O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Fraudes

Boletos fraudados

Para diminuir danos, o ideal é apostar em boletos registrados

Para diminuir danos, o ideal é apostar em boletos registrados

“Em um condomínio não muito distante de você, havia um morador que pagava sempre em dia suas taxas condominiais. Rodrigo nunca deixava nenhum boleto vencer, pois sabia da importância da pontualidade dos pagamentos para o condomínio.

Certo dia, Rodrigo desceu da sua unidade no horário da assembleia. Qual foi sua surpresa ao notar que seu nome estava incluso na lista dos inadimplentes!! Ele ainda não sabia, mas havia pago um boleto fraudado há alguns meses, e não pôde participar da reunião aquele dia”.

A história acima parece ser ficção, mas pode virar realidade para você, ou para alguém do seu condomínio, caso o empreendimento esteja na mira de fraudadores de boleto.

Importante ressaltar que, na prática, não são apenas os moradores de condomínios as vítimas desse tipo de crime. De planos de saúde à escolas, qualquer conta paga por boleto pode, em algum momento, ser adulterada.

“Aqui tivemos problemas pontuais que melhoraram bastante com a divulgação de alguns cuidados para evitar esse tipo de situação”, explica Gabriel Karpat, diretor da administradora GK.

Apesar de apresentar um percentual pequeno de boletos fraudados, as administradoras entendem esse problema como bastante significativo, uma vez que os moradores pagaram o condomínio, só que não para a pessoa correta.

Tipos de fraude e prevenção

Para Calos Cêra, co-fundador da Superlógica, empresa cujo sistema de gestão é utilizado por mais de mil administradoras no país, a fraude mais comum de boletos é causada por um vírus, que se instala no computador de quem paga os boletos. 

Ao baixar o arquivo, o vírus altera o código numérico e a pessoa acaba pagando para os fraudadores.

“Esse vírus é algo muito cruel, pois coloca o condômino contra a administradora. Até descobrirmos que é esse o problema, é difícil ajudar, pois o condômino acha que pagou, e a administradora não acusa o recebimento”, explica Carlos.

Gabriel Karpat conseguiu diminuir bastante os números de boletos fraudados em sua administradora optando por enviar os mesmos por malote até o local.

“Nos condomínios onde fazemos isso, conseguimos zerar a fraude”, explica.

Outras sugestões de segurança para quem está pagando boletos é trabalhar com débito automático ou DDA (Débito Direto Autorizado), caso o seu banco ofereça essas possibilidades.

Seja de um jeito ou de outro, quem paga um boleto fraudado tem direito a ser restituído pelo banco, como explica Carlos, da Superlógica.

“Conseguimos ajudar todos os clientes que pagaram boletos fraudados. Nesses casos, a pessoa deve entrar em contato com o gerente do banco e pedir a restituição do valor. O estorno é longo e demora cerca de três meses. Dá trabalho, mas é possível sim. E temos que cobrar dos bancos essa segurança”, argumenta Carlos.

Mais segurança

Justamente devido a essa insegurança tremenda, a partir de janeiro de 2017 todos os boletos serão registrados, de acordo com o comunicado 15/2015 da Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

“Hoje em dia funciona da seguinte maneira: o condomínio vai até o banco. Contrata uma cobrança, e o condomínio faz a impressão e a remessa dos boletos. O banco só sabe da existência do boleto quando o mesmo é compensado”, esclarece Walter Farias, diretor de operações da Febraban.

Com os boletos registrados, o banco consegue acompanhar de perto quem fez o pagamento e vai ficar muito mais difícil fraudar esse tipo de documento, promete Walter.

“Para realizar o registro, os condomínios devem passar as seguintes informações para a administradora (caso haja) ou para o banco: o nome completo do pagador, CPF ou CNPJ, o valor do pagamento e a data de vencimento”, enumera.

Preço

Por se tratar de algo mais seguro e rastreável, o esperado é que esse tipo de pagamento seja mais caro.

O representante da Febraban, porém, afirmou que “historicamente, a cobrança com registro é mais barata do que a sem registro”. Ele explicou que o que pode encarecer os serviços financeiros pagos pelo condomínio são os “extras” como serviço de protesto, controle gerencial do condomínio, entre outros.

Mas não é esse o entendimento do mercado. 

“O boleto registrado é mais custoso, mas evita os aborrecimentos com fraudes, o que já é bem interessante. Nossa ideia é cadastrar 100% da nossa base de clientes até o meio do ano”, aponta Gabriel Karpat.

“Por mais que seja algo a mais para a administradora fazer, e que deve custar um pouco a mais, é algo que vai valer muito a pena, pois vai dar mais segurança para os moradores na hora de pagar o condomínio”, argumenta Vania dal Maso, gerente de condomínios da administradora ItaBR.

Responsabilidade

A grande pergunta quando se trata de boletos fraudados é essa: de quem é a responsabilidade em arcar com o prejuízo?

A pergunta é polêmica e não encontra apenas uma resposta entre os consultados. Para Omar Anauate, diretor de condomínios da AABIC (Associação das Administradoras de Condomínio), o morador que não está com seu antivírus em dia pode ser responsabilizado pelo pagamento incorreto do boleto, mas esse não é o entendimento, por exemplo, de Carlos Cêra, da Superlógica, como já enumerado acima.

Para muitos, o ideal é que os bancos se encarreguem desse ônus, uma vez que é no ambiente bancário que as fraudes acontecem.

“São diversas as formas de fraudar moradores de condomínio. Fica difícil apontar o responsável por todas as falhas que existem. Mas, sim, os bancos podem ajudar mais nesse sentido”, aponta Gabriel de Souza, diretor da administradora Prop Starter.

Dicas de prevenção

Apesar de acreditarmos que quem paga uma conta está fazendo isso de boa fé – e, portanto, não deve ser responsabilizado por eventuais erros e fraudes que eventualmente ocorram – é sempre bom ficar de olhos bem abertos.

Veja abaixo dez dicas da Febraban para evitar o pagamento de boletos fraudados:

  1. Conheça suas despesas e acompanhe o pagamento delas no extrato do seu banco;
  2. Preste atenção no modelo do boleto enviado pelo emissor da cobrança, se for diferente, desconfie;
  3. Boletos fraudados costumam apresentar falhas: erros de português, impressões de má qualidade, papel diferente e ainda logomarca distorcida;
  4. Ao receber um boleto, sempre confira os dados do beneficiário como nome da empresa emissora do boleto, agência e banco;
  5. Se precisar de novo boleto utilize o site do próprio banco emissor para gerar a 2ª via. Evite sites que aparecem nos buscadores;
  6. Mantenha seu antivírus sempre atualizado. Ele garante a proteção do seu computador contra vírus que podem modificar boletos, detectando-o no ato da infecção e impedindo-o de agir; 
  7. Ao gerar um boleto pela internet opte, sempre que possível, por boletos no formato "PDF imagem", eles são mais seguros contra vírus;
  8. Caso desconfie de alguma informação no boleto, entre em contato com o cedente da cobrança e faça a checagem dos dados antes do pagamento;
  9. Os três primeiros dígitos do código de barras sempre indicam o banco emissor do boleto. Ao emitir a 2ª via, certifique-se que o código do banco é o mesmo da via original. Se for diferente, não utilize esse boleto para pagamento.
  10. Usuários podem pagar os boletos pelos canais oficiais dos bancos, que são: site do banco (internet banking), caixa eletrônico, banco por telefone, banco no celular (aplicativo do banco), agência bancária, correspondente e pelo DDA – Débito Direto Autorizado- DDA.

Exemplo de boleto fraudado

Outras dicas dos nossos especialistas

  • Prefira sempre pagar do seu computador, evitando o uso de wifi público e de computadores compartilhados, como em lan houses.
  • Caso perceba que o boleto chegou adulterado a sua casa, o ideal é sempre ligar para a sua administradora e checar o código de barras, evitando assim o pagamento do boleto.
  • Se o seu computador estiver infectado (algumas empresas, como a Superlógica, fazem testes profiláticos a esse respeito), o ideal é levá-lo para um especialista, já que apenas um antivírus comum pode não ser suficiente.

Cartaz

Veja e baixe aqui um cartaz que serve de orientação para todos no seu condomínio. Assim, a proteção contra boletos fraudados fica ainda maior.

Fontes consultadas: Gabriel Karpat, diretor da administradora GK, Calos Cêra, co-fundador da Superlógica, Walter Farias, diretor de operações da Febraban, Rosely Schwartz, especialista em condomínios, Vania Dal Maso, gerente de condomínios da administradora ItaBR, Gabriel de Souza, diretor da administradora Prop Starter, Angelica Arbex, gerente de marketing da administradora Lello, OMar Aanaute, diretor de condomínios da AAbic

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...