O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Manutenção

Sem melhoria

Prédio que explodiu no RJ há um ano segue fechado para condôminos

Publicado em: quarta-feira, 17 de outubro de 2012

 Um ano depois de explosão, prédio no centro do Rio continua interditado

As 150 salas comerciais do prédio estão sem água, sem luz e interditadas
 
Um ano depois da explosão do restaurante Filé Carioca , no centro do Rio de Janeiro, que ocupava o andar térreo do Edifício Riqueza, os moradores cobram agilidade por parte das autoridades para que possam entrar no prédio e retomar a rotina. 
 
No dia 13 de outubro de 2011, uma explosão causada por um escapamento de gás causou a morte de quatro pessoas e deixou 16 feridas. As 150 salas comerciais do prédio estão sem água, sem luz e interditadas. O uso de qualquer tipo de armazenamento de gás no local era proibido, mas os bombeiros encontram no restaurante cilindros industriais.
 
O Papai Noel Enok Pinheiro explica que a sala onde funcionava a Escola de Papai Noel não oferece segurança para o trabalho.
 
“Estamos protestando para tentar reabrir a nossa casa, tendo que nos reunir na rua. Nossa sala está quebrada, não tem como vir, não há segurança”.
 
De acordo com ele, o prédio todo está interditado, apesar de haver movimento em alguns andares. “A nossa casa é aqui e estamos impedidos de entrar, pagando imposto, IPTU, tudo que tem direito, sem poder usar, tá tudo quebrado. O prédio está interditado, ninguém sai e ninguém entra, mas tem gente morando precariamente aí”.
 
Cristiane Garcia trabalhava em um salão no prédio e diz que ficou dois meses sem emprego, depois da explosão. Além disso, ela denuncia que não recebeu nenhum benefício dos seguros que tinha.
 
“Eu tinha duas seguradoras particulares e até agora não me pagaram nada. Eles exigem uma nota de obra dentro das salas para fazer o pagamento. Mas como vou fazer obra nas salas se a gente não pode utilizar o prédio? Exigem coisas que não tem como a gente fazer. Pedem um documento, você entrega, passa 30 dias e eles pedem outro documento e por aí vai. Nessa paralisação eu fiquei até agora sem receber nada”.
 
“A gente já está com outro local para trabalhar, mas o prédio aqui, até agora nada. Tem gente que tinha movimento de R$ 1 mil, R$ 1,5 mil por dia e agora está dentro de casa. Nem nosso material a gente conseguiu tirar. Do segundo andar eu ainda tirei, mas e do décimo andar? Como vou tirar material, balcão, sem elevador? E o responsável pelo restaurante até agora nada, não deu nada para ele”. De acordo com ela, o prédio já recebeu o seguro, mas a obra está totalmente paralisada.
 
O síndico do edifício, José Carlos Nascimento, informou que as obras de estrutura estão quase concluídas. “Até o fim do ano, no máximo, acho que as obras estarão prontas e os condôminos poderão voltar a utilizar suas salas”, acrescentou.
 
O subsecretário da Defesa Civil municipal, Márcio Motta, explicou que a administração do edifício é responsável pela obra. “Fomos nós que interditamos o edifício, mas já existe um responsável técnico pela obra, designado pelo síndico e essa responsabilidade já não nos compete”, informou.
 
O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ), Agostinho Guerreiro, informou que a lei permite ao Crea apenas fazer a fiscalização do exercício profissional. “Não fiscalizamos as obras em si, infelizmente. A Defesa Civil não precisa acompanhar se existe uma empresa responsável pela obra, mas qualquer cidadão pode solicitar a fiscalização do Poder Público se perceber alguma rachadura ou irregularidade em qualquer obra”, comentou.
 
A assessoria de comunicação da prefeitura informou que o prefeito Eduardo Paes enviou em abril à Câmara o Projeto de Lei Nº 1.356/2012, que propõe isenção da taxa do IPTU e de Coleta Domiciliar deste ano para todos os imóveis do Edifício Riqueza. Segundo a prefeitura, o valor da renúncia será proximadamente R$ 86 mil.
 
O projeto já recebeu parecer positivo da Comissão de Justiça e Redação, de Administração e Assuntos Ligados ao Servidor Público e está agora na Comissão de Assuntos Urbanos. O texto ainda precisa ser aprovado pela Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização Financeira para ir a plenário. O processo sobre a explosão do restaurante tramita na 19ª Vara Criminal do Rio. Ao todo, dez réus estão sendo julgados.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...