O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Administração

Síndico profissional: contratação

Veja como é possível contratar ou dispensar o prestador de serviços

Publicado em: sexta-feira, 5 de julho de 2013

 Síndico profissional: conheça alguns cuidados na sua contratação

Nos últimos anos, os condomínios têm passado por uma grande transição. A série de exigências para o bem-estar dos moradores trouxe para a realidade dos edifícios a profissionalização dos síndicos.
 
"Em grandes cidades, você administrar empreendimentos com muitas pessoas não é tarefa fácil", afirma o coordenador da área de Direito Imobiliário do escritório Arruda Alvim e Thereza Alvim Advocacia, Everaldo Augusto Cambler.
 
Como os moradores não têm tempo para assumir as tarefas de um síndico, os condomínios estão optando em estimular alguém a assumir o cargo de forma remunerada: o valor do salário varia de R$ 1.500 a R$ 8.000. Entre as possibilidades, está assalariar um dos moradores, alguém indicado por um condômino ou um profissional.
 
Prós e contras
Cambler acredita que ter um profissional é muito interessante, pois esse síndico tem toda expertise para resolver as pendências do edifício.
 
Para o diretor de Condomínios do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), Sergio Meira de Castro Neto, como o síndico profissional é mais técnico, a relação e a comunicação com a administradora do edifício fica mais simplificada.
 
Além disso, enquanto o morador acaba sendo passional em algumas decisões e até privilegiando alguns vizinhos, o que pode gerar desentendimentos, Castro Neto lembra que o profissional possui uma visão mais "fria". "A pessoa que vê de fora, vê como um trabalho que precisa ser feito e se baseia na regra para todos", afirma.
 
Porém, ele é relutante em relação a esse síndico. Embora exerça esse cargo em três edifícios, ele acredita que o profissional não tem contato diário com o condomínio. "Eu defendo que, por mais que o morador não tenha tempo, ele vive o cotidiano", diz.
 
Atenção no momento de contratar
 
Hoje, o Código Civil possibilita a contratação de um síndico que não seja um morador do edifício. Os cuidados a tomar, de acordo com Cambler, são os mesmos da contratação de qualquer outro prestador de serviço:
 
Os condôminos devem pedir que a pessoa apresente referências dos edifícios onde já trabalhou.
É aconselhável visitar os prédios onde a pessoa foi síndica, observando como está sua estrutura e conversar com o zelador.
Os moradores também podem conferir antecedentes da pessoa, através de certidão cível, pesquisa no judiciário ou banco de dados de maus pagadores.
Verificar se a pessoa realizou cursos de especialização, pois isso ajuda a saber se ela tem conhecimento na área.
 
Depois de escolher quem será o síndico, ainda é necessário formalizar um contrato. Nele vale estipular a quantidade de visitas que o profissional fará no prédio (deve ser no mínimo duas vezes na semana) e a obrigação de comparecer nas assembleias. Além disso, devem constar as necessidades específicas de cada condomínio.
 
Participação dos condôminos
 
A tarefa desses profissionais é deixar os moradores despreocupados, já que eles tomam conta de tudo em relação ao prédio.
 
Porém, o advogado e sócio do escritório Karpat Sociedade de Advogados, Rodrigo Karpat, destaca que "a figura do síndico profissional não substitui a necessidade de atuação dos condôminos que, através de um conselho consultivo, darão as diretrizes e o respaldo para a gestão".
 
Ele explica que existem dois tipos de conselho, que são definidos pela Convenção do Condomínio: o consultivo, que realiza orientação do síndico profissional, e o fiscal, que aprova as contas.
 
Por isso, diz Karpat, o sucesso da atuação do síndico depende de uma parceria com uma boa administradora, além de um conselho consultivo atuante e um bom zelador. Quer dizer, o síndico não tem total autonomia para trabalhar, mas está vinculado ao conselho de condôminos.
 
Destituição
 
"A destituição do síndico profissional é polêmica, pois gera dúvidas", afirma Karpat. Ele explica que alguns condomínios entendem que ele pode ser demitido sem assembleia, já que é um prestador de serviços. Outros, por sua vez, defendem a destituição através de assembleia.
 
"É certo que o síndico profissional é um prestador de serviços e não pode oferecer resistência, caso o condomínio decida substituí-lo", destaca Karpat. "Dessa forma, ressalta-se mais uma vez a importância do conselho atuante, que poderá administrar a contratação ou demissão do síndico profissional".

Serviço

Fonte: http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/infomoney/2011/05/12/sindico-profissional-conheca-alguns-cuidados-na-sua-contratacao.jhtm

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...