O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Verticalização na costa

ONG mostra condomínios e casas cada vez mais altos em praias de SP

Publicado em: terça-feira, 18 de junho de 2013

 'Puxadinhos' ameaçam a paisagem no litoral norte de São Paulo

Em breve, a vista para o mar deve ficar mais rara em praias da costa sul de São Sebastião (litoral norte de SP).
A verticalização começa a ameaçar a paisagem, segundo a Federação Pró-Costa Atlântica, que faz monitoramento aéreo de construções irregulares na região.
 
A ONG diz que o número de condomínios e casas com terceiro andar –proibido por lei municipal– tem aumentado nos últimos anos.
 
Apenas desde o final de 2010 foram identificados 180 casos na orla, a maioria em áreas nobres e praias badaladas, como Juqueí e Baleia.
 
Considerado o total de unidades previstas, o número ultrapassa 300 imóveis irregulares, diz a ONG.
Condomínio em construção na praia da Baleia, em São Sebastião; obras continuam apesar de estarem embargadas
Hoje, a lei permite terceiro pavimento apenas em forma de subsolo ou mezanino fechado –que pode ocupar até 40% do andar inferior–, e sem ultrapassar, ao todo, a altura de nove metros.
 
Mas não é isso que ocorre na prática. A Folha esteve no litoral dia 13 e constatou dez novos condomínios de alto padrão em que o mezanino virou terceiro andar.
 
“É três [pisos], mas o que conta é só dois”, justificou o encarregado de obras Wilson Sobrinho, que coordena a construção de três casas de alto padrão em Juqueí.
 
Mesmo embargado, um condomínio de quatro casas de luxo na praia da Baleia continuava em obras. Havia mais de 15 funcionários no local –alguns trabalhavam no terceiro pavimento.
 
Em outro caso, um operários de uma obra pronta disse que o terceiro piso é ilegal, “mas o pessoal deu um jeito”.
Novos condomínios também encontram outras formas de driblar a lei, como aproveitar o desnível do terreno para disfarçar um pavimento extra –a altura é calculada com base no maior lado da rua– ou deixar metade do “subsolo” à vista.
 
“E aí chega até o quarto piso”, diz Leandro Saadi, que sobrevoa o litoral há três anos para identificar onde estão as construções irregulares.
 
‘QUASE PRÉDIO’
 
Segundo o vice-presidente da Pró-Costa Atlântica, Marcelo Miranda, a presença de condomínios com terceiro andar “virou norma” em São Sebastião. Tanto que a prefeitura estuda liberar a parte “extra”.
 
“Hoje, quase não tem construção de alto padrão nova sem terceiro andar”, diz Miranda, que cita o impacto negativo na paisagem.
 
“São obras feitas de frente para a praia, na rua da praia. Quem está atrás, esquece.”
 
“Também estão utilizando o terceiro piso para fazer uma nova unidade de venda. Ou seja: está virando um predinho de três andares, com mais caixa d’água em cima.”
 
O avanço das construções é percebido por moradores. “É só passar na avenida que você vê”, diz Eduardo Nunes, 47, há 23 anos no litoral.
 
De acordo com Nunes, a expansão de obras irregulares também preocupa pelo adensamento populacional.
“Quantas pessoas podem habitar uma casa dessa ao mesmo tempo? Em uma cidade sem saneamento básico?”
O Ministério Público investiga o caso.

Fonte: www.boainformacao.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...