O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Ambiente

Animal silvestre

Macaco invade condomínio em Teresina, bagunça unidades e morde moradores

Publicado em: segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

 Macaco 'fujão' entra em condomínio, causa bagunça e morde moradores

Animal continua sendo procurado por moradores e polícia ambiental. População está assustada com a presença do macaco na vizinhança.
 
O que parecia engraçado se tornou um pesadelo para os moradores de um condomínio de casas na Zona Leste de Teresina. O problema é que um macaco está entrando nas residências, causando a maior bagunça e destruindo o que encontra pela frente. Duas pessoas já foram vítimas de mordidas do animal, fato que assusta ainda mais a população. Relatos dão conta de que o macaco está no local desde domingo (24).
 
A advogada Paola Rocha contou que o animal já recebeu até o nome de 'Chiquinho' e aproveitou que a família saiu de casa no domingo (24) para invadir o local. “Ele entrou pela parte de cima da casa, abriu a porta do quarto da minha filha e revirou tudo que encontrou. Depois disso foi até a cozinha, derrubou potes de comida, pegou algumas frutas e quando chegamos nos deparamos com ele dentro da casa, foi quando ele mordeu minha mãe próximo ao pulso”, relatou Paola.
 
O visitante inesperado já entrou em pelo menos cinco casas do condomínio e por onde passou destruiu telhados e fez uma enorme bagunça. “Aqui ele entrou na segunda-feira, roubou uma banana que estava na mesa e quando eu fui olhar o que estava acontecendo ele veio para cima de mim e mordeu meu dedo. Estou apavorada e revoltada com a situação. Espero que os órgãos sejam mais competentes e capturem o animal, seja ele do Zoobotânico ou de onde for”, disse a aposentada Antônia Borges, de 71 anos.
 
Antônia Borges disse ainda que deve  tomar 10 injeções por conta da mordida do macaco. “Fui ao médico e tomei três injeções, mas ainda preciso tomar mais sete para não correr o risco de contrair doenças, mas tenho medo que o animal volte, já que ainda não foi capturado”, lamentou.
 
A tenente, Liliane Bezerra, do Batalhão de Polícia Ambiental de Teresina, revelou que os militares nunca tiveram tanto trabalho para apreender um primata.
 
“Todas as vezes que trabalhamos na captura deste tipo de animal, sempre usamos armadilhas, mas este animal consegue comer o alimento deixado no equipamento sem dispará-lo. Elas continuam montadas em três casas”, disse Liliane.
 
Na residência onde trabalha a empregada doméstica Maura Gomes o animal quebrou telhas e desmontou a armadilha montada pela polícia ambiental.
 
“Ele entrou na armadilha e segurou o local onde ela dispara, pegou a banana e ficou comendo o fruto em cima dela. Depois que viu que tentamos pegá-lo jogou o equipamento no chão com bastante agressividade”, disse Maura Gomes.
 
O caseiro Nelson Moraes disse que o animal também 'visitou' a casa onde ele trabalha e causou um grande susto. "Pensei que fosse um ladrão, ele quebrou telhas e pegou umas mangas para comer. Agora vou ficar esperando ele voltar para pegar e entregar para a polícia", falou Nelson.
 
Ainda de acordo com a tenente Liliane, o animal não faz parte da fauna criada no Parque Zoobotânico. “Este macaco é provavelmente um animal criado em cativeiro e que foi solto por alguém dentro do parque, de onde saiu para as casas vizinhas em busca de alimento. Mesmo porque o natural seria ele procurar alimento na mata e não dentro das casas, onde ele poder ser visto sempre nos horários do café da manhã, almoço e jantar”, explicou Liliane.
 
Segundo o veterinário do Parque Zoobotânico Alexandre Clark, o animal é um macaco-prego, macho e já na idade adulta. “A agressividade é característica deste animal nesta fase em que começa o acasalamento. Posso garantir que ele não é do zoobotânico, porque lá fazemos a contagem diariamente nos recintos e não está faltando nenhum animal. Esse também contém marcas na barriga que indicam que ele antes estava acorrentado ou com uma coleira utilizada por pessoas que criam esses bichos em cativeiro”, ressaltou Alexandre.
 
O veterinário Alexandre orienta ainda que as pessoas não devem se aproximar do animal e afirma que quem cria ilegalmente animais silvestres deve entregar para Polícia Militar Ambiental ou diretamente ao Parque Zoobotânico.
 
Até às 12h desta sexta-feira (29) o macaco-prego ainda não havia sido capturado pelos militares da Polícia Militar Ambiental e veterinários do Parque.

Fonte: http://g1.globo.com/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...