O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Jurídico

Vigilantes de condomínios

Lei que trata de adicional de 30% nos salários não é para condomínios

Publicado em: sexta-feira, 5 de abril de 2013

 Lei 12.740 não atinge os condomínios, esclarece o Secovi-SP

Publicada no final de 2012, legislação altera artigo 193 da CLT e define adicional de 30% nos salários dos vigilantes 
 
 
A Lei 12.740, de 8 de dezembro de 2012, alterou o artigo 193 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que trata das atividades ou operações perigosas. No parágrafo primeiro do artigo 193 da CLT, fica definido o adicional de 30% sobre o salário, sem os acréscimos resultantes de gratificações, prêmios ou participação nos lucros da empresa.
 
O que tem gerado dúvida nos condomínios, que têm porteiros e vigias nos quadros funcionais, é o teor do inciso 2, do artigo 193. Nele são inseridos como beneficiários do adicional de periculosidade os trabalhadores expostos a roubos e outras espécies de violência física em decorrência de atividades profissionais de segurança pessoal ou patrimonial.
 
“Apesar de nos últimos anos vários condomínios terem sido alvo de arrastões, os porteiros e vigias não exercem funções de vigilantes, que têm treinamento específico, portam armas de fogo e usam uniforme adequado à função, além de terem suas atividades regidas por legislação específica, a Lei 7.102/83 e o Decreto 89.056/83”, distingue Hubert Gebara, vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), completando que esta distinção de atribuições desobriga os condomínios de pagar o adicional de 30% nos salários de vigias e porteiros.
 
A única exceção é para o edifício com vigilância orgânica, autorizada pela Polícia Federal, e contratação de profissionais treinados e armados. Entretanto, mesmo nesse caso, para que seja aplicado o artigo 193 é necessária regulamentação do Ministério do Trabalho.
 
O Artigo 193 em seu caput menciona: “São consideradas atividades ou operações perigosas, na forma da regulamentação aprovada pelo Ministério do Trabalho e Emprego...”.
 
As atividades relacionadas a inflamáveis e explosivos já estão regulamentadas pelas Normas Regulamentadoras 16, 19 e 20; todavia, tais NRs não regulam o trabalho com exposição permanente a roubos e outras espécies de violência física, atividade que precisará ser regulada para, assim, ser aplicada aos trabalhadores que exerçam suas atividades naquelas condições, concedendo-lhes o adicional de 30% sobre o salário.

Fonte: http://www.secovi.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...