O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Convivência

Problemas de convivência

Morador é acusado de matar e esquartejar zelador desaparecido

Publicado em: terça-feira, 3 de junho de 2014

Corpo de zelador desaparecido em SP é encontrado esquartejado no litoral

Corpo foi colocado dentro de uma mala e levado para Praia Grande. Segundo a polícia, publicitário confessou o crime.
 
O corpo do zelador Jezi Lopes de Souza, de 63 anos, foi encontrado esquartejado em uma casa de Praia Grande, no litoral de São Paulo, nesta segunda-feira (2). Jezi havia desaparecido na sexta-feira (31) na capital paulista. O imóvel onde o corpo foi localizado fica na Avenida César Rodrigues Reis, no bairro Balneário Maracanã. No local, policiais civis prenderam o publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, de 47 anos, por suspeita de matar o zelador. A mulher dele, uma advogada de 42, também foi detida.
 
De acordo com a polícia, o publicitário confessou o crime e disse que a motivação foram desavenças que tinha com a vítima. Ele e a mulher foram levados para o 13º Distrito Policial de São Paulo, na Zona Norte. O casal chegou por volta das 18h e não falou com a imprensa.
 
Segundo o Radar SP, da TV Globo, o casal morava no prédio onde Souza trabalhava. De acordo com policiais, o publicitário matou o zelador, colocou o corpo dele dentro de uma mala e fugiu para Praia Grande.
 
Ainda segundo a polícia, o suspeito teria esquartejado o corpo do zelador já no litoral paulista, com um serrote encontrado na casa. Ele teria espalhado partes do corpo pela casa, em sacos plásticos. Outras ele teria queimado em uma churrasqueira e algumas, enterrado. O publicitário também teria jogado cal nos restos mortais, para evitar o mau cheiro.
 
Segundo o delegado Rafael Vallejo Fagundes, do 13º Distrito Policial de São Paulo, a casa pertence ao pai de Eduardo. "O encontramos na frente da casa, ateando fogo em alguns pedaços que não tínhamos identificado ainda. Ele nos deixou entrar e confessou o crime. Só ele estava na casa no momento. Ele nos contou todo o modus operandi, mas não soube explicar direito os motivos. Segundo ele, supostamente o zelador teria ameaçado o filho dele. Agora vamos continuar investigando para saber a real motivação e a participação da mulher dele", diz o delegado. O Instituto de Criminalística de Praia Grande foi acionado para examinar a casa.
 
De acordo com o Radar SP, da TV Globo, o casal morava no prédio onde Jezi trabalhava. A família do zelador desconfiava que o publicitário e sua mulher estavam envolvidos no seu desaparecimento. A vítima, que trabalhava no prédio havia cinco anos, teria se desentendido com o casal.
 
Imagens do desaparecido
 
Jezi foi visto pela última vez às 15h35 saindo do elevador no edifício residencial onde trabalhava, na Rua Zanzibar, na Casa Verde, Zona Norte de São Paulo. Imagens de câmeras de segurança do condomínio, exibidas nesta segunda-feira (2) pelo Bom Dia São Paulo, mostram o momento em que ele deixa o elevador num dos andares levando correspondências que seriam entregues aos moradores. Depois disso, o circuito interno não mostra mais Jezi retornando ao elevador.
 
Outras 15 câmeras também não registraram a passagem dele pelas escadas. Todos os equipamentos funcionam 24 horas por dia gravando quem entra e sai do prédio. Ao todo, o edifício tem 22 andares. Só na frente do imóvel, há três câmeras, e em nenhum momento os equipamentos registraram o zelador deixando o local.
 
De acordo com o registro policial, a filha de Jezi, a supervisora Sheyla Viana de Souza, de 27 anos, relatou que um dos moradores tinha “problemas de relacionamento” com seu pai.  Ela também informou que uma moradora lhe contou ter “ouvido gritos de discussão, pedindo para parar, e ao olhar pelo olho mágico do apartamento teria visto o morador do (...) fechando a porta.”
 
Esse episódio ocorreu em horário compatível com a última vez que o zelador foi visto deixando o elevador. Além da família do zelador, policiais militares e funcionários do prédio vasculharam todo o edifício e não encontraram Jezi.
 
Imagens de moradores
 
Sheyla, o namorado dela e um policial militar, que vasculharam o prédio em busca do zelador, também informaram que por volta das 17h50 de sexta as câmeras do prédio gravaram o morador, que teria “problemas” com Jezi e que foi visto por uma vizinha fechando a porta após “gritos”, entrando no elevador “arrastando uma mala escura e carregando um saco, ambos de grande porte, que demonstraram estar bem pesados, levando-se em consideração a dificuldade de (...) ao arrastá-los”.
 
Em seguida, os três relataram que o morador desceu até a garagem e, pelas imagens, a mulher dele o ajuda a colocar a bagagem e o saco no carro do casal. Os dois moradores saem com o veículo e retornam, mas o horário não é informado no boletim. Esse vídeo não foi divulgado.
 
Sábado
 
Depois, no sábado, quando a família registrou o desaparecimento de Jezi, policiais militares foram até a residência do casal de moradores do prédio, onde o homem contou que “já havia discutido diversas vezes com Jezi, mas que ontem [sexta-feira] nada havia acontecido”.
 
Os policiais vasculharam o local e encontraram mala e sacos similares aos exibidos pela gravação do prédio. Mas verificaram que dentro deles havia roupas e tênis. Depois, desceram com a mulher até o estacionamento e verificaram que dentro do automóvel do casal estava uma mala parecida com as da filmagem. Mas dentro delas também só tinham roupas.
 
Indagados pelos policiais, os dois moradores contaram que tinham ido levar as roupas para uma igreja, mas retornaram porque ela estava fechada no dia. Os policiais informaram no boletim que “não visualizaram nenhum sinal de violência no apartamento do casal ou no veículo”.

Fonte: http://g1.globo.com/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...