O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Abastecimento precário

Moradores de condomínio em Palhoça (SC) usam até água da piscina

Publicado em: sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Por falta de água, moradores de Palhoça recorrem à piscina do condomínio

Adequações no sistema da Casan tem afetado abastecimento na Grande Florianópolis Em Palhoça, na Grande Florianópolis, tem um condomínio onde as pessoas estão pegando água da piscina devido à falta de abastecimento do município. Moradores do residencial Terra Nova, no bairro Bela Vista, estão sofrendo com a falta desde o início de dezembro. O problema se intensificou nos últimos quatro dias, como conta o síndico, Alex Guarnieri.

— A pressão da água fornecida pela Samae está abaixo da capacidade necessária para abastecer os reservatórios e as casas ficam sem água diariamente — disse o síndico.

Não bastasse a água em conta gotas nos canos, o principal reservatório do condomínio foi interditado pela Defesa Civil no dia 22 d de novembro, após rompimento da estrutura, que estava oxidada. Moradora da parte mais alta do condomínio, Miriã Rocha, de 17 anos, caminhou com a filha Ayslla no colo até a área de lazer mais próxima para pegar água da piscina.

Lava a louça de canequinha

— Não podia deixar minha filha sozinha e trouxe. Quando estava voltando, o balde se rompeu. É difícil lidar, porque ela fica incomodada com o calor — disse a jovem ao lado da mãe, Cleuza Rocha, que tem lavado a louça com canequinha. A situação é tão crítica que, para tomar banho, alguns moradores recorrem aos banheiros da piscina localizado na parte mais baixa, próximo do reservatório secundário, onde a água falta com menos frequência.

— A comunidade sofer com o calor, sem água para nada e na hora de cobrar a conta, a fatura vem cheia de taxas — critica a moradora Letícia Baldez.

 

Sistema de abastecimento não corresponde ao projeto

Construído pela Rodobens em 2010, o complexo de 1274 casas de até três quartos está localizado próximo a Colônia Penal Agrícola, cerca de 10 quilômetros do centro de Palhoça. O residencial foi construído em três etapas e possui dois reservatórios. De acordo com o síndico, Alex Guarnieri, a empresa não seguiu o projeto, que previa três reservatórios. — Como um se rompeu, estamos na dependência da pressão da água da Samae, que não atinge a capacidade. O abastecimento está vindo com 2/3 a menos do que era prometido na época da liberação do empreendimento — disse Alex. Relatório de 18 de novembro da Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento (Aris) afirma que "o sistema implantado no condomínio tem problemas de dimensionamento e operação". Apesar de inúmeras ligações entre 16h e 18h desta quarta-feira, a Rodobens não atendeu a reportagem para falar sobre o problema.

Não é só no condomínio que falta água

A escassez no fornecimento de água tem atingido outras regiões de Palhoça e da Grande Florianópolis nos últimos dias. A Casan justificou em nota à imprensa nesta quarta-feira que devido ao Plano Verão, que promete aumentar o volume de água produzido na região, o abastecimento está prejudicado em parte da Bacia do Itacorubi, localidades de Biguaçu e de Palhoça _ município tem o sistema de água e saneamento gerido pelo Samae, mas recebe água da Casan. "Está sendo realizada a manutenção de bombas na Captação de Água no Rio Cubatão, o que contribuirá para o reforço do sistema de abastecimento da Grande Florianópolis. O serviço deve ser normalizado gradativamente nas próximas 72 horas", informou o comunicado. A orientação é para que os usuários limitem o consumo de água ao essencial até a normalização total do sistema. A Casan dispõe ainda o número 0800 643 0195 para informações, reclamações e solicitações de serviços. O que diz o Samae De acordo com a Samae, após vistoria na Estação de Tratamento de Água José Pedro Horstmann, no Morro dos Quadros, em Palhoça, foi constatado que o fornecimento de água tinha vazão de aproximadamente 270 m³/h. "Esta capacidade proporciona uma vazão de abastecimento de 75 litros por segundo, sendo insuficiente para atender de maneira satisfatória todo o município. Um abastecimento comum faz uso de 240 litros por segundo de água fornecida pela Casan para o Samae Palhoça", informou o comunicado da empresa.

Fonte: http://horadesantacatarina.clicrbs.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...