O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Segurança

Segurança particular

Prédios do Morumbi (SP) pagam PMs por mais patrulhamento

Publicado em: quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

 PM vende segurança em São Paulo por R$ 20 mil

Sargento encarregado por setor administrativo do batalhão que patrulha Morumbi escala PMs para segurança

THAÍS NUNES

Não é de hoje que a violência faz parte da rotina de quem vive no Morumbi, na Zona Oeste. Em um dos bairros mais nobres da cidade, um sargento da Polícia Militar é apontado como responsável por cobrar R$ 20 mil por mês para garantir a segurança  da área. O esquema ilícito acontece há quatro anos e fez com que policiais militares arrecadassem pelo menos R$ 700 mil reais dos moradores, que se renderam ao serviço ilegal após sofrerem com recorrentes ataques de criminosos.
 
Nos últimos anos, a  Rua Dr. José Carlos de Toledo Piza ficou conhecida como “a rua do medo”, devido à falta de iluminação e rotina de assaltos à mão armada e sequestros relâmpagos. Nem mesmo o alto índice de violência fez com que o patrulhamento na área fosse reforçado e moradores de cinco condomínios de luxo contam que se viram obrigados a contratar seguranças particulares.
 
O serviço privado foi oferecido pelo sargento Vagner Figueiredo, atual encarregado por toda a parte administrativa da 5ª Companhia do 16º Batalhão (responsável pelo policiamento do bairro). Segundo moradores ouvidos pelo DIÁRIO, é ele que escala os quatro policiais militares que fazem a segurança da rua 24 horas por dia, durante toda a semana. Esses homens trabalham armados, à paisana e em carros particulares. Ganham R$ 1.600 por mês.
 
Os condôminos assumem que a sensação de insegurança diminuiu com a contratação dos PMs, mas se dizem reféns do serviço. “Fico indignado, mas sou obrigado a pagar”, revelou o síndico de um dos prédios.
 
“Fica aquela sensação de ser lesado. É um dinheiro que poderia ser usado em outras coisas no condomínio e muitos rebolam para pagar”, desabafa o síndico de outro prédio. Por questões de segurança, seus nomes serão preservados.
 
O zelador de um dos condomínios vigiados afirma que o sargento só aparece no local uma vez por mês, quando o dinheiro é pago. Em todos os prédios, o valor destinado à segurança privada está registrado em  ata, já que o rateio foi feito após decisão em assembleia. 
 
Os moradores revelaram que Figueiredo propôs estender o “patrulhamento” até o final da rua, por mais R$ 20 mil por mês. “Ninguém quer pagar. Estão muito revoltados, mas só nesse mês duas mulheres foram roubadas na esquina”, disse o zelador.
 
Na quinta-feira passada, Figueiredo recebeu a reportagem no batalhão onde trabalha e se apresentou como o responsável por todas as estatísticas criminais que servem como base para a Polícia Militar destinar as viaturas para o patrulhamento.  No dia, o sargento garantiu que a violência na “rua do medo” é zero.

Fonte: http://www.redebomdia.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...