O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Inadimplência

Inadimplência em alta

Em alguns condomínios no MT, falta de pagamentos chega a 30%

Publicado em: segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Inadimplência de taxas chega a 30% em condomínios

Além da inadimplência, conflito de relacionamento entre moradores é um dos problemas encontrados nos residenciais
 
Um condomínio, seja ele residencial ou comercial, possui demandas das mais variadas naturezas, de modo a manter uma qualidade de vida satisfatória para seus moradores. Dessa maneira, a figura do síndico tem papel fundamental para que esses serviços possam ser realizados, cabendo a ele também administrar os recursos disponíveis e os problemas que eventualmente podem prejudicar essa gestão, como a inadimplência dos residentes desses espaços.
 
Para o gerente executivo do Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Residenciais, Comerciais e Condomínios de Cuiabá e Várzea Grande (Secovi-MT), Ubirajara Souto, o síndico precisa estar preparado para entender o desafio e a complexidade da administração de um condomínio, ao mesmo tempo que lida com os eventuais problemas que surgem, como a inadimplência e os conflitos de relacionamento entre os moradores.
 
“Muitas vezes o síndico quer fazer tudo sozinho, ao invés de ter um profissional ou uma empresa qualificada para fazer um serviço”, ressalta ele.
 
De acordo com Ubirajara, Cuiabá e Várzea Grande têm juntas 718 condomínios, entre residenciais e comerciais e, até 2016, há previsão para as ambas terem em torno de mil conjuntos. As projeções têm respaldo na participação do crédito imobiliário no PIB brasileiro. Dados da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) apontam que, em quatro anos, mais de R$ 600 bilhões serão investidos nesses financiamentos, correspondendo a quase 10% do Produto Interno Bruto.
 
O gerente executivo da Secovi lamenta, no entanto, a baixa adesão dos moradores nas assembleias e reuniões condominiais. Em muitas delas, segundo ele, os participantes acabam deixando de lado questões coletivas para se concentrar em disputas pessoais, fazendo com que, algumas vezes, o síndico sinta-se desmotivado a assumir essa tarefa, uma vez que disputas jurídicas relativas ao condomínio também são de sua responsabilidade.
 
“Além de tratar de problemas pessoais, que não são de sua alçada, o síndico responde juridicamente pelo condomínio, como em relação a recolhimento do INSS dos funcionários”, afirma ele.
 

Fonte: http://www.circuitomt.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...