O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Administração

Profissão de síndico

Confederação Nacional dos Síndicos quer regulamentar atividade

Publicado em: quinta-feira, 27 de abril de 2017

"Síndico não pode ser voluntário", diz presidente da Confederação Nacional dos Síndicos, em Caxias

Sérgio Craveiro está em Caxias para divulgar a ideia de profissionalizar a atividade

Transformar a atividade de síndico em profissão é a principal bandeira da Confederação Nacional dos Síndicos (Conasi) atualmente. Para disseminar a ideia, e capacitar interessados em exercer a função, o presidente da entidade, Sérgio Craveiro, está em Caxias nesta semana. Já realidade em diversos Estados, a regulamentação da função vem sendo amplamente discutida em razão da complexidade cada vez maior que envolve a gestão eficiente dos empreendimentos.

Hoje, a maioria dos síndicos trabalha de forma voluntária - sem remuneração ou em troca de valores simbólicos. Os números do Conasi ilustram a realidade: segundo Craveiro, há 5 mil síndicos cadastrados no Brasil; em Caxias, somente três.

— Esse número é muito baixo se pensarmos que o país tem cerca de 1,2 milhão de condomínios. É preciso tirar da cabeça aquele pensamento "sei administrar minha casa, vou saber administrar meu condomínio". Não é assim. Condomínio é uma empresa e precisa ser tratado assim. O síndico, voluntário ou contratado, tem responsabilidades e pode pagar por isso se fizer algo errado. E a chance disso acontecer é grande, já que muitos não têm informação para exercerem a função da melhor forma — esclarece.

Apesar de a profissão ainda não ser regulamentada, e embora o Conasi lute por isso há pelo menos sete anos, a possibilidade de contratação de um síndico, que não precisa morar no prédio, está prevista na Lei do Condomínio (nº 4.591 de 1964). Não há a estipulação de um piso salarial em função da não regulamentação, mas a categoria trabalha com uma média de mercado, que é de R$ 20 a R$ 40 por imóvel no condomínio, pago mensalmente:

— Os condôminos devem exigir dos síndicos e, para exigir, é preciso remunerar. A responsabilidade é muito grande se pensarmos em um condomínio como uma empresa: com 200 apartamentos, com uma média de R$ 500 de pagamento de taxas, se tem uma receita mensal de R$ 100 mil. Esse valor, por ano, gera um faturamento de R$ 1,2 milhão. Quem administra isso? O síndico. Não dá para brincar.

A contratação do síndico, como explica Craveiro, é feita com aprovação em assembleia e não deve interferir no trabalho da empresa que administra o empreendimento. A administradora, nesse caso, seria um escritório que assessora o síndico.

— Ninguém quer assumir a função de síndico do prédio, muito em função da falta de tempo e da incomodação que a tarefa traz. É o ideal que uma pessoa imparcial assuma isso e gerencie o condomínio. Existem cursos para isso e é um mercado muito amplo — garante o presidente do Conasi.

Fonte: http://www.acritica.net

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...