O seu navegador é muito antigo :-(

Dica: Troque gratuitamente para um navegador mais atual para ter uma melhor experiência no SíndicoNet ;-)

Escolha um navegador ×
Obrigações

Novas regras

Seguros de condomínios se expande 130% em oito anos

Publicado em: terça-feira, 19 de junho de 2012

 Seguro-condomínio ganha novo fôlego

Além da expansão associada aos lançamentos imobiliários, novas regras determinam a diversificação de cobertura e devem dar embalo à modalidade
FLÁVIA FURLAN
 
A venda de seguro-condomínio pega carona no desenvolvimento do mercado imobiliário. Obrigatório desde 1966, este tipo de apólice registrou um crescimento no país de 130% de 2003 a maio deste ano, com prêmios de R$ 17,2 milhões, segundo dados da Superintendência de Seguros Privados (Susep), e ganhou este ano ampliação de proteção ao patrimônio.
 
"O mercado imobiliário está aquecido e os novos condomínios são uma oportunidade real de crescimento para esta carteira", diz o diretor de Riscos Industriais e Comerciais da SulAmérica, Luis Alberto Mourão.
 
Apesar de oscilar no curto prazo, a expansão do mercado imobiliário nacional tem apresentado ritmo acelerado nos últimos anos. Somente de junho do ano passado a junho deste ano, o lançamento de imóveis na cidade de São Paulo cresceu 12%, segundo a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp) divulgados ontem. Além disso, somente no estado de São Paulo existem 40 mil condomínios, sendo que 27 mil encontram- se na capital, conforme estimativa do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP).
 
E foi exatamente o setor imobiliário que pressionou a agência reguladora de seguros a criar novas regras para o ramo de condomínio, em busca de uma proteção mais ampla. O resultado foi que, em julho deste ano, passou a valer a resolução do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) 218/2010. Com ela, as seguradoras foram obrigadas a oferecer uma cobertura básica e uma ampla. A mudança pode trazer mais fôlego ao mercado de seguro-condomínio, por permitir o oferecimento de apólices mais amplas e, portanto, mais caras, tirando a modalidade do "vermelho" em alguns meses devido à alta sinistralidade.
 
Para o diretor-executivo de seguros massificados da Tokio Marine, Marcelo Goldman, a resolução foi uma oportunidade para a empresa relançar o produto, dando mais opções ao cliente. "Tivemos crescimento de 30% no primeiro mês da nova regra e no segundo mês chegamos a dobrar a carteira."
 
Ele explica que a demanda pela cobertura simples é maior, pelo preço da cobertura ampla chegar a ser três vezes superior. "A ampla está cobrindo qualquer sinistro. Por isso, neste início, as empresas lançaram a cobertura com valor mais elevado. Com o tempo e com o acúmulo de experiência na modalidade, o preço deve cair."
 
Em relação às consequências das novas regras, a Bradesco Seguros acredita que "ainda é muito cedo para se falar em vantagens tanto para segurados quanto para seguradoras, lembrando que a mudança é apenas para seguros contratados com início de vigência a partir de julho". Já a SulAmérica diz que "como a mudança ainda é recente, os corretores e segurados ainda estão se adaptando e conhecendo o produto, para identificar a necessidade da contratação desta nova modalidade."
 
Segundo o vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP, Hubert Gebara, o mercado imobiliário recebeu bem as novas regras da Susep para a modalidade de seguro. "Não tivemos nenhuma manifestação contrária", afirma ele, que em seu grupo de administração de condomínios tem contratos com mais de 500 prédios.
 

Novo índice

Com o avanço da modalidade, cresce também a prestação de serviço. A corretora Vila Velha divulgará a cada mês um valor de referência para edifícios segurados na cidade de São Paulo. O que ela fez foi, por meio do preço do metro quadrado de construção de imóveis na cidade medido pelo Sindicato da Construção (SindusCon-SP), calcular quanto o edifício custaria para ser reconstruído. "O índice é um norteador para que o síndico saiba quanto custa o seguro que deveria ser feito para o edifício dele", diz o diretor da Vila Velha,William Alzani.
 

APARTAMENTOS

 
O número de unidades na cidade de São Paulo cresceu em 10 anos 34%
 

UNIDADES

 
Em 2010, o número de apartamentos na cidade de São Paulo era de 1 milhão[2]
 

CONDOMÍNIOS

 
No estado de São Paulo existem 40 mil e, na capital, eles são 27 mil
 

Fonte: http://www.segs.com.br/

Aviso importante:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. O Portal SíndicoNet não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal SíndicoNet se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.
Para saber mais, acesse nosso Regulamento de Uso.

Depoimentos

próximo
Receba nossos Boletins

Mantenha-se Informado com as últimas notícias da área em seu email:

{{errorMessage}}

Assinatura efetuada com sucesso!

carregando...