O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Falta de água

Condomínios em BH se interessam por furar poços artesianos

Publicado em: quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Procura por poços artesianos cresce com medo da falta d'água

O poço é permitido para qualquer cidadão, mas a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável observa que é necessária a regularização ambiental

Com o medo da falta d’água, moradores das áreas nobres de Belo Horizonte entraram na corrida pelo poço artesiano, pagando alto por perfuração e manutenção. Com a capacidade para captar de 2 mil litros a 30 mil litros de água por hora, a alternativa começou a ser vista como salvação diante de um possível racionamento. Segundo empresas do setor, a procura aumentou, em média, 60% desde o fim de 2014. Com a alta demanda, o custo para a perfuração subiu cerca de 15%, passando de R$ 87 mil para R$ 100 mil. O poço é permitido para qualquer cidadão, mas a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) observa que é necessária a regularização ambiental. De acordo o órgão, há em Minas 5.206 outorgas vigentes para captação subterrânea. Com o crescimento da procura, a autorização está cada vez mais difícil.

“Até o ano passado, demorava de 30 a 60 dias, mas tem sido de 60 a 90”, comenta um dos sócios da Hidropoços, Frederico Hermeto Salles. “Muitos estão pedindo para não usar essa autorização, mas não podemos. A fiscalização é rigorosa”, diz Arthur Pereira Melgaço, sócio Água & Poços, há 22 anos no mercado. Segundo a Semad, em 2014 houve 8 mil autuações, gerando R$ 1 milhão em multas.

Valores

Conforme Salles, em 90% dos casos o tipo de poço mais usado é de 100 metros de profundidade e custa, em média, R$ 30 mil. Porém, o valor depende da região. Em Nova Lima, na Grande BH, por exemplo, é mais alto, por causa do solo de minério: R$ 100 mil, 15% a mais do que no ano passado. Mesmo com esses valores, Salles conta que o serviço aumentou cerca de 50% e tem sido mais voltado para quem mora em condomínios em Nova Lima, no Belvedere, e também na Pampulha. Em Nova Lima, a síndica profissional do condomínio Monticiello, Kátia Laktin, conta que em fevereiro terá reunião com os moradores para acertar a perfuração. Moradora de um condomínio na Avenida Alameda da Serra (188 apartamentos, cerca de 800 pessoas), também em Nova Lima, ela foi síndica e, no ano passado, optou pelo poço, ao custo de R$ 108 mil.

“O consumo é de 6 milhões de litros por mês. Antes, o condomínio pagava R$ 45 mil de água. Como não consumimos mais da Copasa, tem sido cobrado pelo esgoto algo em torno de R$ 23 mil”, conta, e completa: “Aqui, a água nunca vai nos faltar.”

Fonte: http://www.em.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...