O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Mercado

Unidades alagadas

No Acre, condôminos contabilizam sete alagamentos em um ano

Publicado em: sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

 Moradores denunciam alagamentos em condomínio e MP-AC investiga

Moradores dizem que água e esgoto invadem apartamentos, após chuvas. Inquérito preparatório foi instaurado por Ministério Público do Acre.
 
Os moradores do Bloco Orquídea 02, do condomínio Via Parque, em Rio Branco, denunciaram problemas de alagamentos nos apartamentos ao Ministério Público do Acre (MP-AC). Um procedimento preparatório foi instaurado por meio da Promotoria Especializada de Habitação e Urbanismo para apurar as denúncias.
 
O motorista Isaiaz Muniz de Oliveira, de 33 anos, morava, até janeiro deste ano, no térreo do prédio que apresenta problemas. Ele conta que após um ano conversando com a construtora sobre a situação no apartamento, decidiu se mudar. "Eu tive que sair, larguei o imóvel, pedi um empréstimo para alugar uma casa. Não consegui mais morar, alaga muito, fica cheio de água e fezes dentro de casa", diz
 
Ele explica que durante um ano o apartamento em que morava alagou sete vezes, sempre durante fortes chuvas. Segundo Oliveira, a água do esgoto retorna pelos canos.
 
"Eu comprei o apartamento na planta. Em janeiro de 2013, 15 dias após receber o apartamento, ele alagou pela primeira vez. De lá para cá, já passei por sete alagamentos. Toda vez ia na construtora responsável, pegava documentos e pedia que resolvesse o problema. Eles iam, faziam qualquer coisa, mas quando chovia alagava de novo", reclama.
 
Isaiaz conta que a empresa fez uma proposta, que foi retirada após descobrir que o motorista já havia ido ao Ministério Público. "Eles me disseram que iam me dar um novo apartamento e novos móveis, mas antes deles falarem isso eu fiz uma denúncia no Ministério Público, que foi lá. Quando eles souberam que eu tinha feito a denúncia, eles retiraram a proposta. Eu fiquei sem ter o que fazer, com a minha família, e tive que fazer um empréstimo bancário para alugar uma casa e pagar o depósito caução", diz.
 
O mesmo problema ocorre desde agosto de 2013 com o gerente de vendas Paulo César, de 28 anos, que ainda mora no apartamento que comprou no Via Parque. Ele era vizinho de Isaiaz.
 
"Meu apartamento alagou quatro vezes. Nós recebemos o apartamento em agosto do ano passado, mas ele já apresentou uma série de problemas, como infiltração na lajota do banheiro e toda vez que chove forte, os canos da caixa dão retorno, porque as caixas coletoras não tem queda", afirma.
 
Segundo ele, muitos dos móveis tiveram que ser retirados do apartamento e o cheiro que fica na casa é muito desagradável, devido as fezes encontradas na água que transborda dos ralos.
 
"Nossos móveis já estão estragados, já tirei vários de dentro do apartamento porque não tem condição de ficar, porque na última vez alagou sofá, guarda-roupa, mesa. E como é água com fezes, o cheiro ficou insuportável. O Isaiaz saiu porque o dele alagava primeiro. Quando alaga, a água vem pelo ralo e a gente tem que ficar retirando a água com fezes", conta.
 
Os moradores também reclamam sobre inadequações na fiação elétrica, que já teria ocasionado princípio de incêndio em pelo menos um dos apartamentos.
 
Ministério Público
 
O MP-AC, por meio do promotor de Justiça de Habitação e Urbanismo em exercício, Rogério Voltolini Muñoz, solicitou uma vistoria no Bloco Orquídea 02, que deve ser feita no prazo de quinze dias.
 
Nesse período, a pedido do promotor de justiça, a construtora responsável pelo empreendimento deve encaminhar à promotoria o projeto hidrossanitário do condomínio Via Parque. Após todo o estudo de caso, se confirmadas as denúncias, promotor irá tomar as medidas judiciais cabíveis.

Construtora
 
O gerente administrativo e financeiro da Albuquerque Engenharia, Hélio Viana Júnior, disse que a empresa está analisando o que pode ter ocorrido no condomínio. "Estamos apurando o que acontece e de quem é a responsabilidade", disse.

Fonte: http://g1.globo.com/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...