo ele, é a mudança na cultura de construção. A ideia é que os empreendedores invistam fortemente nas fases iniciais para que as escolhas sejam benfeitas, além da necessidade de gerenciamento integrado desde o programa até a entrega. 
 
Segundo o diretor da Inovatech Engenharia, Luiz Henrique Ferreira, o investimento inicial depende da linha de base, ou seja, até que ponto a construtora tem seus processos adaptados. “Temos observado que, entre a maioria dos clientes, quando faz um bom projeto e planeja bem o nível de qualidade, o investimento é pequeno, porque nada mais é do que uma construção benfeita que leva em conta o nível de sustentabilidade. Quando a linha de base já é alta, o investimento adicional pode ser zero”, comenta. Ferreira conta que no mercado corporativo a valorização dessas edificações já é fato, porém, essa somente será uma realidade no País quando for abarcada pelo governo federal, o maior comprador do mercado imobiliário.

 

Fonte: http://jcrs.uol.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...