O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Administração

Obras emergenciais

Moradores de prédio evacuado não sabem quando voltarão para casa

Publicado em: segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Prédio na zona oeste de SP pode ficar interditado por 40 dias

 
Os moradores do edifício Ivany, na Vila Olímpia, desocupado na quinta-feira, dia 13, após estalos e tremores, poderão demorar até mais de 40 dias para voltar para suas casas.
 
Anteontem, o coronel Jair Paca de Lima, da Defesa Civil, havia dito que a interdição levaria de oito a dez dias, mas a perspectiva mudou.
 
"A estimativa é de que as obras emergenciais sejam concluídas entre 15 e 40 dias", informou, por meio de nota, a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras.
 
As obras emergenciais --basicamente, o reforço dos pilares do subsolo-- começaram ontem. Após o término das obras, o hospital São Luiz terá de apresentar laudos que comprovem a segurança do prédio, que será vistoriado.
 

VIDA NO HOTEL

 
A maioria dos cerca de 80 moradores do prédio foi para a casa de parentes e amigos, mas parte deles aceitou a hospedagem em hotéis da região paga pelo São Luiz --o hospital não disse quantos.
 
Um deles é a corretora de imóveis, Claudia Bipphi, 51, que está hospedada em um hotel a cerca de 100 metros do prédio, com o marido e dois filhos em dois quartos.
 
"O transtorno é não ter suas coisas e não saber se a gente vai poder voltar para o prédio", disse Claudia, que não trabalhou nos últimos dois dias e teve de comprar roupas para o marido trabalhar e os filhos irem à faculdade.
 
Ontem, ela e outros moradores voltaram ao prédio para pegar mais pertences, inclusive documentos. A entrada era liberada pela Defesa Civil, mas o tempo de permanência era curto --no caso dela, de apenas cinco minutos.
 
Como ela, outros saíram anteontem do prédio levando pouca coisa.
 
"Não peguei nada. Tive que me trocar na rua e, quando cheguei ao trabalho, levei bronca porque não fiz a barba, mas não contei o que aconteceu. Fiquei com vergonha", diz Victor Pedro Loiola Anunciato, 17.
 
Sua mãe, a consultora de vendas Patrícia Otero Loyolla, 42, que foi para o hotel com o filho e a mãe, não trabalhou nos últimos dois dias e disse ter conseguido pegar roupas apenas para quatro dias.
 
"Estamos todos perdidos. Ninguém sabe o que vai fazer", diz a moradora.
 
Segundo moradores, o hospital paga as diárias, mas não cobre outras despesas, como alimentação e lavanderia.
 

CASA DE PARENTES

 
Um dos moradores que preferiram ir para a casa de parentes e amigos foi a professora aposentada Maria de Lourdes Dower Nassar, 71, que irá morar provisoriamente com o irmão, Edson Dower, 73.
 
"Estou nervosa, mas não é para menos. Não sei quando poderei voltar", disse.

Fonte: http://www.jornalfloripa.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...