O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Inadimplência

Cobrança de inadimplentes

Advogado mostra como deve ser feita a ação contra devedores

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Advogado de Direito Imobiliário explica como cobrar moradores que não querem pagar o condomínio

Desta forma, a falta de pagamento da contribuição condominial pode gerar grandes prejuízos e sujeitar o condômino inadimplente a sanções legais.

Condomínio significa propriedade comum, um conjunto de direitos e obrigações vinculados à propriedade exclusiva de uma ou mais unidades – apartamentos, casas, lojas, salas, lotes, entre outros –, em um mesmo prédio ou terreno, em copropriedade com outras pessoas.

A fim fazer a manutenção do espaço, é estipulada uma contribuição – geralmente, denominada taxa –, que se destina, entre outros, à limpeza e pagamento de funcionários.

Desta forma, a falta de pagamento da contribuição condominial pode gerar grandes prejuízos e sujeitar o condômino inadimplente a sanções legais.

De acordo com diretor executivo do escritório de representação da Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH) em Rondônia, José Carlos Lino Costa, o Código Civil Brasileiro prevê que o condômino que não quitar a sua quota-parte das despesas condominiais ficará sujeito a pagar multa e juros.

“Além de ser proibido de participar e votar nas assembleias do condomínio, conforme artigo 1.335, inciso III”, acrescenta.

Quando o assunto é a dívida, outra dúvida surge: além das sanções previstas no Código Civil, o condômino inadimplente poderia ser proibido de utilizar as áreas comuns – área de lazer, churrasqueira, elevador, entre outros – do residencial, também como forma de punição pelo não pagamento das obrigações condominiais?

“Segundo recente entendimento do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, a resposta é negativa”, esclarece o advogado.

Como exemplo, ele cita que, em decisão do primeiro semestre desse ano (Apelação Cível nº 1.0024.12.107675-6/001), o condomínio que vedou o acesso de condômino inadimplente às áreas de lazer do residencial foi condenado ao pagamento de indenização por danos morais, no montante de R$ 15.760.

“Segundo o tribunal mineiro, proibir a utilização e o acesso às áreas comuns (seja ela de uso essencial, recreativo, social ou lazer) significa limitar o direito de propriedade do condômino e expor ostensivamente sua inadimplência aos demais condôminos, ferindo o princípio da dignidade humana”, explica o diretor da ABMH.

Sendo assim, a partir do primeiro mês de atraso, como forma de receber a taxa em atraso de forma mais rápida e de maneira legal – sem proibir o condômino de usufruir a sua propriedade –, o condomínio poderá optar pela execução do débito.

“E, ou, pela negativação do nome do devedor, através do protesto da dívida, já que desde o ano de 2016 as dívidas condominiais são consideradas títulos executivos, conforme o preceitua o atual Código de Processo Civil.”

De acordo com José Costa, esse procedimento poderá trazer graves prejuízos ao proprietário inadimplente.

“Uma vez que terá seu nome inscrito nos cadastros de inadimplentes e seu imóvel poderá ser penhorado e levado a leilão, já que o bem responde pela dívida, detalhe importante que a maioria dos condôminos inadimplentes não observa.”

A dica aos condomínios é propor as medidas, inclusive judiciais, o mais breve o possível, evitando que o débito se acumule e inviabilize a administração do empreendimento.

“Vale o ditado: O Direito não socorre aos que dormem. Quanto aos condôminos, a orientação é procurar o síndico ou a administradora do condomínio e fazer o acordo o mais rápido possível, pois quanto mais a dívida se acumula, mais difícil se torna o pagamento, e mais real se torna o risco de perder o imóvel em leilão”, aconselha o diretor da ABMH.

Fonte: http://www.onortao.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...