O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Manutenção

Obra abandonada

Prédios inacabados em São Paulo geram vandalismo e insegurança

Publicado em: segunda-feira, 6 de agosto de 2012

 Obra parada frustra vizinhos em Arthur Alvim

Condomínio inacabado há 24 anos atrai mendigos e usuários de drogas. Vizinhança sofre com o vandalismo 

Os moradores do Conjunto Habitacional Padre Manoel da Nóbrega, em Arthur Alvim, na Zona Leste da capital, estão preocupados com a situação de dois prédios que tiveram suas obras interrompidas pela Cohab-SP (Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo) há 24 anos. Eles relatam que o abandono da obra atrai moradores de rua e  dependentes químicos. Por conta disso, há vários casos de  vandalismo. 
 
“Eu estava sentada no sofá do meu apartamento quando jogaram uma pedra. Ela quebrou o vidro e acertou o meu pé.  Foi assustador”, relembra Vânia Lúcia Pereira. O prédio onde ela mora há 28 anos fica bem ao lado da construção abandonada de três andares. Entre os condomínios há apenas  um muro.
 
Na parte interna e externa do conjunto  há pichações. Cobertores, roupas, cigarros, isqueiros e até remédios estão espalhados pelos cômodos. Diferentemente dos 209 edifícios vizinhos, o Condomínio 1-B, como deveria ser chamado caso as obras tivessem sido concluídas, teve os trabalhos paralisados em 1988, um ano depois do início da construção.
 
A reportagem flagrou ao menos três moradores de rua no local. Um se identificou como Bahia, de 38 anos. Ele admitiu ser dependente químico. Bahia revirava o lixo dos condomínios habitados. Ele confirmou que mora, há três anos, em um dos “apartamentos” degradados. E disse, sem nenhum problema, que não está sozinho. “Tem uns nove (moradores) lá dentro.  Aqui um cuida do outro”, disse. Depois de circular por outras lixeiras, Bahia voltou para o prédio com três sacos plásticos cheios a tiracolo.  Um segurança terceirizado da Cohab-SP afirmou à reportagem que não tem como impedir as invasões por medo de sofrer represálias.
 
Longa espera
O professor Reginaldo Mariano de Paula conta que só recentemente  foram enviados “guardas” privados  para o local. “Nós ficamos preocupados. Nos 32 anos que moro aqui , presenciei diversas situaçõe e os vizinhos também . Os imóveis  sendo usado para guardar produtos roubados, cenas obscenas, vandalismo. No Ano Novo eles chegaram a fazer festas regadas a bebida e sexo.” Indignado, organizou, no ano passado, um terceiro abaixo-assinado para solicitar a demolição dos prédios. Só conseguiu entregar o documento recentemente.
 
“A Cohab demorou um ano para nos atender. O que acontece aqui é um  problema social que precisa ser resolvido. É dinheiro público jogado no lixo”, afirma. Segundo o professor, o terreno poderia ser transformado em uma área de lazer para os jovens e idosos  ou em uma creche, melhorias necessárias para o bairro. 
 
Problemas técnicos e estruturais pararam a obra
A Sehab (Secretaria Municipal de Habitação) informou que as obras pararam por problemas técnicos e estruturais.  A área chegou a ser doada para uma entidade construir uma quadra, mas nada foi feito e houve a reintegração de posse em 2008.  A Sehab ainda afirmou que não há pessoas morando nos prédios, mesmo após o flagrante da reportagem. 
 
Licitação para a demolição será aberta este mês
Ainda este mês, uma licitação para a demolição dos prédios deve ser aberta, com conclusão prevista para  junho de 2013.  A Sehab não soube dizer o custo dos dois prédios, alegando  faziam parte do custo de todo o conjunto habitacional.

Fonte: http://diariosp.com.br

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...