O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Manutenção

Um mês pós-desabamento

Moradores de condomínio de luxo em Vitória seguem vivendo no improviso

Publicado em: segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Após desabamento em condomínio do ES, famílias vivem no improviso

Desabamento de área de lazer de condomínio de luxo completou um mês.Uma pessoa morreu e quatro pessoas ficaram feridas no dia 19 de julho.

Um mês depois do desabamento da área de lazer do condomínio de luxo Grand Parc Residencial Resort, os moradores reclamam viver no improviso. Ninguém ficou desabrigado. Cada família conseguiu se ajeitar em um canto, mas a sensação é de perda do lar e das lembranças dele. O desabamento deixou um morto e quatro feridos.

“Todos nós estamos morando improvisados”, diz a jornalista Patrícia Mosé, que morava havia quatro anos no endereço da Enseada do Suá, em Vitória, sem moradores desde o desabamento às 3 da manhã da madrugada de 19 de julho, um mês atrás.

“Você pode até ter conseguido depois alugar um imóvel todo mobiliado. Mas eles não estão ali porque você escolheu. Você está num ambiente que não é seu. Quando você escolhe, muito legal. Agora quando é forçado, é mais difícil”, lamenta a moradora.

No caso de Patrícia, ela prefere ficar, por enquanto, com a família na casa da sogra, junto com o marido e filho.

Eles ainda estão decidindo se alugam um imóvel com o auxílio, de valor não divulgado, fornecido pela empresa responsável pela obra do Grand Parc, a Cyrela, para arcar com os custos de moradia.

Aluguel

Os moradores relatam também problemas para alugar apartamentos já que com a notícia do desabamento há relatos de aumento proposital de aluguéis.

"Algumas pessoas tiveram dificuldade para alugar”, confirma Patrícia.

Assim como ela, a família da também jornalista Carla Einsfeld preferiu não alugar um imóvel por enquanto. “O pessoal aumentou o aluguel depois do desabamento. Eu quero pagar um preço justo”, diz Carla, que saiu às pressas do 11º andar na madrugada do dia 19 de julho.

Ela conta que na primeira semana o seu filho, hoje com quatro meses, chorava muito.

“Ele acordava por volta das 3h15 e chorava muito. Não sei explicar como. Mas agora ele está bem.”

Em um lar provisório, a sensação de melancolia permanece. “Sinto falta da rotina, do dia a dia. O mais difícil é acordar e ver que não é seu lugar”, lamenta Patrícia.

Fonte: http://g1.globo.com/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...