O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Jurídico

Questão jurídica

Em Maceió, Câmara debate diferenças entre associações e condomínios

Publicado em: segunda-feira, 2 de setembro de 2013

 Câmara discute impasse de acessibilidade em loteamentos

A Câmara Municipal de Maceió realizou na manhã desta sexta-feira (30) uma audiência pública para debater a acessibilidade dos condomínios e loteamentos. A audiência aconteceu a pedido do vereador Galba Netto (PMDB) e pretende elaborar um projeto de lei com normas para evitar que determinados loteamentos instalem portarias ou edifiquem muros isolando uma localidade pública.
 
De acordo com o vereador, o que leva algumas associações de bairros a montarem tais “barreiras” seria a falta de segurança. "Precisamos regulamentar a situação dos condomínios.
 
Vamos discutir aqui e chegar a um denominador comum", propôs o vereador. Seguindo o raciocínio de Galba, o vereador Zé Márcio (PSD) ressaltou o medo da violência e lamentou o fato da população ter que se “enclausurar” em condomínios fechados para se proteger de bandidos.
 
Para discutir o assunto, a sessão contou com a presença de Claudison Sampaio, membro da Comissão de Acessibilidade da Superintendência Municipal de Controle do Convívio Urbano (SMCCU) e Inaldo Medeiros, morador do Loteamento Sauaçuhy. Durante a oportunidade, o morador afirmou que a ineficiência da polícia é o principal motivo para o fechamento dos residenciais. De acordo com dados da SMCCU, a cidade possui mais de 70 condomínios irregulares.
 
Os muros e as portarias instaladas em diversos bairros de Maceió são um problema antigo da capital alagoana e que impedem a livre circulação das pessoas em espaço originalmente públicos. O assunto já foi levantado como pauta outras vezes na Casa de Mário Guimarães e até o momento não existe uma definição sobre o tema. A ação é contrária à determinação do Código de Posturas do Município de Maceió e o Código Civil, presente no Artigo 99, inciso I, que determina o livre acesso da população a qualquer bem público. Muito desses lugares possuem, inclusive, cobrança indevida para a manutenção das guaritas e cercados.
 
“Estamos aqui discutindo questões antagônicas do ponto de vista socioeconomico e lamento a ausência do Ministério Público nessa audiência. Venho aqui reportar pelo Jardim Petrópolis 1, onde moro há 16 anos e digo que essas associações perderam o foco social e hoje em dia possuem um interesse mercantilista”, denuncia Jorge Fernandes, um dos moradores presentes na audiência. Ele reclama dos preços abusivos cobrados pelas associações para a manutenção da segurança.
 
Outro morador do loteamento, Miguel Rocha, concordou com o companheiro e se posicionou contra a formação das associações. “Elas não têm o direito de cobrar nada a ninguém”, pontuou.
 
Já para Nelson Miranda, morador do Recanto da Serraria I, o que ocorre é uma confusão entre condomínio e associação. Ele disse que as associações podem sim trazer melhorias para a comunidade e não somente visar ao lucro, mas que para isso deve haver uma adequação.
 
Os vereadores ouviram também denúncias dos moradores que relataram uma “pressão” para o pagamento das taxas. Alguns deles chegaram a vender suas casas por não conseguirem pagar os valores estipulados pelo serviço.
 
A audiência deve prosseguir durante a tarde de hoje. De acordo com Galba Netto, o objetivo da sessão é que ao fim do dia haja um senso comum que privilegie à maioria da população.

 

Fonte: http://www.alagoas24horas.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...