O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Fernando Augusto Zito

Novo CPC

Entenda quais são as ferramentas de defesa do devedor

 Por Fernando Augusto Zito*

O artigo 917, do Novo Código de Processo Civil, traz um rol taxativo das matérias de defesa do executado via embargos, repetindo a mesma ideia do atual Código, com mudanças pontuais.

É claro que com a cobrança da despesa condominial pelo processo de execução, limita-se o direito de defesa do executado, em comparação com aquela defesa na fase de conhecimento do procedimento atual, onde não há nenhuma limitação quanto à matéria de defesa, sendo ainda muito mais amplo o pode probatório.

Na execução da despesa condominial, por exemplo, o executado terá que depositar o valor em juízo ou oferecer o imóvel para obter o efeito suspensivo nos embargos. 

Ou seja, diferente do atual Código de Processo Civil, onde o devedor resiste a fase de conhecimento, deduzindo defesa meramente protelatória, na cobrança da despesa condominial pela execução, frente ao Novo Código de Processo Civil, ele é forçado, caso queira suspender o curso da ação executiva, de se prontificar a pagar ou oferecer caução ou penhora suficientes.

Grande celeuma será sobre a possibilidade ou não da exceção de pré-executividade no Novo Código.

 O artigo 803 do novo CPC a respeito de ser nula a execução, apresenta pequena novidade. O referido artigo disciplina as hipóteses em que a execução padece de vício grave. Os três incisos mantêm, basicamente, as mesmas disposições anteriores do CPC/73. O parágrafo único acrescenta que tais matérias podem ser analisadas de ofício pelo magistrado ou mesmo alegadas por qualquer das partes por meio de simples petição, independentemente de oferecimento de embargos a execução.

Certamente serão as questões acima nominadas como exceção de pré-executividade.

Destacamos ainda que existe benefício para o devedor da cota condominial com a nova forma de cobrança pela via executiva, eis que existirá a possibilidade de requerer o parcelamento do débito, conforme artigo 745-A, do CPC/1973, ora repetido pelo artigo 916, do Novo Código de Processo Civil (lei 13.105/15).

O Autor é Advogado militante na área de Direito Civil; Especialista em Direito Condominial; Pós-Graduado em Direito Tributário pela PUC/SP; Pós-Graduado em Processo Civil pela PUC/SP; Diretor Jurídico da Assosindicos - Associação de Síndicos de Condomínios Residenciais e Comerciais do Estado de São Paulo; Colunista dos sites especializados “Sindiconet” e “Em Condomínios” e Palestrante.

 
 

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...