O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Segurança

Milícia em condomínio

Moradores de residencial no RJ sofrem com extorsões

terça-feira, 20 de agosto de 2019
WhatsApp
LinkedIn

Milícia passa a cobrar taxa em condomínio de militares na Praça Seca

Fim da tarde de quarta-feira passada. Um morador da Praça Seca abre a porta e se depara com um miliciano, que foi a seu apartamento para lhe cobrar uma taxa de segurança de R$ 30 mensais. A população do bairro, que há anos enfrenta o controle armado de criminosos, vê as extorsões da milícia avançarem sobre uma espécie de última fronteira: o condomínio criado para militares, o Comunidade Residencial Aeronáutica.

Ao todo, são 656 apartamentos em 41 blocos habitados, em grande parte, por militares da reserva. Na região, abalada por confrontos constantes, os paramilitares não param de espalhar seus tentáculos.

"Entraram nos prédios e bateram de porta em porta. Para quem não tinha o dinheiro na hora, disseram que voltariam no dia seguinte (sexta-feira). Ficou todo mundo acuado e com medo do que pode acontecer", contou um morador na última quarta-feira, que pediu anonimato com receio de represálias.

Vizinhança assustada

O condomínio, na Rua Barão, foi inaugurado em 1972. Na época, era um investimento de uma cooperativa de aeroviários e militares da Aeronáutica num bairro, até então, bucólico e de classe média. Durante anos, o conjunto foi administrado por integrantes da Força Aérea Brasileira (FAB). Mas assistiu a seu entorno favelizar e à região entrar no mapa da violência do Rio. Antes da milícia, o tráfico no Morro da Barão, localizado ao lado do conjunto, também já causou problemas. Saiu um grupo criminoso, entrou outro. E a paz não voltou mais.

Hoje, muitos dos antigos moradores foram embora, mas militares e seus parentes continuam sendo uma parcela significativa dos condôminos. Mesmo com a presença de tantos agentes de uma das principais forças de segurança do país, moradores de pelo menos dois blocos, que somam 32 apartamentos, já teriam pagado os R$ 30 por imóvel estipulados pela milícia.

Mas com um detalhe: num modus operandi semelhante ao adotado em condomínios próximos, dizem algumas das vítimas, os criminosos excluíram da cobrança as residências de famílias que tenham algum parente com problemas mentais ou deficiência física, idosos acamados e, neste caso específico, os próprios militares da Aeronáutica, que pouco puderam fazer pelos vizinhos.

"São os caras da milícia do morro, onde eles cobram até mais caro, R$ 50", disse outra pessoa abordada.

PM não viu bandidos

Na quarta-feira, três jovens praticavam as extorsões, segundo descreveram os moradores. O comportamento dos milicianos chamou atenção porque pareciam nervosos, diferentemente de um grupo de homens que, há cerca de três meses, também esteve no condomínio oferecendo serviços de segurança.

"Naquela ocasião, eles vieram conversar, apresentaram-se, mostraram planilhas de serviços, mas nunca mais voltaram. Soubemos que teriam desistido quando confirmaram que aqui moram militares da Aeronáutica. Os que vieram na quarta-feira eram bem jovens e pareciam muito amedrontados. Em alguns momentos, tremiam",  revelou uma moradora nesta sexta-feira.

Após denúncias, ainda na quarta à noite, policiais militares do 18º BPM (Jacarepaguá) estiveram no condomínio, mas os criminosos não foram encontrados. Segundo policiais civis, não houve denúncias à delegacia local, a 28ª DP (Praça Seca), sobre a presença de milicianos no condomínio da Aeronáutica. Mas um agente ressaltou que toda a região de Jacarepaguá e adjacências está tomada pela milícia. A cobrança de R$ 30 por apartamento, na opinião do policial, pode ser considerada baixa.

"Devem ter cobrado isso por se tratar de um condomínio de militares. A média normal é de R$ 50. Restaurantes, mercados, farmácias, por exemplo, pagam R$ 250 por semana", contou.

Segundo ele, os principais milicianos que atuam na região são conhecidos pelos apelidos de Macaquinho, Lelé e Playboy, esses dois últimos irmãos.

"É difícil fazer um flagrante da ação desses grupos paramilitares. Eles têm alternado os horários e até os dias da cobrança. Em alguns casos, eles forçam síndicos a recolherem a taxa dos moradores e oferecem a ele uma parte. Mesmo que o síndico seja honesto, como ele vai poder dizer não a um criminoso violento como são os milicianos?", questionou o policial.

Investigação sigilosa

A Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), da Polícia Civil, investiga a ação do grupo que age na Praça Seca. Questionada na sexta-feira sobre as denúncias relativas ao condomínio da Aeronáutica, respondeu, por meio de nota, que “apura em sigilo informes do gênero”. Também procurado, o Ministério da Defesa ressaltou que o condomínio não integra os imóveis de seu Próprio Nacional Residencial (PNR), mas não comentou o fato de as ameças ocorrerem num conjunto onde ainda residem muitos militares.

Num condomínio próximo ao Comunidade Residencial Aeronáutica, no último mês de junho um morador chegou a gravar um áudio em que uma funcionária da administração explicava como seriam as cobranças.

"A milícia voltou aqui no condomínio novamente, tá? . (Esta parte é inaudível) (...) conversou com eles para tentar abaixar o valor, mas eles disseram que não, que ia ser R$ 50 mesmo nos dois primeiros meses, julho e agosto, e, a partir de setembro, R$ 40", explicou a um morador. "A gente comprou uma urna para deixar aqui na sala, com cadeado, chave, essas coisas. Estamos pedindo para o morador para trazer o dinheiro num envelope. Quem contribuir, a gente vai dar baixa com um papel aqui", acrescentou.

Bairro virou uma praça de guerra há pelo menos dois anos

Há pelo menos dois anos se acirraram as disputas entre traficantes e milicianos na Praça Seca. No último mês de março, por exemplo, foram dez dias seguidos de tiroteios. Ao longo de todo este ano, até o último dia 7 de agosto, dos cinco mil tiroteios registrados no Grande Rio pelo laboratório de dados sobre violência armada Fogo Cruzado, 113 tinham ocorrido na Praça Seca, o que deu à região o quarto lugar no ranking dos bairros mais conflagrados.

Se considerados os números de homicídios dolosos divulgados pelo Instituto de Segurança Pública do Rio (ISP), a letalidade violenta na circunscrição da 28ª DP (Praça Seca) caiu 25% em relação ao mesmo período do ano passado, de 31 para 23 mortes (por homicídio doloso, lesões corporais seguida de morte, latrocínio e mortes por intervenção de agente do Estado). Nada que signifique, no entanto, que os moradores podem se sentir mais seguros.

Os milicianos dominam morros como o da Barão e da Chacrinha. Além da Rua da Barão, outras vias importantes, como a Rua Cândido Benício, vivem o clima de medo.

Em abril, após um novo tiroteio interromper o serviço do BRT por horas na região e de denúncias apontarem que os paramilitares usavam uma espécie de boleto para cobrar taxas de segurança de moradores, o governador Wilson Witzel anunciou a intenção de ocupar algumas comunidades do bairro. Na época, porém, ele não deu deu detalhes e nem estipulou prazo para a retomada. Witzel chama de “terroristas” os milicianos e os traficantes que disputam o controle da região.

Fonte: https://extra.globo.com

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...